Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Vittorio Medioli

Mães da vida

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
PUBLICADO EM 13/05/18 - 03h00

Insubstituível, essencial, indispensável, cada um teve a sua. A vida, qualquer vida, tem início em uma mãe. É a origem da origem. Masculino é o componente vivificador, e feminina é a matriz da vida, ambos igualmente indispensáveis, mas, para os filhos, a mãe chega, sem sombra de dúvida, a suplantar a importância do pai, por melhor que ele seja.

Mãe é mãe. Ao se tentar defini-la com palavras, corre-se o risco de esquecer uma virtude ou um mérito importante, que diminua, assim, seu valor. Por isso, para escrever no Dia das Mães, precisaria preencher a coluna apenas com um coração, símbolo de vida, de amor que bate em todos os peitos e inicia a funcionar já no feto abrigado no ventre materno. É preciso arriscar algumas frases, buscar na saudade da infância aquela satisfação de ser mimado nos braços mais acolhedores que já encontramos. Recordações serenas, macias, doces como os beijos que cobriam nosso rosto, como os sorrisos que iluminavam nosso despertar.

Relação inesquecível. Mãe é a rainha de misericórdia, de afeto, de proteção, só ela consegue quebrar a limitação da distância, sentir e se comunicar nos sonhos e mostrar que a telepatia corre na onda desse sentimento indescritível da mulher aos filhos que gerou. O filho, mesmo distante, nunca perde totalmente o cordão que o liga à mãe.

As pessoas idosas confessam que, ao se aproximarem da morte, veem as lembranças retornarem à mãe, e os sonhos se enchem dela; ao deixar a vida, procura-se levar o que de melhor se recebeu. Depois de longas peripécias e até esquecimentos, o relacionamento materno reaparece sublime. Para a mãe, apenas existe o “filho”, e as lágrimas dela escorrem para qualquer um deles. Muitas vezes mais copiosas para o mais pecador.

Se um pai pode perder apreço pelo filho, a mãe se mantém fiel, sofre silenciosamente. Mãe perdoa incondicionalmente, ama, ama intensamente o filho santo como o filho que pecou. O amor dela existe e persiste a qualquer prova.

Mãe e amor não rivalizam, são, na prática, sinônimo. É com a mãe que o filho conhece o amor.

Parabéns a Laura, mãe das minhas filhas, e a todas as mães.

O que achou deste artigo?
Fechar

Mães da vida
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter