relações internacionais

Xi Jinping e Biden discutem questões políticas e econômicas entre EUA e China

Presidentes concordaram em iniciar conversas entre os dois governos sobre o uso de inteligência artificial e estabelecer um grupo de trabalho de cooperação contra drogas

Por Agência
Publicado em 16 de novembro de 2023 | 09:04
 
 
 
normal

O presidente chinês, Xi Jinping, alertou que os Estados Unidos devem "parar de armar Taiwan", mas concordou com seu contraparte Joe Biden sobre o restabelecimento da comunicação direta entre seus respectivos exércitos, disse o Ministério das Relações Exteriores chinês e um veículo de mídia estatal chinês.

"O lado americano deveria (...) parar de armar Taiwan e apoiar a reunificação pacífica da China", disse Xi, segundo um resumo da chancelaria chinesa sobre a reunião entre os dois líderes na Califórnia.

"A China conseguirá a reunificação, e isso é inevitável", acrescentou Xi sobre o futuro desta ilha com um governo autônomo e democrático, que Pequim considera um território a ser recuperado.

Em sua reunião durante a cúpula do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) em San Francisco, ambos os líderes "concordaram em retomar, com base na igualdade e no respeito, a comunicação de alto nível entre os exércitos" nesta quarta-feira, disse a agência de notícias oficial chinesa Xinhua.

Eles também concordaram em iniciar conversas entre os dois governos sobre o uso de inteligência artificial e estabelecer um grupo de trabalho de cooperação contra drogas, disse a Xinhua.

Xi disse ao seu interlocutor que a China não pretende "superar ou derrubar os Estados Unidos" e destacou que "os Estados Unidos não devem conspirar para suprimir e conter a China". "A China não seguirá o antigo caminho da colonização e pilhagem, nem seguirá o caminho errado da hegemonia quando um país se torna forte", disse Xi, segundo a Xinhua.

O líder chinês também repreendeu Biden pelas medidas e sanções tomadas pelos Estados Unidos contra o gigante asiático e suas empresas. "As ações americanas contra a China em relação ao controle de exportações, supervisão de investimentos e sanções unilaterais prejudicam gravemente os interesses legítimos da China", disse.

"Sufocar a ciência e a tecnologia da China é frear o desenvolvimento chinês de alta qualidade e privar o povo chinês de seu direito ao desenvolvimento", acrescentou. (AFP) 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!