Opinião

A importância da marca pessoal

Uma análise da retomada da Tok&Stok pela fundadora

Por Paulo Moreti
Publicado em 20 de março de 2024 | 07:00
 
 
 
normal

Há dois dias recebi o link de uma matéria de um grande portal que tinha a seguinte chamada: “Minha marca será devolver a operação ao azul” – palavras da fundadora que voltou para salvar a Tok&Stok.

Essa matéria trata da volta da fundadora ao comando da empresa. E pasmem aqueles que acham que a vida e as possibilidades acabam aos 70 ou que acham que muita idade é igual a falta de capacidade: Ghislaine Dubrule, aos 73 anos, após seis anos longe da Tok&Stok, decidiu voltar para liderar a empresa que cofundou.

Sua marca pessoal, construída ao longo de décadas de experiência e sucesso no mercado de móveis e decoração, desempenhou um papel significativo nessa decisão. Sua reputação como empreendedora visionária e líder competente foi um fator determinante para que investidores e colaboradores confiassem em sua capacidade de reverter a situação da empresa. 

No mundo dos negócios, a marca pessoal desempenha um papel crucial; tanto quanto o produto ou serviço que oferecemos, a forma como somos percebidos pelo público pode determinar nosso sucesso ou fracasso. A decisão de retorno de Ghislaine Dubrule não só trouxe à tona questões sobre a gestão empresarial, mas também destacou a relevância da marca pessoal, o enfrentamento do etarismo e a manutenção da reputação. 

Essa relevância de sua marca pessoal também se destaca quando consideramos o desafio do etarismo. Em uma sociedade que muitas vezes valoriza mais a juventude do que a experiência, a sua volta para liderar a Tok&Stok é um lembrete poderoso de que a idade não é um limitador do sucesso. Sua trajetória inspiradora mostra que a experiência e a sabedoria acumuladas ao longo dos anos são ativos valiosos, capazes de transformar negócios e influenciar positivamente o mercado.

Além disso, a decisão dela de retornar à Tok&Stok também ressalta a importância da reputação na construção e manutenção de uma marca pessoal. Ao longo de sua carreira, ela construiu uma reputação de integridade, competência e visão estratégica. Essa reputação não apenas a acompanhou ao longo dos anos, mas também contribuiu para a confiança depositada nela pelos stakeholders da empresa, incluindo investidores, colaboradores e consumidores.

A história de Ghislaine Dubrule e sua decisão de retornar à Tok&Stok para salvar a empresa nos ensinam valiosas lições sobre a importância da marca pessoal. Ela nos lembra que nossa reputação e nossa história importam, que a experiência é um ativo valioso e que o etarismo não deve ser um obstáculo para alcançar nossos objetivos. Mais do que nunca, em um mundo cada vez mais competitivo e volátil, investir na construção e manutenção de uma marca pessoal forte e positiva é essencial para o sucesso nos negócios e na vida. 

Lembremo-nos sempre: “Somos mais do que nossos títulos ou realizações. Nossa verdadeira marca pessoal reside na maneira como impactamos o mundo e nas vidas que tocamos ao longo de nossa jornada. Então, vamos nos esforçar para deixar um legado positivo, inspirando outros a perseguir seus sonhos e acreditar no poder transformador que cada um de nós possui”. 

Paulo Moreti é especialista em personal branding, publicitário, coach e autor

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!