Recuperar Senha
Fechar
Entrar

A voz nada devassa de Sandy

Cantora mostra no Palácio das Artes show de seu novo CD, "Manuscrito", com direito a covers de Oasis e Legião

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
A voz nada devassa de Sandy
Cantora mostra no Palácio das Artes show de seu novo CD, "Manuscrito", com direito a covers de Oasis e Legião
PUBLICADO EM 20/05/11 - 18h36

Em 2007, depois de se separar artisticamente do irmão Júnior, Sandy fez seu primeiro show solo no Palácio das Artes, interpretando clássicos do jazz, bossa nova e MPB. Quatro anos depois, ela volta ao mesmo palco para mostrar seu primeiro disco solo, "Manuscrito", em apresentação única no próximo dia 28 (sábado). "Não tenho muitas recordações do Palácio das Artes. Lembro que é um lugar muito bonito. Quando comento que vou cantar no Palácio das Artes, as pessoas dizem surpresas: nossa, que chique (risos)", conta, em entrevista por telefone do Rio.

No repertório, Sandy passeia por nomes, gêneros e ritmos que formatam sua identidade musical. Canta Oasis ("Wonderwall"), Marisa Monte ("Beija Eu"), Legião Urbana ("Por Enquanto"), Lulu Santos ("Casa"), Lenine ("Hoje Eu Quero Sair Só"), e, enquanto interpreta "Dias Iguais", promove um dueto virtual com a britânica Nerina Pallot, cuja imagem aparece refletida em espelhos postados no palco, em cenário assinado por Zé Carratu. "Coloquei no show músicas que gosto de ouvir, que têm algum significado para mim. Ou então, de artistas que admiro. Mas em todas elas dei nova roupagem, fiz novos arranjos. Inclusive as canções de Sandy & Júnior aparecem em nova roupagem"

Se já não divide o palco com o irmão (Júnior apenas assina a direção do espetáculo), Sandy hoje tem como principal parceiro o marido, Lucas Lima (eles se casaram em setembro de 2008). "Lucas é meu produtor. É uma delícia estar junto dele. Nos entendemos muito bem quando o assunto é trabalho. Conversamos bastante. Mas procuramos não deixar com que isso tome conta da nossa vida pessoal. É importante termos momentos de descanso, momentos de casal, de marido e mulher... Procuramos não misturar demais. Botamos limitez. Estou gostando de trabalhar com ele. Lucas é excelente músico, produtor, compositor... Confio 100% nele".

Identidade
Cantora que ganhou fama colocando a voz a serviço de um repertório de música sertaneja nos primórdios da carreira, Sandy hoje não tem pudor em confessar que não é fã do gênero, mesmo sendo filha de um dos expoentes do gênero, Xororó (dupla Chitãozinho & Xororó). "Não sei porque as pessoas se surpreendem quando falo isso. Só fiz música sertaneja no começo de carreira.
 
Faz tempo que tenho dito que não me identifico com o estilo. Meu pai não é obrigado a gostar da música que canto, e nem eu sou obrigada a gostar do que ele canta. Admiro meu pai, sua trajetória, o talento. Mas mesmo não me identificando com a música sertaneja, sei que existem talentos incríveis. Isso é incontestável. Sou uma pessoa individual, que tem suas próprias características, sua própria identidade. Não tenho vergonha de falar isso. Gosto de ouvir jazz, MPB, rock britânico, pop alternativo, folk Sou fã de Coldplay, Ella Fitzgerald, KT Tunstall, Jamie Cullum, John Mayer, Damien Rice, Nerina Pallet..."

Se engana quem acredita que a histeria dos fãs terminou com o fim da dupla com o irmão. Ela ainda existe, mas em menor escala. Sandy conta que ainda ouve de alguns admiradores que é "perfeita", "uma boneca". No entanto, percebe que hoje as pessoas têm aprendido que ela é de carne e osso. "Os novos fãs que estão chegando são diferentes. Têm uma maneira diferente de lidar com o ídolo. Apreciam mais a música do que o entorno.
 
Já o fã adolescente, mais novo, quando começa a gostar do artista, idealiza bastante. Muitos me escreviam cartas dizendo que não gostavam só da artista, mas da pessoa que sou (risos). Achavam que me conheciam. São fantasias naturais de adolescente. Mas ainda existem os fãs de Sandy & Júnior, que vão aos meus shows, fazem plantão em porta de hotel. Sobraram aqueles que se identificam com meu estilo atual".

Polêmicas
Sandy não tem saído dos noticiários. No início do ano, como garota-propaganda de uma marca de cerveja, foi centro de polêmica. A menina comportada, que apareceu para o grande público formando dupla com o irmão Júnior, seria a nova "devassa" da música brasileira? A celeuma veio não só porque ela reapareceu repaginada, loira, mas também porque chegou a declarar não ser fã da bebida. Na última semana, o assunto voltou à tona quando, em entrevista para um jornal paulista, falou que não precisa ser consumidora de determinado produto para anunciá-lo. "Isso não tem problema. Ou todo mundo acha que a Xuxa usa Monange e que o Luciano Huck e a Angélica usam Niely Gold?", questionou.

Ela garante estar lidando de forma tranquila com o disse-me-disse. "Estou acostumada. Sempre estou muito exposta na mídia. As pessoas especulam, inventam. Graças a Deus, aprendi a lidar com isso com naturalidade. A propaganda foi positiva. Eles (os empresários da cervejaria) queriam que se falasse muito da marca. E conseguiram. Foi uma propaganda de muito sucesso. A questão de a cerveja não ser minha bebida predileta, não tem problema. Não estou mentindo, dizendo: `eu bebo Devassa, beba você também’. Experimentei e achei boa, leve. Mas prefiro bebidas mais suaves. Estou com minha consciência tranquila".

Emprestar a imagem para anunciar uma bebida alcoólica, parece não incomodar a artista, cujo séquito abarca fãs das mais variadas idades, um espectro que vai dos 8 aos 80. "A propaganda é destinada a adultos. Isso é falado no final do comercial. Cada um que vai beber, sabe o que faz. Deixo essa discussão sobre fazer (e veicular) ou não publicidade de bebida alcoólica para quem entende do assunto, políticos, publicitários... Foi contratada para fazer uma propaganda. Tenho 28 anos e o meu público cresceu comigo. Não existe o menor problema", determina Sandy que, especula-se, teria embolsado algo em torno de R$ 1 milhão pelo cachê.

Há pouco foi divulgado que Sandy deve participar de um dos próximos projetos da Rede Globo, o seriado "As Brasileiras", coprodução da Lereby de Daniel Filho com a Globo que terá 16 episódios e tem sua estreia prevista para outubro, na faixa ocupada hoje por "Divã", às terças-feiras. A cantora interpretaria dois personagens na história, que seria ambientada em Piracicaba: ela mesma e Susana, uma sósia que sonha em ter a vida dela. Já a verdadeira Sandy, na sinopse da história, estaria cansada de ser ela mesma.
 
"As pessoas estão sabendo mais do que eu. Não recebi convite oficial. Mas achei bacana a ideia. É um projeto para o segundo semestre, mais para o fim do ano. Se tiver com tempo, se achar bacana, quando receber o convite oficial, formal, vou querer fazer. Tenho saudade de atuar. Gosto muito. Seria uma ótima oportunidade de fazer algo que não vá atrapalhar minha carreira de cantora, é que a minha prioridade".

Aos 28 anos, Sandy confessa que a proximidade dos 30 é algo que não incomoda. Mas mesmo assim acha estranho ao pensar nisso. "Acho esquisito. Não que quero ser jovenzinha pra sempre, não é bem asim. Mas o tempo está passando muito rápido. Tenho ficado aflita. Não me sinto velha. Mas gosto também da experiência que a idade traz. Sou uma pessoa melhor do que há cinco, dez anos. Busco melhorar sempre. Ao longo do tempo, todo mundo procura descobrir quem se é. E estou descobrindo cada vez mais", conta a cantora, que há dez anos faz terapia.
 
"Quando terminei o colegial, prestei vestibular para psicologia. Passei, mas não cursei. Naquela época não tinha tempo para nada. Era programa de TV, gravação de CD nacional, internacional, turnê fiz novela.... Uma loucura. Não deu para fazer faculdade, e quando fiz, me formei em letras. Como gosto muito de me conhecer, fui fazer terapia. Fui em busca do auto-conhecimento", diz a cantora, reafirmando que nunca posaria nua, mas que não pode destacar, quem sabe, um ensaio sensual.
 
"Mas é difícil isso acontecer. Acho uma exposição totalmente desnecessária, que não tem nada a ver com meu trabalho. Meu foco é meu trabalho, não meu corpo, minha sensualidade. Não posso dizer que nunca farei um ensaio sensual. Quem sabe daqui a dez anos, quando estiver com 38 anos. Mas será que ainda estarei bonita e terá alguém que vai me propor isso?", indaga.
Sandy
No show "Manuscrito"
Palácio das Artes (av. Afonso Pena, 1.537, centro, 3236-7400). Dia 28 (sábado), às 21h. R$ 120 (plateia 1, inteira), R$ 100 (plateia 2, inteira) e R$ 80 (plateia superior, inteira)

O que achou deste artigo?
Fechar

A voz nada devassa de Sandy
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter