Repressão

Irã acusa 800 pessoas em três províncias por participação em 'distúrbios'

No total, mais de 2.000 pessoas foram acusadas desde o início das manifestações

Por Agências
Publicado em 13 de novembro de 2022 | 12:44
 
 
 

A Justiça iraniana acusou quase 800 pessoas por participarem dos "recentes distúrbios" em três províncias – informaram a Mizan, agência da autoridade judicial do país, e uma agência de notícias local.

No total, mais de 2.000 pessoas foram acusadas, metade delas na capital do país, Teerã, desde o início das manifestações que abalam o território há dois meses, conforme números divulgados pela Justiça iraniana. 

Organizações internacionais de direitos humanos contabilizam 15.000 prisões, um número que as autoridades iranianas negam. 

Citado pela Mizan neste domingo, o diretor-geral de Justiça da província de Hormozgan anunciou o indiciamento de 164 pessoas "acusadas após os recentes distúrbios" na província e que serão "julgadas a partir de quinta-feira". 

Elas são acusadas de "reunião e conspiração contra a segurança do país", "propaganda contra o regime", "perturbação da ordem pública", "distúrbios", "incitação a assassinato", "lesões contra agentes de segurança" e "danos ao patrimônio público". 

De acordo com a agência Tasnim, na noite de sábado, o diretor-geral da autoridade judicial da província central de Isfahan, Asadollah Jafari, afirmou que 316 casos relacionados com os recentes distúrbios foram apresentados e que 12 réus já foram julgados.

Da mesma forma, 276 pessoas foram indiciadas na província de Markazi (centro), segundo o diretor de justiça local, Abdol-Mehdi Mousavi, mencionado pela agência de imprensa oficial Irna. 

- Atritos com Macron -
Neste domingo, o governo iraniano criticou uma recente reunião entre o presidente francês, Emmanuel Macron, e dissidentes iranianos e classificou as declarações após o encontro como "lamentáveis e vergonhosas". 

Na sexta-feira (11), Macron se reuniu com quatro proeminentes dissidentes iranianas, em meio à onda de protestos no Irã após a morte de Mahsa Amini, em setembro, sob custódia policial. A jovem curdo-iraniana, de 22 anos, foi presa pela polícia da moralidade em Teerã por não usar o véu corretamente, conforme exigido pelo rigoroso código de vestimenta para mulheres na República Islâmica. 

O encontro foi "uma violação flagrante das responsabilidades internacionais da França na luta contra o terrorismo e a violência", criticou o porta-voz do Ministério iraniano das Relações Exteriores, Nasser Kanani. 

"Consideramos que a França favorece esses fenômenos sinistros", acrescentou.

A ativista americana Masih Alinejad, que há anos lidera uma campanha incentivando as mulheres iranianas a retirarem seus véus, e Ladan Boroumand, cofundadora do grupo de direitos humanos Abdorrahman Boroumand Center, com sede em Washington, estavam entre as participantes da reunião.

"As declarações de apoio de Macron a essa suposta revolução liderada por essa gente" foram "lamentáveis e vergonhosas", disse Kanani. 

Na sexta-feira, depois da reunião, Macron expressou seu "respeito e admiração no âmbito da revolução que lideram".

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!