Londres

Mulher descobre que não tinha câncer de pele após fazer 2 anos de tratamento

Em 2019 médicos constataram que uma verruga que ela tinha no braço era um melanoma; no entanto, em 2021, em outra unidade de saúde ela descobriu que nunca teve a doença

Por O TEMPO
Publicado em 20 de outubro de 2023 | 13:30
 
 
 
normal

Após dois anos de tratamento para um câncer de pele, a inglesa Megan Royle, de 33 anos, conseguiu um acordo extrajudicial para ser ressarcida por um hospital de Londres após descobrir que, na realidade, nunca teve a doença. 

Segundo o portal Sky News, a maquiadora de teatro, foi diagnosticada com câncer de pele em 2019 após médicos do Chelsea & Westminster Hospital afirmarem que uma verruga que ela tinha no braço era um melanoma. Em seguida, ela foi encaminhada para a unidade especializada em câncer do The Royal Marsden Hospital, em Londres.

Como parte do tratamento, Megan foi submetida a imunoterapia, congelou óvulos por conta do risco para a fertilidade e ainda teve que passar por uma cirurgia que deixou uma cicatriz com quase 20 centímetros no braço, segundo apurou a BBC.

Até que em 2021, a maquiadora precisou se mudar e, consequentemente, mudou o local de tratamento. A equipe que a atendeu revisou seus exames e descobriu que ela nunca teve câncer de pele.

Esta semana, a Megan Royle conseguiu um acordo extrajudicial para ser ressarcida pelos dois anos de tratamento e os transtornos que acumulou desde o primeiro diagnóstico.

Em entrevista à imprensa local, seu advogado, Matthew Gascoyne, especializado em negligência médica, declarou que o diagnóstico causou um "profundo impacto psicológico" em sua cliente.

Em declaração ao jornal britânico The Independent, a Megan afirma que, apesar de sentir alívio em saber que não tinha câncer, suas emoções mais fortes foram de frustração e raiva.

"Você simplesmente não pode acreditar que algo assim possa acontecer, e até hoje não tive uma explicação de como e por que isso aconteceu. Passei dois anos acreditando que tinha câncer, passei por todo o tratamento e então me disseram que não havia câncer algum", disse Megan Royle, maquiadora.

Em comunicado encaminhado à Sky News, um porta-voz da Royal Marsden NHS Foundation Trust pediu desculpas: "Desejamos oferecer nossas sinceras desculpas a Megan Royle pela angústia causada por sua experiência em nosso hospital e estamos satisfeitos que um acordo tenha sido alcançado".

A North West London Pathology, parceira do Imperial College NHS Trust, também se pronunciou: "Lamentamos profundamente a angústia causada a Megan Royle e pedimos desculpas sem reservas pelo erro cometido. Embora nenhum acordo compense o impacto que isto teve, estamos satisfeitos por ser alcançado um acordo".

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!