em miami

Trump comparece à Justiça por acusação sobre documentos secretos

A segurança foi reforçada ao redor do tribunal, no centro da cidade, onde Trump deve negar mais de 30 acusações

Por Agências
Publicado em 13 de junho de 2023 | 15:47
 
 
 

O ex-presidente americano Donald Trump, favorito a obter a indicação do Partido Republicano às eleições presidenciais de 2024, se apresenta nesta terça-feira (13) a um tribunal federal em Miami, acusado de gerenciar de forma negligente segredos de Estado, pondo em risco a segurança nacional.

Trump, que completa 77 anos nesta quarta-feira, chegou à corte de Miami, para a leitura das acusações contra ele às 15h locais (16h de Brasília). 

A segurança foi reforçada ao redor do tribunal, no centro da cidade, onde Trump deve negar mais de 30 acusações de remoção ilegal de dezenas de documentos sigilosos, ao deixar a Casa Branca em 2021, assim como de obstruir os esforços para recuperá-los.

Primeiro presidente da história americana indiciado por um grande júri federal, Trump é acusado pela Procuradoria de ter conservado documentos confidenciais depois de deixar a Casa Branca, incluindo alguns que continham informações secretas sobre armas nucleares. 

Trump é alvo de 37 acusações, incluindo "retenção ilegal de informações vinculadas à segurança nacional, obstrução de Justiça e falso testemunho".

As medidas de segurança em torno do tribunal federal, no centro de Miami, são draconianas.

Os policiais, alguns a cavalo e de bicicleta, estão preparados para possíveis protestos e distúrbios, mas até o momento o clima é festivo, com salsa em alto volume. 

Segundo uma fonte judicial, Trump deverá se submeter aos mesmos procedimentos que os demais acusados, como tomada de impressões digitais e de fotografias, que não serão divulgadas. 

Trump aproveitou sua plataforma Truth Social para atacar o procurador Jack Smith, a quem chamou de "mafioso" e "lunático".

"Nunca houve algo assim. Nunca houve uma caça às bruxas como esta", queixou-se Trump, em declarações a uma emissora de rádio local após chegar a Miami na segunda-feira. 


- "Incrível" -
Um pequeno grupo de apoiadores do ex-presidente se concentrou nos arredores do tribunal, usando bonés vermelhos com os dizeres "Make America Great Again" ("Façam a América grande de novo", em tradução literal).

"Não consigo acreditar que esteja passando por isso de novo", disse Lázaro Ezenar à AFP, referindo-se às acusações criminais de fraude contábil apresentadas contra Trump no início de abril, no estado de Nova York, por um pagamento efetuado antes das eleições presidenciais de 2016 para silenciar uma atriz de filmes pornográficos que alega ter sido sua amante. 

Esta é a primeira vez que um ex-presidente dos Estados Unidos é indiciado pela Justiça federal. Mas o caso julgado em Miami parece mais comprometedor, apesar de Trump ter demonstrado mais de uma vez sua capacidade de sobreviver politicamente aos problemas, quando não faz deles uma oportunidade. 

Nos Estados Unidos, uma lei obriga os presidentes a enviarem todos os e-mails, cartas e outros documentos de trabalho para os Arquivos Nacionais. Outra lei proíbe a manutenção de segredos de Estado em locais não autorizados e considerados inseguros.

Em janeiro de 2021, quando deixou a Casa Branca e se mudou para sua mansão em Mar-a-Lago, na Flórida, Trump levou dezenas de caixas repletas de arquivos. 

Operação do FBI

De acordo com a acusação, as caixas foram empilhadas no palco de um salão de dança do complexo hoteleiro antes de serem transportadas para um depósito perto de uma piscina. Algumas tinham a inscrição "segredo de Defesa". 

Em janeiro de 2022, depois de receber vários pedidos das autoridades, Trump decidiu devolver caixas com quase 200 documentos confidenciais. 

Convencidos de que Donald Trump não havia entregado todos os documentos em seu poder, vários agentes do FBI entraram em Mar-a-Lago em 8 de agosto e levaram mais de 30 caixas com 11.000 documentos. 

O republicano acusou uma interferência do presidente democrata, Joe Biden, que pode ser mais uma vez seu adversário nas eleições de 2024.

Em declarações ao veículo Americano Media, Trump disse que seus adversários "estão tentando, pela Justiça, o que não podem conseguir nas urnas".

Afirmou, ainda, que está sendo perseguido "para ocultar a corrupção de Biden". Os republicanos acusam vários familiares do presidente, sobretudo seu filho Hunter, de ter tido dinheiro de negócios obscuros com empresas chinesas e romenas.

Milhões de dólares

Trump convocou seus apoiadores para um discurso posterior à leitura das acusações que, desta vez, acontecerá em seu clube de golfe de Bedminster, em Nova Jersey. 

Após o indiciamento em abril, o ex-presidente se gabou de ter recebido milhões de dólares de seus seguidores. Muitos deles convencidos de que Trump é vítima de uma conspiração, continuam a apoiá-lo contra todas as adversidades.

Trata-se de um apoio necessário para Trump, que enfrenta outras investigações judiciais. Uma procuradora do estado da Geórgia deve anunciar até setembro o resultado de uma investigação sobre as supostas pressões que o republicano exerceu para tentar mudar o resultado das eleições de 2020. 

O julgamento criminal do caso aberto em Nova York provavelmente acontecerá no início de 2024, em plena campanha para as primárias republicanas, nas quais Trump é o grande favorito.

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!