Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Editorial

Menos um problema

Prefeitura está comemorando os dois anos da operação Viagem Segura

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 21/01/19 - 03h00

A prefeitura está comemorando os dois anos da operação Viagem Segura, idealizada para reduzir os furtos e roubos nos coletivos de Belo Horizonte. Segundo a administração municipal, os números confirmam a redução desses atentados contra passageiros de ônibus na capital.

A estratégia do programa é fazer embarcar, a partir das 18h até o final da noite, em coletivos que passam por avenidas que apresentam maior índice de ocorrências, agentes da Guarda Municipal. No período, foram feitos mais de 35 mil embarques desses servidores municipais.

Antes, eram frequentes os furtos, roubos e assaltos, inclusive a mão armada, nos coletivos de Belo Horizonte e da região metropolitana. O mais comum eram os furtos, executados por profissionais em “bater carteira”, que passaram a cobiçar os celulares, a partir de certo momento.

A presença dos guardas nos ônibus municipais e coletivos metropolitanos inibiu os malfeitores, mas mesmo assim suspeitos foram abordados, veículos foram interceptados, pessoas foram presas, e drogas e armas foram apreendidas. Foram recuperados veículos e celulares.

Certamente, contribuíram também para a queda nas ocorrências a disseminação do cartão eletrônico, adotado pelas empresas na operação dos coletivos, bem como a reação de passageiros, algumas violentas, com o espancamento e até assassinato de assaltantes.

Os assaltos acabaram se tornando pouco lucrativos, fazendo com que os malfeitores procurem outros meios de vida, talvez mais honestos. Com a crise econômica, ficou desvantajoso arriscar a cabeça por alguns trocados, tomando-os de pobres trabalhadores.

Seja como for, a experiência está demonstrando a utilidade da Guarda Municipal, bem como estabelecendo a convicção de que segurança não depende apenas da repressão, mas de um conjunto de ações, como o conforto dos ônibus e a cortesia dos condutores.

Se o serviço é qualificado, ambulante não vende doce e passageiro não pula a roleta.

O que achou deste artigo?
Fechar

Menos um problema
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter