Perda

Morre Bruno Latour, filósofo francês famoso pelo pensamento ecológico

Ele foi chamado pelo New York Times de o mais famoso e incompreendido dos filósofos franceses

Por Agências
Publicado em 09 de outubro de 2022 | 10:27
 
 
 

O filósofo e sociólogo francês Bruno Latour, figura emblemática no mundo das ideias e do pensamento ambiental, morreu na madrugada deste domingo (9) em Paris, aos 75 anos, segundo sua editora. "Éditions La Découverte recebeu com pesar a notícia do falecimento de Bruno Latour esta noite em Paris. Todos os nossos pensamentos estão com sua família", escreveu a editora em comunicado enviado à AFP.

As obras deste intelectual, lidas e elogiadas no exterior, foram traduzidas para o português. Após o anúncio da morte daquele que foi descrito pelo "New York Times" em 2018 como o "mais famoso e incompreendido dos filósofos franceses" se seguiram.

O presidente francês, Emmanuel Macron, elogiou no Twitter: "Um espírito humanista e plural, reconhecido em todo o mundo antes de ser reconhecido na França".

Quem foi Bruno Latour

Latour nasceu em 22 de junho de 1947 em uma família de comerciantes de vinho em Beaune, no centro-leste da França. Formou-se em filosofia e antropologia. Ele, então, lecionou em escolas de engenharia na França, mas também no exterior, principalmente na Alemanha e nos Estados Unidos, onde foi professor visitante em Harvard.

Foi um dos primeiros intelectuais a perceber a importância do pensamento ecológico. No entanto, foi reconhecido acima de tudo no mundo anglo-saxão e vários de seus trabalhos foram publicados pela primeira vez em inglês. O conjunto de sua obra recebeu o Prêmio Holberg em 2013 e o Prêmio Kyoto em 2021. Foi considerado "criativo, bem-humorado e imprevisível", segundo o júri do Prêmio  Holberg de Ciências Sociais.

O intelectual interessava-se, entre outros, por questões de gestão e organização de pesquisa e, em geral, pela forma como a sociedade produz valores e verdades. Entre suas obras traduzidas para o português estão: "Onde estou: Lições do confinamento para uso dos terrestres" (2021); "Jubilo ou os tormentos do discurso religioso" (2020); "Políticas da natureza: como associar as ciências à democracia" (2018).

Em 2021, ele disse à AFP que as mudanças climáticas e a crise da pandemia revelaram uma luta entre "classes geossociais". "O capitalismo cavou sua própria sepultura. Agora trata-se de repará-la", disse ele. Ele resumiu seu trabalho para o público em geral em algumas de suas obras e ampliou seu público com ensaios sobre política. 

Num ensaio, defendeu a hipótese segundo a qual "há cinquenta anos não entendemos nada sobre posições políticas, se não dermos um lugar central à questão do clima e sua negação". "É como se grande parte das classes dominantes tivesse chegado à conclusão de que não haveria mais espaço na Terra para eles e para o resto de seus habitantes. Isso explicaria a explosão das desigualdades, o grau de desregulamentação, críticas à globalização e, sobretudo, o desejo desesperado de voltar às velhas proteções do Estado nacional", segundo ele.

Ele foi um dos idealizadores da teoria, nova na sociologia, do "ator-rede" que leva em conta, para além dos humanos, objetos (ou "não-humanos") e discursos, sendo estes também considerados "atores".

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!