DESEMPREGADO

Após perder clássico, Atlético-GO demite Jorginho antes de decisão

Dragão enfrenta o São Paulo nesta quinta-feira (1º), pela semifinal da Copa Sul-Americana. Campanha ruim no Brasileirão pesou na queda do treinador

Por Gabriel Ronan
Publicado em 27 de agosto de 2022 | 22:12
 
 
normal

O Atlético-GO demitiu o técnico Jorginho na noite desta sábado (27). A queda acontece após a derrota por 2 a 1 para o arquirrival Goiás, na Serrinha, na tarde do mesmo dia. O treinador deixa o comando do Dragão às vésperas da semifinal da Copa Sul-Americana. 

Apesar da boa campanha na Copa do Brasil, na qual o Atlético-GO caiu nas quartas de final contra o Corinthians, e pela trajetória no torneio continental, a péssima campanha no Brasileirão pesou contra Jorginho. O Dragão é o 19º colocado com apenas 22 pontos, três a menos que o Coritiba, primeiro fora da zona da degola. 

"O Atlético atravessa um momento difícil no ano, com a necessidade de achar alternativas para sair desta situação. A responsabilidade pelos maus resultados é de todos, mas o clube buscará se reerguer o quanto antes. O Atlético Goianiense tem como prioridades a disputa do Brasileirão Série A e a semifinal da CONMEBOL Sudamericana", escreveu a diretoria do Dragão em comunicado no Twitter. 

O campeão do mundo em 1994 como jogador tinha contrato com o Atlético Goianiense até o fim do ano. Ele estava no clube desde maio, quando substituiu Umberto Louzer, demitido após derrota por 2 a 0 contra o Atlético no Mineirão. 

Pelo Atlético-GO neste ano, Jorginho comandou a equipe em 27 jogos: 10 vitórias, seis empates e 11 derrotas. 

Mexidas curiosas e polêmica

Na última partida, o clássico contra o Goiás neste sábado, Jorginho chamou a atenção dos torcedores e jornalistas ao fazer três substituições aos 28’ do primeiro tempo: ele sacou Jorginho, Baralhas e Airton (ex-Cruzeiro) para as entradas de Kelvin, Edson Fernando e Peglow. Todos saíram por opção do treinador. 

Em 16 de agosto, Jorginho virou alvo de questionamentos após criticar o técnico do Palmeiras, o português Abel Ferreira. “Eu vi a entrevista do Cuca e vi a do Abel (após a classificação do alviverde diante do Atlético na Libertadores). Respeito muito o Abel, porque ele tem sido vitorioso aqui. Ele não ganhou nada antes, mas ganhou aqui. Só que ganhou com o Palmeiras, que tem um grande elenco. O que ele não pode sugerir é o que sugeriu para mim, por exemplo. Disse que o nosso time era muito bom defensivamente, mas ofensivamente deixava a desejar. Isso aí ele está querendo me sacanear”, disse em entrevista à ESPN.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!