Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Editorial

Em causa própria

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 14/03/18 - 03h00

Em 2017, o governo federal pagou R$ 23,2 bilhões em gratificações por desempenho a servidores do Executivo, segundo o Ministério do Planejamento. Outra fonte dá que o gasto com servidores na ativa dos Três Poderes e do Ministério Público Federal foi de R$ 42,3 bilhões.

Esse valor é quase o dispêndio da União com salários, que chegou a R$ 54,5 bilhões. A gratificação por desempenho foi criada para incentivar o servidor a se interessar em progredir na carreira, contemplando o indivíduo ou a equipe que se destacam na execução de um trabalho.

Por artes dos interessados, porém, o que seria um instrumento a ser aplicado excepcionalmente se generalizou, sendo concedido a praticamente todo o universo de servidores públicos, inclusive aos aposentados. E, pior, passou a ser incorporado aos salários do pessoal.

No Executivo federal, 500 mil dos 633 mil servidores recebem a gratificação por desempenho, graças a uma lei de 2008, gestada no governo Lula, que atendeu pleitos colocados pelos sindicalistas do setor. Parece que a ordem era se apoderar de um naco do Estado.

Então, o tempo era de crescimento econômico e aumento da arrecadação. Não custava atender a demanda, só que depois veio a recessão, e o Estado brasileiro teve de continuar a gratificar seu pessoal. No ano passado, elas tiveram um aumento de 6,5% acima da inflação.

Os funcionários dos Correios estão em greve porque não querem perder direitos. No vermelho, a estatal paga quase 100% do plano de saúde dos 117 mil trabalhadores e de seus dependentes, como cônjuges, filhos e até pais. Com isso, estão contribuindo para matar a empresa.

Tudo bem que o funcionalismo não precise demonstrar nenhuma responsabilidade com a coisa pública. Mas os governantes, sim; não deveriam atender, mesmo que tenham recursos para tal, qualquer pleito que se lhes apresentem. Deveriam ver também o restante da sociedade.

O corporativismo, com essa cultura de defesa de privilégios, é uma das fontes da desigualdade social no Brasil.

O que achou deste artigo?
Fechar

Em causa própria
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter