divergências

Pequim acusa Joe Biden de contradição no caso do balão chinês

Relações bilaterais pioraram desde o incidente de 4 de fevereiro

Por Agência
Publicado em 22 de fevereiro de 2023 | 11:36
 
 
 

O governo chinês acusou o presidente americano Joe Biden de "dizer uma coisa e fazer outra", em referência à destruição de um balão chinês por um avião de combate americano nos Estados Unidos.  As relações bilaterais pioraram desde o incidente de 4 de fevereiro. Segundo Washington, tratava-se de um dispositivo de espionagem que vigiava, principalmente, bases militares americanas. Já Pequim apresentou o equipamento como uma infraestrutura civil que se desviou de sua trajetória. 

No domingo (19), o secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse no Twitter que "condenou a incursão", durante uma reunião com seu homólogo chinês, Wang Yi.  Nesta quarta-feira (22), o Ministério das Relações Exteriores da China reagiu fortemente, ao ser abordado pelo canal público chinês CCTV sobre esse tuíte. 

"O presidente Biden ordenou, pessoalmente e sem escrúpulos, o envio de aviões de combate e de mísseis avançados para derrubar um aerostato civil", declarou o porta-voz Wang Wenbin em uma coletiva de imprensa regular. 

"É 100% uso cego da força, é 100% reação exagerada, é 100% histérico. Trata-se de uma grave violação das práticas e das convenções internacionais", acrescentou. 

"O presidente Biden prometeu, em diversas ocasiões, pública e solenemente, que não está buscando uma nova Guerra Fria e que não tem intenção de entrar em conflito com a China", lembrou o porta-voz.  "Esperamos que, como líder de um grande país, mantenha sua palavra e faça o que diz, em vez de dizer algo e fazer o contrário", completou. (AFP) 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!