O Tempo
Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Lei Maria da Penha

Violência contra a mulher registra média de três vítimas por dia em Betim

Em 2018, foram 1.206 casos notificados; em 2018, foram 1.206 casos notificados

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Campeão
Dentre esses registros, 906 casos, ou seja, 75% das denúncias, correspondem a ameaças
PUBLICADO EM 28/11/19 - 20h00

Em 2018, 1.206 denúncias de violência contra a mulher foram registradas em Betim, de acordo com dados levantados pela Polícia Civil de Minas Gerais. Dentre essas denúncias, 906 casos (75%) correspondem a ameaças e 242 (20%) referem-se a lesões corporais consumadas. Ainda conforme o levantamento, no ano passado, foram contabilizadas nove vítimas de homicídios consumado e tentado no município.

Na segunda (25), mais um caso de tentativa de feminicídio foi registrado. O crime chocou frequentadores de um centro de compras que fica às margens da avenida Marco Túlio Isaac, onde o fato ocorreu.

Uma mulher de 32 anos teve traumatismo craniano e fraturou o nariz depois de ter sido agredida com socos e chutes na cabeça por um homem de 34 anos, no estacionamento do mall. O suspeito, preso em flagrante no apartamento em que ele mora, horas após cometer o crime, justificou a agressão dizendo que a vítima teria supostamente agredido a sobrinha dele, de 15 anos.

Conforme relatos da vítima à polícia, o suspeito a arrastou pelo calçamento do estacionamento do shopping e, depois, deu chutes e socos na cabeça dela. O homem só teria parado as agressões depois que os seguranças do centro de compras se aproximaram. Ele e uma mulher que estaria com ele fugiram em um Honda Civic logo depois do crime.

Segundo Ariadne Coelho, delegada Especializada do Atendimento à Mulher em Betim, quando a mulher é vítima de ameaça, lesão corporal ou qualquer outro crime praticado no contexto doméstico ou familiar, deve acionar imediatamente a polícia. 

Na delegacia, ela vai receberá um suporte psicológico e atendimento com uma assistente social e uma psicóloga, que avaliam se há necessidade de ser inserida nos programas desenvolvidos no Centro de Referência Especializado de Atendimento à Mulher (Cream) Janice Rosa de Oliveira.

Posteriormente, é instaurado o inquérito policial para apuração dos fatos e o agressor, depois, será notificado das medidas protetivas solicitadas na delegacia e determinadas pela justiça.

Só em 2018, foram concedidas 483 medidas protetivas a mulheres de Betim. “Temos uma rede de atendimento, mas é claro que precisamos de uma estrutura melhor para todo esse sistema. A Lei Maria da Penha é uma grande conquista para as mulheres, porque esse tipo de violência é complexo. Muitas mulheres ainda refutam em denunciar, mas há o outro lado, que é o crescimento da procura delas para se livrarem dessa situação”, finalizou.

Acolhimento

A Secretaria de Assistência Social de Betim oferece atendimento, acolhimento e encaminhamento às mulheres vítimas de violência no município por meio do Centro de Referência Especializado de Atendimento à Mulher (Cream) Janice Rosa de Oliveira. O espaço funciona das 8h às 17h, na rua Carandaí, 87, no bairro Chácara.

Reconhecimento

O município também integra a plataforma “50/50 da ONU no Brasil”, que defende a igualdade de gêneros no mercado profissional e demais reinserções sociais.

O que achou deste artigo?
Fechar

Lei Maria da Penha

Violência contra a mulher registra média de três vítimas por dia em Betim
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter