Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Minas S/A

Custo público

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Fonte Normal
PUBLICADO EM Mon Dec 03 03:00:00 BRST 2018

Custo público

Confiante, o diretor da OMR Componentes Automotivos, empresa do Grupo Sada, Alberto Medioli, acredita que as mudanças que estão ocorrendo no Brasil só podem dar em coisa boa. “Agora, infelizmente, vai demorar muito tempo porque o Brasil regrediu muito nos últimos anos então, mesmo com as boas intenções, não se resolvem os problemas de imediato, mas eu sou bem otimista”, admite. Para Medioli, não somente Minas Gerais, mas o Brasil inteiro têm que reduzir o custo público, pois não há dinheiro para pagar todo mundo. “Acredito que a máquina pública está muito inchada e tem que fazer o dever de casa, assim como faz a indústria quando chega uma época de crise e reduz os custos. Não tem outra mágica”, analisa. 

FOTO: Edy Fernandes

Na décima quarta edição do Garoto e Garota Super, concurso de beleza realizado pelo jornal Super Notícia, Luca, Luisa, Cristina e Alberto Medioli, diretor da OMR Componentes Automotivos, uma das empresas do Grupo Sada

Parcerias

Com 1.182 funcionários e 82 mil sócios, sendo 27 mil cotistas, o Minas Tênis Clube tem mil atletas federados, sendo 900 em formação. Atualmente, o Minas Tênis tem parceria com cerca de 40 empresas com destaque para os patrocínios da Fiat para a equipe principal de vôlei masculino; os apoios da Localiza Hertz e JAM Engenharia de Ar Condicionado no vôlei feminino; Belo Dente no Judô; e Unimed-BH na equipe de corrida de rua.

Quarta revolução

No debate da indústria 4.0, organizado pela Amcham-BH, o presidente da CNH Industrial, Vilmar Fistarol, disse que muito ainda precisa ser feito. “Todos da organização, da base até o topo, precisam ser capacitados, treinados e envolvidos nessa mentalidade de inovação. E nós estamos no limite do tempo para fazer isso acontecer”, disse Fistarol. Para o superintendente da Amcham-BH, Rafael Dantas, o principal desafio para as organizações é se preparar para essa mudança, que já está acontecendo, e começar a executar a evolução digital.

Decisão Atacarejo

A rede de supermercado e atacado Decisão Atacarejo completou 30 anos. Hoje, a Decisão tem cinco lojas em Minas Gerais – duas em Belo Horizonte, duas em Santa Luzia e uma em Lagoa Santa – além do televendas e a loja virtual. Fundada em 1988, a rede iniciou as atividades no ramo de bomboniere. Hoje são quase 8.000 itens de 420 fornecedores. Cerca de 300 mil clientes passam nas lojas da rede mineira mensalmente.

FOTO: Paulo Cunha/Outra Visão

Família Decisão Atacarejo: Euler Martins Costa Júnior, Euler Martins Costa, Anderson Vilaça, Leonardo Vilaça e Valéria Bax

Ano difíciL

De acordo com Diomar Silveira, dos R$ 18,3 milhões que deveriam ser repassados pelo governo estadual à Filarmônica ainda faltam R$ 7,5 milhões. Por conta dessa diferença, Silveira admite que todas as reservas foram queimadas. “Neste ano, dado os recursos que ainda faltam, estamos com déficit na conta de provisionamento trabalhista e com déficit na conta reserva”, avisa o executivo. Agora, Silveira espera que o governo de Romeu Zema entenda a Filarmônica. “Ele fez uma visita e ficou impressionado”, contou.

Doing Business

Organizado pela Winter Carvalho Consultores & Advogados e a TSX Advisors, acontece no dia 5 de dezembro o “Doing Business Brasil 2019” no auditório Edifício Renaissance, em Belo Horizonte. Estão previstas as participações do governador eleito Romeu Zema; presidente da Fiemg, Flávio Roscoe; CEO da Winter Carvalho Advogados, Antônio Roberto Winter; CEO da TSX Advisors, Paulo Eduardo Pinto. O deputado federal eleito Luiz Philippe de Orléans e Bragança e o vice-governador eleito de Minas, Paulo Brant, vão falar sobre o cenário político e investimentos para 2019, e o vice-presidente eleito da República, General Hamilton Mourão, sobre perspectivas e tendências políticas para 2019.

Grupo Sada

Alberto Medioli avalia que as crises são oportunidades de negócios e também servem para tirar do mercado as empresas mal estruturadas. “O Grupo Sada sempre foi bem estruturado, na época de crise, ele sempre sobreviveu. Temos vários projetos novos em andamento que estão sendo realizados aos poucos”, conta. Sobre o quadro político, Medioli se sente feliz pelas mudanças que os brasileiros estão fazendo. “Vejo que nas últimas eleições foi muito significativa a escolha de gente distanciada da política como empresários e técnicos e acredito que o futuro do Brasil deve ser nesta direção e que estamos no caminho certo. Fé e paciência que nós vamos chegar lá”, arremata.

Minas Tênis

Nos 83 anos do Minas Tênis Clube, o presidente Ricardo Santiago conta que finalizou a reestruturação organizacional no clube, iniciada em 2017. “Apesar das adversidades do cenário econômico nacional nos últimos anos chegamos ao final do nosso segundo ano de gestão, em 2018, convictos de que estamos progredindo em todos os aspectos, alcançando patamares de excelência organizacional comparáveis às maiores e melhores empresas do setor de serviços do país”, garante Santiago.

 

FOTO: Orlando Bento/MTC

O presidente do Minas Tênis Clube, Ricardo Santiago; a funcionária do clube há 37 anos, Isa Maria Oliveira; o presidente da Localiza e associado do Minas, Eugênio Mattar; e o presidente do conselho do Minas, Sérgio Coelho

FOTO: Victor Abaurre/Divulgação

O superintendente da Amcham-BH, Rafael Dantas; e o presidente da CNH Industrial, Vilmar Fistarol

Planos de expansão

Ano passado, a rede Decisão Atacarejo inaugurou três lojas. Para o ano que vem, a estratégia é a abertura do canal de vendas externo com vendedores visitando lojas de pequeno varejo. Outra estratégia é a divulgação das ofertas. Atualmente, a Decisão imprime, mensalmente, cerca de cem mil folhetos de ofertas em O Tempo Serviços Gráficos.

Filarmônica

Animado com o reconhecimento da Medalha da Ordem do Mérito Cultural dada pelo Ministério da Cultura à Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, o presidente do Instituto Cultura Filarmônica, Diomar Silveira, mostra preocupação quando o assunto é o resultado financeiro da organização. É que a sustentabilidade da orquestra depende de três fontes: repasses do governo do Estado de R$ 18,3 milhões por ano, patrocinadores que renderam R$ 7,5 milhões neste ano e bilheteria que será de cerca de R$ 3,2 milhões em 2018.

FOTO: Edy Fernandes

Presidente do Instituto Cultural Filarmônica, Diomar Silveira; André Braz e o conselheiro da Rede Liberdade, Guilherme Morethzon durante festa dos 60 anos da Líder Aviação na Sala Minas Gerais

O que achou deste artigo?
Fechar

Custo público
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter