Recuperar Senha
Fechar
Entrar

No Horto

Atlético sofre, mas conta com xodós para vencer o Ceará e se tornar vice-líder

Galo precisou virar o duelo, com gols no segundo tempo, para fazer a festa do seu torcedor

ESPORTES : Arena Independencia - Mg - Jogo valido pela 12 rodada do Campeonato Brasleiro de 2018 , Jogo  ATLETICO X CEARA . Foto : Joao Godinho / O Tempo 13.06.2018
ESPORTES : Arena Independencia - Mg - Jogo valido pela 12 rodada do Campeonato Brasleiro de 2018 , Jogo ATLETICO X CEARA .Foto : Joao Godinho / O Tempo 13.06.2018 | Foto: Joao Godinho / O Tempo
Publicado em 13/06/18 - 23h48
Bruno Trindade
@SuperFC

Um jogo dramático, com um roteiro que a Massa conhece muito bem, partindo da frustração para a euforia completa. Depois de pressionar, desperdiçar chances e ver uma falha individual estragar os planos de festa no Horto, dois xodós atleticanos mostraram a estrela que possuem para mudar o rumo da história e proporcionar um final feliz aos mais de 22 mil atleticanos presentes no Independência. A técnica de Róger Guedes e a raça de Luan garantiram a vitória sobre o Ceará, nesta quarta-feira, no Independência, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O triunfo faz o alvinegro somar a terceira vitória seguida, reassumir a vice-liderança e ganhar mais confiança antes da parada da competição para a disputa da Copa do Mundo. Com o empate do Flamengo diante do Palmeiras, o Galo conseguiu ainda diminuir a distância de seis para quatro pontos que tinha para o Urubu. Agora, os atleticanos ganham 12 dias de folga e retornam no dia 25 de junho, quando realizam uma intertemporada.

O JOGO. O esquema escolhido pelo Ceará foi o 5-4-1: três zagueiros, dois laterais, quatro homens no meio-campo e apenas um no ataque. O visitante, sem nenhuma vitória e buscando ao menos pontuar, como aconteceu nos empates contra Botafogo e Palmeiras, armou uma grande retranca para parar o Galo, estratégia que deu certo na primeira etapa. O Atlético estava longe de exercer uma pressão, não encontrava espaços e tinha muitas dificuldades para tabelar e infiltrar, muito em função de o rival jogar com 10 atletas atrás da linha da bola e com um zagueiro na sobra.

Róger Guedes, artilheiro do campeonato, muitas vezes voltava ao meio-campo e tentava iniciar uma jogada, já que estava muito bem marcado no ataque. Os mineiros só conseguiam ter mais liberdade para jogar quando contra-atacavam os visitantes. E foi justamente assim que o Galo teve a sua melhor chance no primeiro tempo. O time saiu rápido, Patric deu um belo lançamento para Cazares. O equatoriano chutou, a bola desviou na zaga e sobrou na pequena área para o volante Gustavo Blanco. Sozinho, ele isolou e desperdiçou uma chance incrível.

Quando tentava pressionar um pouco mais, os donos da casa davam espaços, principalmente pelos lados. Em uma dessas oportunidades, o clube do Nordeste quase aproveitou. Samuel Xavier, que passou por Belo Horizonte e não deixou saudades, acertou a trave de Victor. O jogo seguiu morno até o intervalo, sem nenhuma grande chance para nenhuma das duas equipes.

No segundo tempo, o Atlético adiantou a marcação e, em alguns momentos, conseguiu acuar o Ceará. Na primeira chance, Ricardo Oliveira parou no goleiro Éverton. Seis minutos depois, o Galo quase marcou. Patric chegou na linha de fundo e rolou pra trás. Blanco chutou e a zaga cortou na pequena área. No rebote, Ricardo Oliveira chutou e a defesa cearense cortou em cima da linha, evitando o gol atleticano.

Com a entrada de Luan na vaga de Cazares, o Galo conseguiu aumentar a sua força ofensiva pelo lado direito, criando triangulações e incomodando o Vozão. Elias, na vaga de Blanco, deu mais mobilidade ao meio. Os nordestinos seguiam buscando o contra-ataque em velocidade, mas apenas com Éder Luís no ataque, pouco incomodavam. Eles queriam apenas uma bola. Uma chance. E ela veio com uma falha individual de Yago. O volante não conseguiu cortar o cruzamento de João Lucas e a bola sobrou para Naldo, que mandou para o fundo das redes, aos 32 minutos da etapa final.

Quando a torcida começava a ficar impaciente, o artilheiro do campeonato apareceu. De fora da área, no canto, de curva, Róger Guedes deixou tudo igual. O Independência “explodiu” e jogou o Atlético para cima do rival, que se fechou ainda mais. Contra qualquer retranca, a jogada individual, quando bem feita, costuma ser infalível. E foi assim que Luan arrancou, tabelou com Ricardo Oliveira e chutou na saída de Éverton, fazendo a Massa explodir de alegria e comemorar o triunfo e a vice-liderança atleticana.

Compartilhar:
Enviar por e-mail
Imprimir
avatar
Li e aceito os termos de utilização
Cadastre-se para poder comentar
Fechar

No Horto

Atlético sofre, mas conta com xodós para vencer o Ceará e se tornar vice-líder
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório