Política

Peru: minoria legislativa e protestos ameaçam presidência de Dina Boluarte

Enquanto Castillo divide a mesma prisão, em Lima, com o ex-presidente Alberto Fujimori, manifestantes pedem novas eleições nacionais

Por Agências
Publicado em 10 de dezembro de 2022 | 09:07
 
 
 

A intenção de Dina Boluarte de seguir como presidente do Peru até 2026 parece cada vez mais difícil. Após assumir o lugar de Pedro Castillo, que tentou dar um golpe e foi destituído e preso na quarta-feira, 7, formar um governo que dê a ela legitimidade e força para dialogar com o Congresso parece inviável, enquanto crescem os pedidos por novas eleições.

"Boluarte não tem partido e nem representantes no Congresso, é impopular e considerada uma traidora pelos seguidores de Castillo e não tem apoio em movimentos regionais", diz o ex-ministro da Saúde Víctor Zamora. Para ele, a nova presidente "é refém do Congresso e pode, no máximo, formar um gabinete de transição".

Enquanto Castillo divide a mesma prisão, em Lima, com o ex-presidente Alberto Fujimori, manifestantes saem às ruas em diferentes partes do país pedindo novas eleições. Alguns protestos pedem também o fechamento do Congresso em mais um sinal de que a crise está longe do fim.

Diante desse cenário, Boluarte deixou as portas abertas para novas eleições. "Se a sociedade e a situação assim determinarem, adiantamos as eleições em conversas com as forças democráticas do Congresso", afirmou nesta sexta, 9.

"Caiu Castillo, mas continuamos tendo o mesmo Congresso. Por isso, a maior possibilidade é a de vermos um governo interino. Construir a coalizão que precisa para ficar no poder até 2026 é algo muito complicado", afirma o analista político Carlos Meléndez, integrante do grupo 50+1 de análises políticas peruano

Novo gabinete

Boluarte tenta costurar alianças com a direita e anuncia neste sábado, 10, o novo gabinete. Enquanto isso, pede calma aos manifestantes após notícias de confrontos violentos.

No interior do país, como em Cajamarca, berço político de Castillo, e Trujillo, Puno e Ayacucho, manifestantes bloqueiam estradas contra a prisão e destituição do ex-presidente.

Para Zamora, as vozes das ruas devem crescer e a presidente não terá muita opção. "Acredito que ela deva se apresentar como uma governante de transição e estabelecer 3 ou 4 objetivos, como garantir eleições limpas, reduzir o impacto da fome e melhorar a segurança."

(Estadão Conteúdo)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!