Ao vivo
Bom Dia Super
Adriana Ferreira
Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Super Histórias

Cria da Toca, Katita fez sucesso nas seleções de base

Capturar.JPG
Seleção mineira de 1984 - Em pé: Katita, Moacir, Ailton, Cleber, Ronald e Mauro. Agachados: Marcinho, Careca, Palhinha, Paulo Cesar e Luiz Carlos | Foto: Edilson Marques/Arquivo
PUBLICADO EM 28/04/19 - 03h00
Wilson José

Katita, 51 anos, zagueiro formado no Cruzeiro. Antes de ser promovido a profissional, teve passagem pela seleção brasileira sub-17 e sub-20, além de disputar vários amistosos como titular da seleção mineira de juniores em 1984. Se era titular nas seleções, no time da Toca da Raposa ele “não sentava na janela” e teve poucas oportunidades.

Katita conta que os treinadores preferiam os jogadores mais experientes, como Ailton, Eugênio, Vilmar, Geraldão e Gilmar Francisco. A concorrência era grande, e o único lugar que sobrava era o banco de reservas. Mesmo com poucas oportunidades, ele foi campeão mineiro em 1987.

Esteve emprestado ao Rio Branco, de Andradas, defendeu Galícia, o Fortaleza, o Flamengo de Varginha e União de Mogi das Cruzes, onde jogou ao lado de Neymar, o pai da grande “celebridade nacional”.

Katita jogou também no futebol do Catar, e no início da década de 90 pendurou as chuteiras. Durante toda a carreira, teve a honra de jogar com atletas de bom nível, como Gomes, Robson, Careca, Heriberto, Edson, Balu, Genilson. Na seleção mineira, atuou com Palhinha, Cleber, Ailton, Moacir, Marcinho. Na canarinho, com Veloso, André Cruz, Neto, Wilhian.

Pelo mundo

O futebol deu a Katita a oportunidade de conhecer vários países, como Argentina, Uruguai, França, Emirados Árabes, Portugal, Bélgica, Japão, Arábia Saudita, Catar, Holanda e Itália. No Brasil, ele lembra que tinha dificuldade para enfrentar atacantes como Reinaldo, Paulo Nunes, Careca, Viola, Marcus Vinícius e Serginho Chulapa.

Foram poucas expulsões, e uma delas aconteceu em 1996, quando jogava no União de Mogi das Cruzes: Katita saiu no braço com Serginho Chulapa, que jogava pelo São Caetano. Mas ele gostava mesmo era de ver o estádio lotado e poder jogar seu futebol.

Hoje, ele sempre fala com Careca, Hamilton, Ramon, Geraldão, Robson, Genilson, entre outros.

Latido na Argentina

Junto com os amigos, a resenha é sempre forte. Katita diz que não lhe sai da memória uma história curiosa que aconteceu em 1982. Ele estava no infantil do Cruzeiro e foi participar de um torneio na Argentina. Em Buenos Aires, o massagista Pedro Coimbra desferiu um pontapé em um cachorro. Katita chamou atenção do massagista, que justificou ter chutado o animal para saber se latia em espanhol.

Katita fica triste com a falta de profissionalismo de alguns jogadores e também quando o esforço do atleta não é reconhecido pelos clubes. Para encerrar nossa conversa, Katita lembrou de treinadores com quem ele trabalhou, como Carlos Alberto Silva, Chico Formiga, João Avelino, Jair Pereira, Orlando Peçanha, Gilson Nunes, Julio Cesar Leal e Antonio Francisco.

Atualmente, Katita é funcionário da Federação Mineira de Futebol (FMF).

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar