muita neve

Nevasca nos EUA deixa 47 mortos, apagões e voos cancelados no Natal

Expectativa é de que o problema climático continue a causar estragos nos próximos dias, enquanto tempestades impedem a passagem de veículos de emergência e milhares de viajantes não conseguem se deslocar

Por Agência
Publicado em 26 de dezembro de 2022 | 13:07
 
 
 

A tempestade de inverno mais rigorosa em décadas nos Estados Unidos vai demorar a passar — anunciou o Serviço Meteorológico Nacional (NWS, na sigla em inglês) nesta segunda-feira (26), depois de nevascas e do frio polar que deixaram pelo menos 47 mortos, cortes de energia e atrasos nas viagens.

O número de vítimas fatais no condado de Erie chegava a 13 no domingo à noite e, desde então, mais 12 óbitos foram confirmados, "elevando a 25 o total de mortos pela nevasca", declarou a máxima autoridade local, Mark Poloncarz, em entrevista coletiva nesta segunda.

Algumas pessoas foram encontradas mortas em seus automóveis, e outras, de parada cardíaca, ao tentarem limpar a neve sob temperaturas ainda muito baixas, acrescentou.

Pelo menos 47 mortes relacionadas às condições climáticas foram confirmadas em nove estados. Em Ohio, os acidentes de estrada relacionados com o mau tempo deixaram nove mortos, confirmou a Patrulha Rodoviária do estado de Ohio em entrevista à AFP.

Zona de guerra

O condado de Erie, na fronteira com o Canadá e ao qual pertence Buffalo, a segunda maior cidade do estado de Nova York, tornou-se o epicentro da crise. 

Nesta segunda, Buffalo continuava, em grande parte, bloqueada pela grande quantidade de nevascas. O NWS prevê até 35 centímetros a mais de neve para hoje. 

Esta é, "provavelmente, a pior tempestade da nossa vida e na história da cidade", disse Poloncarz, observando que o número de óbitos em Erie deve superar o da tempestade de Buffalo de 1977, quando quase 30 pessoas morreram.

Ante a previsão de mais neve e o fato de a maior parte de Buffalo estar "intransitável", Poloncarz advertiu os moradores para que fiquem em casa, ou que busquem abrigo. 

Membros da Guarda Nacional e outros socorristas já resgataram centenas de pessoas de carros cobertos de neve e de casas sem energia elétrica. As autoridades afirmam que muitas continuam presas. 

“É muito duro receber ligações de famílias com crianças que dizem que estão congeladas”, desabafou o xerife do condado de Erie, John Garcia, em entrevista à rede americana CNN.

"É como ir para uma zona de guerra. Esta é uma guerra com a mãe natureza", disse a governadora de Nova York, Kathy Hochul, natural de Buffalo, ao percorrer a cidade no domingo. Lá, a neve chegou a 2,4 metros, e houve apagões.

Cortes de energia 

Desde a noite de quarta-feira (21), os Estados Unidos sofrem com esta tempestade de rara intensidade, cujos ventos polares provocaram fortes nevascas, sobretudo na região dos Grandes Lagos.

Dezenas de milhões de americanos tiveram seu Natal interrompido por cortes de energia em massa, estradas intransitáveis e milhares de voos cancelados, que provocaram caos nos aeroportos. 

Nesta segunda-feira, mais de 1.700 voos permaneciam cancelados nos Estados Unidos, de acordo com o site Flightaware.com.

O clima extremo provocou temperaturas abaixo de zero em 48 dos 50 estados americanos no fim de semana, deixou viajantes presos, devido aos milhares de voos cancelados, e isolou moradores em casas cobertas de gelo e neve.

Em um determinado momento do sábado (24), quase 1,7 milhão de clientes em todo país ficaram sem energia, de acordo com o Poweroutage.us. Esse número caiu substancialmente na noite passada, embora mais de 50.000 usuários nos estados do leste ainda estivessem sem energia. 

A previsão é que o tempo melhore gradativamente no decorrer da semana. O clima extremo "continuará causando condições perigosas de viagem, em nível local, durante os próximos dois dias", alertou o NWS em seu último boletim. 

"A maior parte do leste dos Estados Unidos permanecerá em condições de congelamento até segunda-feira, até que se estabeleça uma tendência mais moderada a partir de terça-feira", acrescentou.

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!