Guerrilha

Soldados colombianos são mortos por dissidentes das Farc

Crimes ocorreram um dia antes de rebeldes se reunirem com governo da Colômbia, na tentativa de selar a paz

Por Agência
Publicado em 17 de setembro de 2023 | 15:01
 
 
 
normal

Quatro integrantes do Exército colombiano morreram em combates com dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) um dia antes de uma reunião dos rebeldes com o governo para consolidar as negociações de paz, informou o Ministério da Defesa.

Em um comunicado, o ministério negou "o assassinato do tenente José Rafael Martínez" e dos militares "Juan Carlos Silva, Jean Carlos Yaguara e Jhan Sandoval (...) em combate contra um grupo armado residual" - nome utilizado pelo governo para se referir aos grupos que não aderiram ao pacto de paz assinado pelas Farc e o governo colombiano em 2017.

Reunidos no chamado Estado-Maior Central (EMC), os rebeldes dissidentes iniciarão nesta segunda-feira (18) uma reunião de três dias com o governo para "anunciar a data de instalação da mesa de negociações de paz" e "formalizar o cessar-fogo bilateral", informou a Presidência durante a manhã, horas antes dos soldados serem assassinados.

Campos de coca

O incidente aconteceu em uma zona rural do município de Cumbitara, no departamento de Nariño (Sudoeste). A região, fronteira com o Equador, concentra boa parte dos campos de coca do país que mais exporta cocaína para o mundo, de acordo com a ONU. 

A renda proveniente do negócio ilegal é alvo de uma disputa mortal entre diversas facções de dissidentes, a guerrilha do ELN e o grupo Clan del Golfo.

Gustavo Petro, o primeiro presidente de esquerda da história da Colômbia, procura neutralizar o conflito de mais de seis décadas por meio de acordos com os diferentes grupos armados.

À meia-noite de 31 de dezembro, ele anunciou uma trégua bilateral com as cinco principais organizações. No entanto, o acordo com a EMC foi suspenso em maio, quando os rebeldes assassinaram quatro jovens indígenas que resistiram ao recrutamento.

O processo é apoiado pela Noruega, Suíça, Irlanda e União Europeia, além da Igreja Católica, mas especialistas questionam a unidade de comando do EMC, liderado por ex-veteranos das Farc mas com novos recrutas na base. (Agência France Presse)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!