china

Xangai sob segurança máxima após protestos contra política 'Covid zero'

Grandes manifestações aconteceram no domingo no centro da metrópole chinesa, onde houve confrontos entre manifestantes e policiais

Por Agências
Publicado em 28 de novembro de 2022 | 19:39
 
 
 

Centenas de agentes policiais e dezenas de veículos patrulharam nesta segunda-feira (28) à noite as ruas de Xangai, após um fim de semana marcado por protestos contra a polêmica política chinesa de "Covid zero". Após um incêndio mortal na cidade de Urumqi, no nordeste do país, a indignação cresce na China contra as restrições pela covid-19, criticadas por retardar a ação dos bombeiros.

Grandes manifestações aconteceram no domingo no centro de Xangai, onde houve confrontos entre manifestantes e policiais próximo à rua Wulumuqi.

Muitos agentes e veículos da polícia estavam presentes nesta segunda-feira nesta mesma área, na intenção de dissuadir novas tentativas de protestos, segundo comprovaram jornalistas da AFP, que viram policiais prenderem quatro pessoas e libertarem uma ao longo do dia.

Na rua Wulumuqi, havia 12 viaturas policiais em um raio de 100 metros, segundo um jornalista da AFP. "O clima está tenso esta noite. Há muitos policiais nesta área", disse um pedestre, que pediu para ser chamado de Taku (pseudônimo) e que explicou ter perdido o emprego em uma companhia aérea por causa da pandemia. Para ele, as manifestações foram justificadas.

"O resto do mundo voltou ao normal, mas a China continua paralisada devido a uma política de 'covid zero'. Esta cidade está a caminho de enlouquecer", acrescentou Taku, que disse esperar "impacientemente que algo aconteça".

Fotos apagadas

Outro jovem disse à AFP que a polícia perguntou especificamente se ele havia baixado aplicativos estrangeiros em seu telefone, uma pergunta feita a muitos outros cidadãos chineses, segundo relatos nas redes sociais.

"O ambiente é estranho, mas não me sinto em perigo", disse uma mulher de 30 anos, que trabalha como balconista e lamentou a diminuição da atividade comercial na área onde ocorreram as manifestações.

Apesar de tudo, a noite de segunda-feira foi bastante calma. A AFP viu apenas quatro agentes chamarem a atenção de dois jovens e inspecionarem seus telefones celulares e câmeras antes de deixá-los ir.

Os policiais também apagaram fotos de telefones celulares de várias pessoas na área de Wulumuqi. "Como cidadão de Xangai, tenho o direito de gravar", disse um jovem detido brevemente por gravar uma manifestação. "Agora é assim em Xangai. Não há liberdade", lamentou.

(AFP)
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!