Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Laura Medioli

Ah, essas mulheres!

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
fhj
PUBLICADO EM 11/03/18 - 04h00

Uma amiga me liga; quer saber minha opinião sobre a cirurgia de redução de estômago. Conhecendo-a há tantos anos e sabendo de sua dificuldade em emagrecer e levantar a autoestima, eu a apoio. E lembro-me de quando eu era adolescente, com meus 38 quilos, louca para parecer gente, ou melhor, mulher. Colocava sob a calça jeans uma meia grossíssima de lã para ver se a perna engrossava um pouco. Quase morria de tanto calor, mas e daí? Na minha cabeça, era preferível torrar a desfilar com minhas pernas finas.

E me impressiono com as adolescentes de hoje, que, ao contrário de mim na idade delas, param de comer para ficarem magérrimas. Quem é que entende? Até porque quem gosta de mulher esquelética são as próprias mulheres. Homens, não. Pelo menos é o que escuto deles por aí.

Mas nós, mulheres, somos assim: as que têm cabelos encaracolados querem tê-los lisos, as que têm lisos os querem anelados. A loirinha se derrete no sol para pegar uma cor, a morena sonha com tez e cabelos claros; uma consegue enxergar celulite até nos dedos do pé, outra, não satisfeita com o que a natureza lhe deu, taca logo 250 mL onde não carece de 10. Fora aquela que passa horas no espelho repetindo o mantra “tô gorda!” e, angustiada com a situação, ataca a geladeira.

Quando jovem, mesmo sem vontade, empurrava comida: banana com mel, mingau de maisena, broas de fubá... Alguma coisa tinha que surtir efeito, pelo menos que me fizesse chegar aos 40 quilos. E nada; cresci e me casei pesando 39. Como diriam os convidados, estava mais para debutante do que para noiva.

Com o passar dos anos, descobri que engordamos, comendo ou não. O metabolismo diminui, o pique é outro, os hormônios passam a ditar as regras. E, nessas horas, todo cuidado é pouco. Sem neuras, claro!

Mas, voltando às eternas insatisfações femininas, divirto-me ao me lembrar da história de outra amiga, que, após o terceiro filho, vindo meio sem querer, resolveu dar uma “levantada de moral”, que, segundo ela, depois de três gestações e muita amamentação, foi parar no umbigo. Seguindo a recomendação de sua ginecologista, marca consulta com um renomado cirurgião. Com três crianças pequenas, sem tempo para se cuidar e com a lei da gravidade batendo de goleada, lá se foi em busca da tal e tão necessária “levantada”.

O susto começa na sala de espera, quando, de repente, um homem jovem e cheio de charme, vestido de branco, atravessa o recinto com um cordial “bom dia”.

“Epa! Será que é esse o...?”, pensa.

Vai logo se levantando da cadeira e perguntando à secretária:

– Por acaso esse aí é o doutor...?

Era, para o seu desespero, o próprio.

Queria matar sua médica. Por que ela não lhe avisou antes que o sujeito era um deus grego? Como é que ela iria tirar a blusa para um homem daquele? Com as coisas lá no umbigo? Que nem índia velha? Sem chance.

Quer desistir da consulta, quando é chamada pela secretária.

E ali, sentada à mesa defronte ao deus, tem vontade de sair correndo. Até que ele, educadamente, lhe pergunta:

– Pois bem, o que a trouxe aqui?

E ela, num lampejo de sabedoria, responde:

– O nariz, doutor. Eu odeeeeeio o meu nariz!

Mulheres! Ah, essas mulheres!!!

O que achou deste artigo?
Fechar

Ah, essas mulheres!
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter