Ataques

Irã lançou mais de 200 drones e mísseis contra Israel, diz oficial israelense

Operação é chamada de Promessa Honesta pelos iranianos

Por Agências
Publicado em 13 de abril de 2024 | 19:42
 
 
 

O Irã lançou, neste sábado (13/04), mais de cem drones em direção a Israel, afirmou um oficial militar israelense, que alertou que mais "ondas de drones" podem vir da República Islâmica. 

"Esta noite identificamos mais de cem drones lançados contra Israel pelo Irã", disse o oficial. "Prevemos que os drones chegarão nas próximas horas e é possível que vejamos mais ondas de drones à medida que o tempo passa", acrescentou.

Os rebeldes huthis do Iêmen, muçulmanos xiitas, lançaram drones contra Israel em coordenação com o Irã, segundo a empresa de segurança Ambrey, afirmando que os projéteis estariam programados para atingir Israel simultaneamente. 

"Os huthis lançaram drones contra Israel. Os drones foram lançados em coordenação com o Irã", disse a empresa. "Os portos israelenses são considerados alvos potenciais", acrescentou, e também alertou para o risco de "danos colaterais" a navios.

Entenda o contexto do lançamento de drones do Irã

A televisão estatal iraniana anunciou na madrugada de domingo (noite de sábado, no Brasil) que os Guardiães da Revolução, o exército ideológico da República Islâmica, lançaram um ataque com "drones e mísseis" contra Israel. 

"Em resposta aos numerosos crimes cometidos pelo regime sionista, incluindo o ataque à seção consular da embaixada da República Islâmica do Irã em Damasco e o martírio de um grupo de comandantes e assessores militares de nosso país na Síria, a força aérea da Força Aeroespacial do Corpo de Guardiães da Revolução Islâmica disparou dezenas de mísseis e drones contra alvos específicos dentro dos territórios ocupados", afirmou o canal estatal, citando o departamento de relações públicas dos Guardiães.

A operação, chamada de "Promessa Honesta", foi "lançada com a aprovação do Conselho Superior de Segurança Nacional e sob a supervisão do Estado-Maior Geral das Forças Armadas", declarou a televisão, indicando que os detalhes seriam em breve "divulgados ao heroico povo iraniano e aos combatentes da liberdade de todo o mundo". 

Minutos após o início da operação, a conta na rede social X do líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, voltou a publicar uma mensagem afirmando que "o regime diabólico será punido". 

Em 3 de abril, o aiatolá declarou que Israel receberia "uma bofetada" após o bombardeio, atribuído pelo Irã ao Estado hebreu, contra o consulado iraniano em Damasco, no qual foram mortos dois dias antes sete membros dos Guardiães da Revolução, incluindo dois generais da Força Quds, seu braço de operações externas

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!