Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Sabores do Mundo

Culinária que faz bonito

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Piraputanga sem espinha e recheada com farofa de banana na Estância Mimosa
Piraputanga sem espinha e recheada com farofa de banana na Estância Mimosa
PUBLICADO EM 30/05/15 - 03h00

Tropeiro trazido pelos bandeirantes paulistanos, cozinha do Pantanal, arroz de carreteiro, sanduíche de jacaré e cozinha paraguaia fazem a gastronomia diversificada de Bonito.
Enquanto pacu, piraputanga, pintado e dourado, abundantes nos cardápios da cidade, atestando a influência pantaneira, têm destaque no restaurante Cantinho do Peixe, na clássica composição com urucum e leite de coco, a carne de jacaré tem como referência a cozinha do Castellabate.

Destaque principal da cozinha local, a carne de jacaré tem uma grande presença na gastronomia de Bonito, com uma de suas maiores produção e comercialização no Brasil , sendo defendida pelo seu baixo teor calórico, pelas qualidades nutricionais e, é claro, pelo sabor em preparos e estilos diversos, como frito, ao molho de urucum, com iscas na manteiga e até como sanduíche.

Reconhecida pela sua diversidade, a cozinha de Bonito tem como influência paraguaia o “puchero”, a chipa (lembra o nosso pão de queijo) e a sopa paraguaia (espécie de torta de cebola, milho e queijo). Misturando-se com a cozinha pantaneira, surgem heranças dos paraguaios no Mato Grosso do Sul, como nas famosas farofas de banana e no pacu ensopado, frito ou assado.

Muitos outros pratos não deixam saudades de Goiás, do Norte de Minas ou da cozinha do cerrado, como queles feitos com pequi, sejam os salgados (arroz com pequi) ou o licor e a carne seca em paçoca, cozida, frita ou assada com arroz.

Sorvete assado

Um sucesso em Bonito é o sorvete assado do Palácio dos Sorvetes, feito no inverno, sendo um doce composto de frutas, sorvete, chantilly e creme de leite, lembrando o célebre “baked Alaska”, servido nos jantares do capitão em cruzeiros, vindo com o merengue quente e dourado por fora e o sorvete gelado por dentro.

A guavira é a fruta símbolo de Bonito, com uma importância tão grande que gerou o seu festival próprio em novembro. Nativa da cidade, ela é usada em doces, sucos e licores.

Bonito é um dos destaques da cozinha fronteiriça do interior do Brasil, onde a complexidade e a diversidade de informações vindas de culturas diversas surpreende quem esperava uma cozinha trivial e sem identidade. 

Onde comer

Cantinho do Peixe. Peixe com urucum e leite de coco Preços até R$ 90. Rua Pilad Rebuá, 1.437

Casa do João. Point de comida regional. Experimente a traíra desossada ao preço de R$ 90 (2 pessoas). Rua Cel. Nelson Felício dos Santos, 664.

Palácio dos Sorvetes. Sorvetes de forno deliciosos com sabores exóticos como o de guavira. Até R$ 60. Rua Coronel Pilad Rebuá, 1.915.

Castelabatte. Carne de jacaré. Preço até R$ 90. Rua Coronel Pilad Rebuá, 2168

Bar Tabo. Bom para experimentar a cachaça local e degustar petiscos. Rua Coronel Pilad Rebuá, 1834

O que achou deste artigo?
Fechar

Culinária que faz bonito
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter