Renata Abritta
Ao vivo
Giro Super
Renata Abritta
Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Paulo Paiva

Levanta-te, Minas, e solta tua voz

Cidade Administrativa
Cidade Administrativa | Foto: Ramon Bitencourt
PUBLICADO EM 05/04/19 - 03h00

Cabisbaixa e envergonhada, Minas Gerais desapareceu da cena nacional. Inerte, agoniza em silêncio. Não tem mais forças para reagir aos golpes que sofreu de seus próprios filhos. Sua economia padece de criatividade e de inovação. Para onde foi tua pujança, Minas? Em teu solo ficaram hordas de desempregados e subempregados desesperançados, caminhando em vão à procura de oportunidades. Encontram somente portas fechadas.

Calou a voz de Minas no cenário nacional. Onde estão tuas lideranças? Não se ouve mais teu grito ecoar de tuas montanhas. Minas, que já trabalhaste em silêncio, por que paralisaste? Perdeste tua reputação. Será que, como disse o poeta, Minas não há mais? Será Minas apenas uma miragem?

Minas vive a maldição do século XXI.

Primeiro, veio a crise do setor publicitário. Os profissionais mineiros, reconhecidos Brasil afora pela competência e pela excelência de sua criação, eram disputados nos maiores mercados do país. O mensalão desnudou a face oculta de algumas empresas que se tornaram notórias pelos malfeitos de um gestor oportunista, que nada tinha a ver com a tradição e a atividade publicitária mineira. Empresas que se transmutaram em condomínios de corrupção para beneficiar agentes inescrupulosos.

Em seguida, políticos mineiros, negando a tradição de sua terra, berço da discrição, do recato e do equilíbrio na política, desonraram seus próprios antepassados e aviltaram a história de Minas. Dos últimos seis governadores eleitos, um cumpre pena na prisão e dois são réus. São fatos, não cabem aqui julgamentos pessoais. Nas eleições passadas, Minas os julgou. Nas grandes decisões nacionais, a voz de Minas emudeceu.

Por fim, os desastres de Mariana e Brumadinho ceifaram vidas, destruíram o futuro de famílias e o meio ambiente, comprometendo uma das principais fontes de riqueza e de emprego do Estado. Estudo recente da Fiemg mostra os impactos nefastos sobre a economia mineira e seus reflexos sobre a economia brasileira. Neste ano, sem novas paralisações, além das da Samarco e da mina de Brucutu e da queda da produção anunciada pela Vale, computando os efeitos sobre a cadeia produtiva da mineração, em Minas Gerais haverá queda de 90 milhões de toneladas de minério, o fechamento de 852 mil postos de trabalho e redução de R$ 4,3 bilhões na arrecadação de impostos. Impacto negativo haverá também na economia brasileira, como já indicam os primeiros dados da produção industrial para o primeiro trimestre.

Minas, é chegada a hora de estancar a destruição de tua reputação. É hora de reconquistá-la. É hora de recuperar a integridade, a ousadia e o equilíbrio que fizeram tua voz ser ouvida no país. É hora de reconciliar-te, Minas, com tua tradição e encontrar teu futuro próspero.

Levanta-te, Minas! Abandona teu silêncio. Para te salvar, conclama teus filhos para a conciliação e o trabalho. Levanta-te, Minas, e solta tua voz. O Brasil precisa de ti.

comentários (2)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar