Terremoto

Turistas e moradores do Marrocos se juntam para doar sangue

Pior terremoto que já atingiu o Marrocos desde a década de 1960 deixou mais de 800 mortos e centenas de feridos

Por Agências
Publicado em 09 de setembro de 2023 | 09:54
 
 
 
normal

Cerca de 200 pessoas aguardavam em uma fila para doar sangue num centro de transfusão em Marrakech neste sábado (9), depois que o pior terremoto desde a década de 1960 atingiu o Marrocos na noite desta sexta-feira (8), deixando ao menos 820 mortos e quase 700 feridos.

Embora a alta temporada turística tenha terminado, muitos estrangeiros ainda estão na cidade, atraídos pelas suas joias arquitetônicas, e se juntaram à fila de doação. "Precisamos de cada gota de sangue", disse Mahmoud Abghach, coordenador do centro. "Estamos felizes em ver turistas estrangeiros se unindo para doar sangue após este doloroso acontecimento."

O terremoto ocorreu em Ighil, nas montanhas do Alto Atlas, cerca de 70 quilômetros a sudoeste de Marrakech, a uma profundidade de 18,5 quilômetros, às 23h11 no horário local (19h11 do horário de Brasília). O número de vítimas pode subir à medida em que socorristas buscam por desaparecidos.

De acordo com as autoridades, as mortes se concentram nas províncias e municípios de Al Hauz, Marrakech, Uarzazat, Azilal, Chichaoua e Tarudant. Na cidade antiga de Marrakech, um Patrimônio Mundial da Unesco densamente povoado, casas desabaram e muros apresentavam rachaduras e trechos destruídos.

Lahsen Mhanni, chefe do serviço de monitoração sísmica no Marrocos, disse que o terremoto resultou em dezenas de tremores secundários e que não há perigo de tsunami.

O Marrocos foi um protetorado francês e espanhol desde 1912 até à sua independência em 1956 e os líderes de ambos os países prestaram solidariedade. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que a França está pronta para oferecer ajuda. "Estamos todos devastados após o terrível terremoto em Marrocos", escreveu Macron no X, antigo Twitter.
O líder da Espanha, Pedro Sanchez, ofereceu a sua "solidariedade e apoio ao povo de Marrocos", numa publicação no X. "A Espanha está ao lado das vítimas desta tragédia e das suas famílias."

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, expressou simpatia com as vítimas e afirmou que os EUA estão prontos para fornecer qualquer assistência necessária. "Estou profundamente entristecido pela perda de vidas e pela devastação causada pelo terremoto em Marrocos", disse ele num comunicado. "Nossos pensamentos e orações estão com todos aqueles afetados por esta terrível dificuldade."

Presidente da Rússia, Vladimir Putin também expressou solidariedade. "Por favor, transmita palavras de simpatia e apoio às famílias e amigos das vítimas, bem como votos de uma rápida recuperação a todos aqueles que sofreram como resultado deste desastre natural", disse ele, em mensagem endereçada ao rei Mohammed 6°.

O líder ucraniano, Volodimir Zelenski, enviou condolências ao rei e a todos os marroquinos e desejou uma rápida recuperação a todas as vítimas.
Marrocos frequentemente experimenta terremotos em sua região norte devido à sua localização entre as placas africana e euroasiática.

Em 2004, pelo menos 628 pessoas morreram e 926 ficaram feridas quando um terremoto atingiu Alhucemas, no nordeste do país, no que foi um dos tremores mais mortais da história do Marrocos. (Folhapress)

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!