Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Flávio Saliba

O caráter hereditário da extrema pobreza

É preciso agir rápido para não mergulhar de vez no Quarto Mundo

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 11/01/19 - 03h00

Se concordarmos que a privação econômica contribui para a instabilidade dos laços familiares, devemos admitir, também, que certos comportamentos decorrentes dessa instabilidade tendem a se consolidar em áreas de concentração de famílias muito pobres, socialmente segregadas. Se o jovem do sexo masculino procura nas gangues o apoio que não obteve na família, estas lhe impõem, em troca, comportamentos tais como o envolvimento em atividades criminosas e as conquistas sexuais como forma de afirmação perante os pares. Por sua vez, como a manifestação da pobreza persiste, para muitas moças a maternidade torna-se um rito de passagem para a vida adulta.

As famílias chefiadas por viúvas, mulheres separadas ou mães solteiras, nas nossas regiões metropolitanas, já ultrapassam a casa dos 50% das famílias pobres, isto é, aquelas com rendas inferiores a dois salários mínimos. Não é preciso muito esforço para concluir que tais famílias enfrentam condições particularmente adversas de sobrevivência, encontrando, por sua vez, maiores dificuldades de superação da pobreza, que, neste caso, tende a tornar-se hereditária.

Pouca atenção tem sido dada à violência cotidiana a que estão submetidas essas famílias dentro e fora de casa. Que sabemos nós, concretamente, sobre a incidência de abusos contra a mulher, a criança e outros problemas que os dados censitários nem sequer sugerem?

Confinadas em favelas e periferias, onde a densidade populacional suprime qualquer privacidade, sujeitas a problemas de várias ordens e acuadas por níveis de violência absurdos, não se pode esperar que famílias muito pobres venham a cumprir com regularidade e eficácia tarefas tão básicas como proteger, aconselhar e garantir instrução a seus filhos. Como prepará-los para o trabalho regular e o desempenho de tarefas mais qualificadas e bem-remuneradas?

É ilusão pensar que surtos de crescimento econômico serão capazes de abolir a miséria e a desordem. Os estragos causados pelo capitalismo selvagem, pela corrupção e pela incompetência dos governantes na vida das famílias pobres são tão grandes que só crescimento econômico continuado e muita vontade política – a começar por garantir segurança e acesso à Justiça a essas famílias – serão capazes de remediar.

A rigor, o Brasil só poderá ingressar no Primeiro Mundo se souber aproveitar com rapidez e competência as estreitas possibilidades oferecidas por uma economia mundial em acelerado processo de transformação. Mas é preciso agir rápido para não mergulhar de vez no Quarto Mundo, onde a “população pobre está mudando de uma posição estrutural de exploração para uma posição estrutural de irrelevância” e onde a civilização, ali onde resta alguma, está sendo abolida.

Como se pode ver, os esforços nesse sentido passam longe das preocupações com a cor da roupa de meninos e meninas.

O que achou deste artigo?
Fechar

O caráter hereditário da extrema pobreza
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (2)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter