Em Gaza

Israel diz que matou terrorista que usava 1.000 pessoas como escudo humano

Ahmed Siam era acusado de reter as pessoas no hospital Rantisis

Por Agências
Publicado em 11 de novembro de 2023 | 12:59
 
 
 

O Exército de Israel informou neste sábado (11 de novembro) que matou Ahmed Siam, apontado como comandante do Hamas que prendia cerca de 1.000 pessoas no hospital Rantisis em Gaza, para servirem como escudo humano.

De acordo com um comunicado do Exército de Israel, agentes de inteligência israelenses localizaram o alvo e, neste sábado, enviaram um caça para realizar o ataque.

Ahmed Siam era um alvo conhecido e monitorado por Israel. A informação de que ele estaria mantendo mil pessoas no hospital localizado no norte de Gaza havia sido veiculada na quinta-feira pelo Exército.

 

De acordo com o porta-voz, o alvo estava escondido na Escola al-Buraq no momento do ataque. Ele teria sido assassinado junto com homens que atuavam sob seu comando.
A imagem de Ahmed Siam foi veiculada por Israel no post que anunciou sua morte. A publicação ocorreu no perfil do porta-voz do Exército.

Até o momento, o Exército de Israel reivindica ter assumido controle de 11 posições na Faixa de Gaza que pertenceriam ao Hamas. Nos últimos dias houve o anúncio de destruição de infraestruturas e armas do grupo terroristas.

Haveria ainda a eliminação de três batalhões formados por homens do Hamas durante incursões no oeste de Gaza. Túneis usados pelo grupo teriam sido destruídos durante estas operações. (Folhapress)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!