Compartilhar:
Enviar por e-mail
Imprimir
Rádio Super
avatar
Li e aceito os termos de utilização
Cadastre-se para poder comentar
Fechar

TV

Erick Jacquin busca a galinhada perfeita no 'Minha Receita' desta quinta-feira
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
carregando
Log View

Menina nem te conto

Jornalista Mara Pinheiro, da Globo Minas, está grávida do primeiro filho

Jornalista Mara Pinheiro, da Globo Minas, está grávida do primeiro filho

A jornalista Mara Pinheiro, de 43 anos, vai ser mamãe! A âncora do “MG2”, na Globo Minas, revelou nessa segunda-feira (19), nas redes sociais, que está esperando o primeiro filho. A notícia foi celebrada pelos fãs, amigos e colegas de trabalho da apresentadora, que ganhou até uma festa surpresa na emissora.

“Estamos grávidos, meus amigos! Queremos compartilhar nossa alegria com vocês”, escreveu Mara no Instagram, ao compartilhar um ensaio fotográfico que ela e o marido, o policial militar Hercules Freitas, fizeram em Trancoso, no litoral da Bahia. As fotos foram feitas pelo fotógrafo Elmo Laudin. Nas imagens, Mara, que espera um menino, aparece acariciando a barriga - atualmente, ela está no quarto mês de gestação.   

A postagem recebeu muitos comentários de seguidores, amigos e colegas de profissão, que parabenizaram Mara e o marido . “Que notícia boa! Que fotos lindas! Parabéns! Ser mãe é uma benção, mesmo!”, escreveu a jornalista Isabela Scalabrini. “Desejar toda luz, alegria e bênçãos é pouco diante da maravilha da vida que agora está em você. Energia mil e muitos sorrisos. Deus te ilumine sempre”, disse Karina Sommerfeld, que também trabalha na Globo Minas.

Uma fonte disse a O TEMPO que poucas pessoas da Globo Minas sabiam da gravidez e que maioria só ficou sabendo pelas redes sociais. Nessa segunda-feira, após o anúncio nas redes sociais, colegas de trabalho organizaram festa surpresa para comemorar com Mara Pinheiro. A jornalista foi aplaudida pelas pessoas que estavam presentes e se emocionou. 

MTV Brasil: fãs pedem que acervo do canal seja disponibilizado para o público

MTV Brasil: fãs pedem que acervo do canal seja disponibilizado para o público

Desde que saiu do ar, em 2013, todo o acervo da primeira era da MTV Brasil ficou guardado na antiga sede do canal, no bairro do Sumaré, em São Paulo, prédio que também foi sede da extinta TV Tupi. Somente em julho deste ano, as milhares de fitas betacam analógicas, com todos os programas do canal, foram transferidas para o prédio da Editora Abril, na capital paulista - a empresa, que tinha a concessão da marca no país, é dona do material produzido nos 23 anos que o canal esteve no ar. Mas, qual será o destino desse arquivo? No ano em que se completa 30 anos da estreia da MTV Brasil, movimento que começou nas redes sociais pede a digitalização e a disponibilização do acervo do canal de música 

Segundo o portal Uol, são cerca de 40 mil fitas com conteúdo produzido desde a estreia do canal, em 1990, até seu encerramento, em 2013. Entre elas está o original do “Acústico MTV Roberto Carlos”, que nunca foi exibido na TV por causa do contrato de exclusividade que o cantor mantém com a Globo há décadas, além dos registros de todas as edições do “Video Music Brasil”, ou “VMB”, que durante anos foi a principal premiação da música no país. O futuro desse conteúdo ainda é incerto. Tanto a Editora Abril quanto a ViacomCBS, detentora da marca MTV, já demonstraram interesse no material. 

No Instagram, três perfis dedicados à antiga MTV Brasil, criados por fãs - A MTV Brasil que Deu Certo (@amtvquedeucerto), MTV Brasil Memórias (@mtvbrasilmemorias) e Disk MTV (@diskmtvbr) - se uniram e lançaram, em junho deste ano, a petição“Eu quero a minha MTV de volta”. O documento, que já passou a marca de 6.500 assinaturas, pede a recuperação, digitalização e a disponibilização dos arquivos do canal. “Nós vimos que os ex-VJs enfrentam dificuldades para acessar os vídeos dos programas que eles fizeram lá. Por isso, nós resolvemos fazer essa petição para que esse acervo seja digitalizado e disponibilizado para o público de uma maneira menos burocrática, e que as empresas (Editora Abril e ViacomCBS) entrem em um acordo”, explicou Leandro Marino, administrador da página Disk MTV.

Caio Pinheiro, nome por trás do perfil A MTV Brasil que Deu Certo, completou que outro ponto que contribuiu para criar a petição foi o fato de muitos fãs os procuram acreditando que eles têm acesso ao acervo do canal. “Por isso nós estamos sugerindo um canal de memórias no formato do Viva, da Globo, ou no serviço de streaming, aproveitando a chegada da Pluto TV, da ViacomCBS, que será lançado em breve no Brasil”, afirmou ele, destacando que o acervo possui muitos registros históricos. 

Para Felipe Arcelino, da página MTV Brasil Memórias, ressaltou que o canal marcou sua adolescência, numa época em que a internet ainda não era tão acessível como é atualmente. “Eu sou apaixonado por música, e, naquela época, era da MTV que eu todas as informações sobre música”, disse ele. “A gente não tinha acesso com facilidade ao Youtube para assistir ao clipe que queria; tinha que esperar passar na MTV. Acho que isso deixou uma sensação mais nostálgica.  Hoje em dia é tudo mais simples. Talvez por isso a gente tenha tanto apego à MTV, porque naquela época tinha essa conquista de assistir querendo ver um clipe e, quando a gente mesmo esperava, ele era exibido”, analisou.

Leandro garante que a MTV Brasil deixou um legado que vai além da música. “O canal se preocupava em informar o jovem sobre o que estava acontecendo na política; tinha a questão da aids, que todo ano eles faziam o especial no dia 1º de dezembro. O legado não era só o videoclipe, o legado era todo esse aparato de coisas para formar o caráter do jovem que acompanhava ela. O legal da MTV era que ela falava de igual para igual”, concluiu ele.

MTV Brasil: ex-VJs relembram histórias do canal, que estreou no país há 30 anos

MTV Brasil: ex-VJs relembram histórias do canal, que estreou no país há 30 anos

“Oi! Eu sou a Astrid e é com o maior prazer que eu estou aqui, anunciando para vocês, que está no ar a MTV Brasil”. Foi com essa mensagem que a apresentadora Astrid Fontenelle inaugurou, em 20 de outubro de 1990, a transmissão da primeira era da MTV no Brasil, que durou até 2013. Com uma programação voltada para a música, o canal – que havia estreado nove anos antes nos Estados Unidos – trouxe a proposta de dialogar diretamente com o público jovem. Assim como em vários países, a MTV fez história no Brasil, divulgando artistas nacionais e internacionais (numa época em que não existiam YouTube ou redes sociais), revelando mais de 120 VJs (como os apresentadores do canal eram chamados) e discutindo abertamente temas como a sexualidade e o uso de preservativos.  

Astrid, que trabalhou nove anos no canal, guarda na memória os bastidores do início da MTV Brasil. “Era um escritório adaptado num galpão em Pinheiros (em São Paulo). Tinha um estúdio horroroso, mas era o que precisávamos para fazer os testes. O início era muita burocracia e uma busca intensa por VJs”, contou ela. “Eu me lembro também de ter ido com o pessoal ao show da banda do Thunderbird (que viria a se tornar VJ), Devotos de Nossa Senhora de Aparecida, e de termos adorado aquela figura exótica. Também lembro de muita gente famosa fazendo teste, e nenhuma foi aprovada”, revelou.

 

Jornalista por formação, Astrid já trabalhava como apresentadora de TV quando recebeu o convite dos executivos da MTV Brasil para ser VJ. Lá, ela foi o primeiro rosto do “Disk MTV”, parada musical diária que se tornou um dos maiores sucessos do canal. Naquela época, a relação com o público, segundo Astrid, era uma “conexão real”. “Íamos a shows, e eu amava dar rolê entre o público. Gostava de ouvir as pessoas, ver o que usavam, o que consumiam… Eu recebia centenas de cartas; lia e respondia tudo! A porta da MTV sempre tinha uma galera”, disse ela, que garante que ainda hoje não tem a dimensão do sucesso e da representatividade que tinha entre os jovens.  

Aos 59 anos, Astrid, que atualmente apresenta o “Saia Justa”, no GNT, define o período em que trabalhou na MTV como “o mais divertido”. “Nosso trabalho era o que naturalmente consumíamos. Nossas referências eram os videoclipes e o comportamento jovem. Estávamos sempre ligados no que era novo”, explicou. Questionada sobre a primeira lembrança que vem à mente quando o assunto é MTV Brasil, ela afirmou: “Os VJs e o Caetano (Veloso) falando abrasileirado ‘eme-tê-vê’, e não como nós falávamos, ‘eme-ti-vi’”. 

De telespectadora a VJ 

A gaúcha Titi Müller, hoje com 34 anos, faz parte da geração que cresceu assistindo à MTV Brasil e nem imaginava que um dia se tornaria VJ do canal. “A primeira lembrança que eu tenho da MTV Brasil é na TV de tubo da minha irmã mais velha, lá em Porto Alegre, com o bombril colado na antena, e ela assistindo ao clipe do Guns N’ Roses”, contou ela, que disse ter tido fases com o canal. “Eu assisti muito em 1997, 1998, gostava dos Backstreet Boys, das Spice Girls, do ‘Disk MTV’. Depois, eu passei a assistir ao João Gordo; os desenhos da MTV que eram sempre muito engraçados; foi o programa ‘Meninas Veneno’, da Marina Person, que moldou a minha personalidade praticamente”, relembrou. 

 

Titi começou a trabalhar na MTV Brasil em 2008, produzindo conteúdo para o site do canal. O título de VJ viria no ano seguinte, quando estreou na TV. “Eu lembro quando a Cris Lobo (que era diretora da MTV) me chamou para conversar e falou que eu seria contratada como VJ. Eu voltei para casa escutando o meu iPod muito feliz e comprei um buquesão de flores para mim. Nossa, eu acho que é uma das memórias mais incríveis da minha vida! Eu me senti muito, muito poderosa!”, afirmou ela. “Foi uma sensação muito boa de que a minha vida, a partir dali, ia mudar para melhor e que algo muito frutífero e produtivo estava começando”, ressaltou ela, que apresentou programas como “Acesso MTV e “MTV Sem Vergonha”. 

Hoje no Multishow, onde acabou de estrear a nova temporada do “Anota Aí”, Titi garante que os anos em que trabalhou na MTV Brasil foram muito felizes. “A gente era feliz e sabia! Eu me diverti demais na MTV, era muito prazeroso trabalhar lá. Fiz grandes amigos, grandes amores, grandes chefes. Era aquele ambiente anárquico, revolucionário, totalmente livre. Sou muito grata por todos os anos em que eu trabalhei lá, foi um divisor de águas na minha vida, com certeza. E eu não me arrependo nem um pouco de nada que eu fiz lá; eu aproveitei bastante”, disse.  

O fim de uma era 

A MTV chegou ao Brasil por meio da Editora Abril, que manteve a concessão do canal por 23 anos e o exibia na TV aberta. As atividades foram encerradas em 30 de setembro de 2013, quando a Abril devolveu os direitos da MTV à ViacomCBS, detentora do canal nos Estados Unidos, que reformulou a programação – o “M”, de “music”, acabou ficando de lado nessa nova fase do canal, que também foi parar na TV fechada. 

Coube a Astrid Fontenelle encerrar a transmissão da antiga MTV Brasil. “Achei importante chamar pra mim aquela responsabilidade. Eu comecei, fui a primeira cara no ar”, afirmou ela. “Tinha que ser um encerramento vitorioso, e não derrotista. Fizemos uma revolução em muitos sentidos:  apresentação, videoclipes, edição de imagens em vinhetas, chamadas… Muita coisa mudou por causa da MTV, inspirada na MTV”, assegurou a apresentadora. 

Para ela, a primeira fase do canal deixou um legado: “Os belos anos 90 e todos os seus produtos artísticos! Quer melhor?”. Segundo Titi Müller, que fez parte da última geração de VJs, a MTV Brasil foi um divisor de águas para a geração dela. “O canal foi modelador de muito gosto musical e de valores; abriu muitas portas para gente falar sobre assuntos que eram tabus, como sexo, aborto, a questão LGBT… tudo, na verdade. A MTV sempre teve um papel social muito grande com a juventude”, afirmou a apresentadora. “Fico pensando hoje em dia na importância de uma emissora como foi a MTV Brasil para o momento que a gente está vivendo; acho que talvez as coisas pudessem estar um pouquinho diferentes. Jamais saberemos, né?”, finalizou ela. 

 

Danton Mello celebra 40 anos de carreira: 'Tenho muito orgulho de tudo'

Danton Mello celebra 40 anos de carreira: 'Tenho muito orgulho de tudo'

Danton Mello era criança quando iniciou a carreira artística, aos 5 anos. “Foi no início dos anos 1980; eu e o Selton (Mello, irmão dele), fizemos muitos comerciais juntos”, relembrou o mineiro, de 45 anos, que nasceu na cidade de Passos, no Sul do Estado. De lá para cá, já são 40 anos de trabalhos como ator e dublador, em produções na TV, no teatro e no cinema. E, se depender do artista, ainda vem muita coisa por aí – ele adiantou que estará em um filme e em uma novela que estrearão em 2021. Enquanto isso, Danton acompanha sua trajetória profissional ser contada por meio dos trabalhos que já fez e que estão de volta no canal Viva e também no Globoplay. 

“Eu me considero um cara muito jovem, tenho o espírito jovem. Mas, quando eu olho para trás, penso: ‘Caramba, 40 anos trabalhando, 40 anos contando histórias!’. Eu tenho muito orgulho de tudo o que eu fiz”, disse o ator, que estreou em novelas em “A Gata Comeu” (1985). A ideia era celebrar as quatro décadas de carreira fazendo uma das coisas que ele mais gosta: atuando.

“Era um ano que eu teria muito trabalho, mas está tudo suspenso”, contou ele, referindo-se ao filme “Predestinado” e à novela “Um Lugar ao Sol”, que tiveram as estreias adiadas para o próximo ano por causa da pandemia. “Mesmo assim, tenho que falar sobre a data e comemorar essa trajetória”, afirmou. 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

70 anos da televisão brasileira dos quais 40 faço parte. Que orgulho! Quem aí lembra os nomes desses três personagens!? #70anosdatvbrasileira

Uma publicação compartilhada por Danton Mello (@dantonmello) em

Motivos para celebrar são o que não falta para Danton. Mesmo com os novos projetos adiados, ele pode ser visto em cena em mais de uma produção atualmente. Uma delas é “Hebe”, série que foi exibida recentemente pela Globo e está disponível na íntegra no Globoplay. Na história, o ator interpreta Cláudio Pessuti, sobrinho e braço direito da apresentadora Hebe Camargo (Andréa Beltrão). “Tenho muito carinho por esse trabalho, porque eu acho que a Hebe merece ter a sua história contada. Estou muito feliz por ter participado do projeto e fazer esse personagem, que era o fiel escudeiro dela”, explicou. Ele também revelou que conheceu a apresentadora pessoalmente: “Eu estive no programa da Hebe muitos anos atrás; tive o prazer de me sentar no sofá dela”. 

 

Versões de Danton 

Desde setembro, o canal Viva reprisa a primeira temporada de “Malhação” (1995), trabalho em que Danton interpretou o ingênuo e carismático Héricles, o primeiro protagonista de sua carreira. “Assisti à estreia de ‘Malhação’ no Viva; parei tudo para assistir ao primeiro capítulo”, contou o artista.  

 

 E tem mais: recentemente, entraram no catálogo do Globoplay novelas como “Vale Tudo” (1988), “Tieta (1989) e “Torre de Babel” (1998), todas produções que têm o ator mineiro no elenco. “Neste ano, que estamos mais em casa, eu tenho a oportunidade de mostrar a minha história, com novelas como ‘Vale Tudo’, em que eu era uma criança; ‘Tieta’, que já era adolescente... São trabalhos tão marcantes e legais, e é muito bom poder rever e reviver essas histórias”, destacou Danton. “É legal para o público também, tanto para quem já assistiu e vai poder rever tanto para quem vai ver pela primeira vez”, acrescentou. 

Projetos para 2021 

Para o ano que vem, Danton Mello tem o lançamento de “Predestinado: Arigó e o Espírito do Dr. Fritz” – o filme entraria em cartaz em junho de 2020, mas teve o lançamento adiado por causa da pandemia do novo coronavírus. No longa, que tem direção de Gustavo Fernandez, o ator vive o médium José Arigó, protagonista da história. “O filme conta a história de um homem iluminado que passou a vida praticando o bem, ajudando as pessoas. Então, independentemente da sua religião, do que você acredita, o filme merece ser visto, porque fala de um homem que abdicou da vida pessoal para ajudar o próximo; é uma mensagem muito linda”, afirmou Danton. 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Contagem regressiva... #predestinado #arigó #drfritz #cinema

Uma publicação compartilhada por Danton Mello (@dantonmello) em

A história foi toda gravada em Minas Gerais, Estado que o ator carrega no coração. “Eu sou mineiro com muito orgulho, amo demais a nossa terra; minha família está toda em Minas”, garantiu. O artista contou que “Predestinado” mexeu com ele. “Eu digo que eu era ateu até fazer o filme. Eu mergulhei de cabeça na história do Arigó e saí mexido, muito transformado”, explicou. “Hoje eu não sigo nenhuma religião, mas acredito que existe algo maior, algo que eu não sei explicar e que espero de agora em diante poder buscar conhecimento”, garantiu. 

Também em 2021, ele poderá ser visto em “Um Lugar ao Sol”, novela de Lícia Manzo, que vai substituir “Amor de Mãe”. A ideia era que o novo folhetim das nove estreasse neste ano, mas as gravações também foram suspensas. Na trama, Danton será Mateus, que ele descreve como um homem “simples e humilde”. “Ele se envolve com a personagem da Andreia Horta, e os dois se mudam para o Rio de Janeiro. A partir daí, vão se desenrolar algumas questões, inclusive a que diz respeito ao relacionamento com a personagem da Andreia, porque ela vai se envolver com um dos gêmeos, que será interpretado por Cauã Reymond”, adiantou o ator mineiro.  

Ainda segundo ele, os capítulos da novela já escritos estão passando por modificações para seguir os protocolos de segurança elaborados por causa da pandemia. “A gente acredita que vai voltar este ano ainda a gravar. Mas com certeza a estreia só será no ano que vem”, afirmou.   

Como dublador, Danton também tem novo projeto: a animação “Chef Jack, o Cozinheiro Aventureiro”, da produtora mineira Immagini. “Estive dois dias em BH, no começo do ano, para fazer a dublagem”, disse o ator, que já dublou Leonardo DiCaprio em filmes como “Titanic” e “A Praia”.

Relação com o irmão

Danton fala com carinho do irmão mais velho, o também ator Selton Mello, de 47 anos. “A gente sempre trocou figurinhas sobre a nossa vida profissional, e, principalmente, sobre a nossa vida pessoal. A gente é muito unido, a gente tem uma parceria muito grande”, disse.

Após as campanhas publicitárias, os dois chegaram a trabalhar algumas poucas vezes. “Nós fizemos um especial do Chico Anysio, na Globo, no final dos anos 1980; fizemos duas peças de teatro no início dos anos 1980”, relembrou. “E eu fiz aquela participação linda e emotiva no filme ‘O Palhaço’ (de 2011, dirigido por Selton). Foram poucos encontros em cena, mas foram muitos gostosos”, ressaltou Danton.

Segundo o ator, há uma vontade dos dois de voltar a trabalhar juntos. “A gente tem muita ideia, estuda projetos. Pensamos com muito cuidado e muito carinho nesse encontro”, disse ele. “E já já isso vai acontecer”, garantiu. 

Novela indicada ao Emmy

A última novela de Danton Mello foi “Órfãos da Terra” (2019), escrita por Duca Rachid e Thelma Guedes que foi indicada ao  Emmy Internacional 2020 na categoria melhor novela. O ator, que na trama interpretou o delegado Almeidinha, recebeu a notícia com muita alegria. “A Duca, a Thelma e o Gustavo Fernandez (diretor do folhetim) são merecedores de estarem no Emmy. É uma novela linda, com um tema muito atual”, comentou ele, referindo-se a questão dos imigrantes no mundo, tema central de “Órfãos da Terra”. Os vencedores serão conhecidos no dia 23 de novembro. 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

De plantão! #delegado #almeidinha #plantão #investigação #órfãosdaterra

Uma publicação compartilhada por Danton Mello (@dantonmello) em

Recentemente, “Órfãos da Terra” recebeu o Grand Prize na 15ª edição do Seoul Drama Awards, a premiação de entretenimento mais importante da Ásia. O troféu máximo entre todas as categorias, destaca a obra de maior relevância, popularidade e originalidade entre os concorrentes. 

Esse é o segundo prêmio internacional que a novela de Thelma Guedes e Duca Rachid recebe. Além de já ter sido licenciada para mais de 50 países, “Órfãos da Terra” ganhou o Rose D’Or Awards na categoria Serial Drama no ano passado. Vale lembrar que a dupla Thelma e Duca já ganharam um Emmy com a novela “Joia Rara” (2013).

Thiaguinho lança série sobre a turnê ‘Tardezinha’: 'Foi além dos meus sonhos'

Thiaguinho lança série sobre a turnê ‘Tardezinha’: 'Foi além dos meus sonhos'

Foram quatro anos e meio viajando por diversas cidades do Brasil. Nesse período, a turnê “Tardezinha”, de Thiaguinho, foi vista por quase um milhão de pessoas. Após tanto sucesso, o encerramento também teria que ser algo grandioso, para marcar a carreira do cantor. A ideia: fazer o último show no Maracanã e gravá-lo, o que aconteceu no dia 15 de dezembro de 2019. O registro deu origem a um álbum, “Tardezinha no Maraca”, com 20 faixas, e também a uma série documental no Globoplay, que serão lançados nesta quinta-feira (15).

Em quatro episódios, a produção, que também recebeu o nome de “Tardezinha”, vai mostrar desde a concepção do projeto até a última apresentação no Rio de Janeiro, que foi assistida por mais de 40 mil pessoas. “Estou hiperfeliz por poder mostrar, não só o dia fantástico, que foi o Maracanã (último show da turnê) e a gravação desse álbum que coroa o projeto e a minha carreira, mas também por poder contar os bastidores da festa e como surgiu”, vibrou Thiaguinho.

“É algo muito grande, que foi além dos meus sonhos. Eu nunca imaginei fazer um show Maracanã, cantando músicas da minha carreira e de artistas que eu cresci ouvindo”, disse o pagodeiro, de 37 anos. 

A série conta com depoimentos de profissionais e amigos que marcaram essa trajetória, como Alexandre Pires, Belo, Rodriguinho, Thiago Martins, Ferrugem, Péricles, Di Ferrero, Iza, Ludmilla, Tiago Abravanel, entre outros. 

Para ele, a série documental é um registro de um momento importante da carreira, e que ele poderá relembrar no futuro. “Daqui 10, 20 anos, vou olhar esse documentário e relembrar esses momentos que as vezes a gente perde na memória. Acho legal mostrar os bastidores, coisas que aconteceram. Quem dera eu pudesse ter todas as minhas turnês registradas assim”,  explicou Thiaguinho, que disse que já assistiu a série umas “quatro ou cinco vezes”. “Queria que tivesse mais episódios”, afirmou o pagodeiro, aos risos. 

A turnê

O projeto “Tardezinha” foi idealizado por Thiaguinho e pelo ator Rafael Zulu, que é amigo do cantor. “Tudo começou quando eu estava participando do ‘PopStar’ (da Globo, em 2015), que ia ao ar todo domingo à noite, ao vivo. Com isso, eu não poderia fazer shows aos domingos. Conversei com o Zulu e pensamos em fazer um pagode aos domingos de tarde, que era o horário que eu tinha livre. Era para ser uma reunião de amigos aos domingos para cantar músicas nostálgicas e se tornou uma festa conhecida no país todo”, contou o pagodeiro.

Segundo Thiaguinho, o projeto, que inicialmente aconteceria só no Rio de Janeiro, foi crescendo tanto que eles resolveram colocar o pé na estrada. “No primeiro dia do ‘Tardezinha’, eu já senti a energia da galera de um jeito surreal, e o meu coração também bateu esse sucesso. As pessoas que iam aos shows comentavam e isso fez criar uma expectativa maior em torno do projeto”, detalhou ele.

“Naquele momento, eu pensei que ‘Tardezinha’ seria maior do que eu imaginava, mas não pensei que chegaria a esse tamanho. Foi uma surpresa ótima”, garantiu o cantor. Ao todo, foram 162 edições do “Tardezinha”, que aconteceram em 22 Estados do Brasil. Antes do encerramento no Maracanã, o projeto passou por outros estádios, como o Mineirão, em Belo Horizonte. 

A comemoração do sucesso da turnê, que deu origem ao documentário no Globoplay, tem um sabor especial para o cantor, já que o repertório mexe com a memória afetiva dele, inclusive a infância. “É um projeto muito gostoso por também cantar músicas de outros artistas, que me fazem lembrar da época que eu era criança e sonhava em ser cantor; eu queria ser como aqueles caras”, disse ele, que citou Péricles, Belo e Alexandre Pires como exemplo. “Foi muito bacana poder receber alguns deles nas apresentações nesse período que foi muito feliz”, destacou ele. 

‘Tardezinha no Maraca’

O álbum “Tardezinha no Maraca”, que será disponibilizado nas plataformas digitais nesta quinta-feira (15), traz 20 canções, entre elas as regravações “Cheia de Manias”, “Depois do Prazer”, ‘Que se Chama Amor’ e “Domingo”, entre outras. 

 

Thiaguinho que revelou que nunca havia pensado em gravar um álbum no Maracanã, ainda mais em um show que durou seis horas. “Sou de Presidente Prudente, no interior de São Paulo, e cresci em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. Sempre tive sonho de cantar, gravar álbum, mas Deus me deu muito mais do que imaginei”, contou.

“Esse show no Maracanã representou muito pra mim, por ser o Maraca, local que eu vi grandes artistas se apresentando”, disse ele. “Na época que surgiu a ideia do show, mandei mensagem para Ivete Sangalo falando:  ‘Posso fazer show no Maracanã?’ Se não for a maior artista feminina do nosso País, é uma das maiores da história. Queria que ela estivesse lá comigo. Infelizmente, não deu por questão de logística”, falou Thiaguinho, referindo-se à cantora baiana, que já gravou um DVD no estádio. 

Ele, que aguarda ansioso o lançamento da série do álbum, está pensando em novos projetos para a carreira, e não descarta o retorno do “Tardezinha”: “Óbvio que existe a possibilidade de voltar, mas é cedo para falar sobre isso. Mas é gostoso saber que as pessoas têm essa saudade já agora, que nem acabou direito”.

'Caldeirão do Huck' terá jogo de famílias valendo R$ 30 mil, a partir de sábado

'Caldeirão do Huck' terá jogo de famílias valendo R$ 30 mil, a partir de sábado

A partir do próximo sábado (17), na Globo, Luciano Huck vai comandar um novo quadro no “Caldeirão do Huck”. É o “Tem ou Não Tem Jogo”, que vai reunir, a cada episódio, duas famílias: elas vão se enfrentar tentando descobrir as respostas mais citadas – mas nem sempre tão óbvias – para perguntas feitas a grupos de 100 integrantes e sobre variados assuntos. A equipe que descobrir mais respostas ganha o duelo e tem a chance de faturar R$ 30 mil.

O quadro “Tem ou Não Tem Jogo” começa com quatro rodadas de perguntas. Huck, então, lê para as duas famílias as questões que foram feitas ao grupo e conta quantos itens eles citaram. Cem é a pontuação máxima, e ambas as famílias têm a chance de dar um chute inicial: aquela que acertar a resposta dada por um maior número de pessoas leva os pontos e a oportunidade de continuar no jogo. A rodada só termina quando a família acerta todos os itens ou quando acumula três erros (itens que não foram citados por ninguém da pesquisa). Nesse caso, a família adversária terá a chance de acertar um dos itens e “roubar” para si todos os pontos da outra equipe.

Ao final das quatro rodadas, a família que tiver acumulado mais pontos ganha o duelo e tem a chance de conquistar o prêmio de R$ 30 mil. Para isso, dois de seus integrantes participam da etapa “Tudo ou Nada”. O primeiro deles deve acertar as respostas mais citadas de cinco novas perguntas em apenas 25 segundos. Já o segundo, sem ter ouvido as respostas de seu familiar, tenta acertar os itens mais citados nas mesmas perguntas em 30 segundos. A família leva o prêmio se as respostas dos dois, somadas, chegarem a um total de 200 pontos. Caso contrário, terão que ir para casa com apenas R$ 5 mil.

A nova disputa do “Caldeirão do Huck” tem o formato do já consagrado “Family Feud”, sucesso no mundo todo desde 1976, ano em que foi lançado nos Estados Unidos.

'The Voice Brasil' retorna com Brown no lugar de Ivete e plateia virtual

'The Voice Brasil' retorna com Brown no lugar de Ivete e plateia virtual

Apresentador do “The Voice Brasil” há nove anos – função que exerce desde a estreia do formato no Brasil –, Tiago Leifert garante que a nona temporada do reality musical, que estreia na noite desta quinta-feira (15), após a novela “A Força do Querer”, será especial e diferente. “É uma temporada excepcional, em todos os sentidos. A gente teve que se adaptar, sem interferir na qualidade musical do programa”, contou ele, referindo-se à pandemia do novo coronavírus e aos protocolos de segurança implantados pela Globo. 

As gravações da temporada inédita começaram no fim de agosto, nos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro, reunindo os técnicos Iza, Michel Teló, Lulu Santos e Carlinhos Brown (ele, que havia deixado a atração em 2019, retorna neste ano substituindo Ivete Sangalo). Jeniffer Nascimento, que pelo segundo ano consecutivo é coapresentadora do programa, acompanhou a gravação das Audições às Cegas – primeira fase do reality, quando os técnicos escolhem as vozes para seus times – de maneira remota.  

A plateia, agora, é virtual. Segundo Creso Eduardo Macedo, diretor artístico do “The Voice Brasil”, ela continua reagindo com calor a tudo o que acontece no programa. “A sensação do estúdio é igualzinha ou melhor do que antes. Mais uma vez, a gente conseguiu trazer um programa, com carinho e amor, para entrar na casa das pessoas”, garantiu ele. 

“Estamos cumprindo todas as normas de segurança e, infelizmente, não poderemos abraçar os participantes. Eu e o Tiago vamos conversar com eles a distância”, contou Jeniffer, referindo-se ao anteparo de acrílico usado no palco na hora de conversar com os competidores. “Ao contrário dos outros anos, não vai ter ninguém da família no estúdio, elas vão assistir às apresentações remotamente. Aliás, agora há mais pessoas das famílias acompanhando, e isso aparece no telão”, revelou Leifert.  

“Perdemos um abraço, mas encontramos soluções criativas que devem continuar para sempre”, acrescentou o apresentador. “A gente vai continuar fazendo o ‘The Voice’ do jeito quente que sempre foi, mas seguindo os protocolos de segurança que garantem a nossa segurança. A gente brinca que, na ausência do abraço, um belo olhar e um gesto valem mais”, explicou Macedo. 

Reencontro com o palco 

Para Tiago Leifert, a exibição do “The Voice Brasil” em meio à pandemia tem significado especial. “O programa é a volta aos palcos para muitas pessoas que estavam paradas há meses”, disse ele, referindo-se à suspensão das atividades, como shows, desde março deste ano. 

Michel Teló, técnico pentacampeão do reality, concordou com o apresentador. “Neste ano, nós, artistas, praticamente não subimos no palco. Agora, vem essa oportunidade”, pontuou o cantor, que também celebrou o fato de poder se apresentar. 

“A nossa primeira gravação foi emocionante! No primeiro programa, a gente sempre faz o nosso musical. Ensaiamos várias vezes e queríamos ensaiar mais, porque também sentimos saudade do palco. Está sendo maravilhoso esse retorno”, comemorou Teló. “É uma grande oportunidade, em um ano tão difícil, de também levar coisa boa para o público”, completou.  

“Estou feliz por estar de volta ao ‘The Voice’, principalmente neste momento, em que a gente precisa ouvir histórias boas e felizes”, afirmou Iza, que pelo segundo ano desempenha a função de técnica da atração. “Eu acredito que a música transforma, e o programa mostra isso. Neste momento, é importante levar esperança, por meio da música, para a casa das pessoas”, completou Jeniffer Nascimento.  

A volta de Brown 

A nona temporada do “The Voice Brasil” marca o retorno de Carlinhos Brown ao programa. “É uma delícia estar de volta! Essa temporada que eu fiquei fora me ensinou que eu precisava chorar com o ‘The Voice’ sem que eu estivesse participando como técnico, porque o programa é emocionante”, comemorou ele, que vai se sentar nas famosas cadeiras ao lado de Iza, Michel Teló e Lulu Santos. 

Brown também comentou o fato de entrar no reality no lugar de Ivete Sangalo. “O fato de Veveta não estar no programa não quer dizer que ela está ausente, porque ela é uma pessoa que deixa marcas por onde passa”, afirmou ele, ressaltando que o “The Voice Brasil” é uma família e que em uma família é natural “um substituir o outro”. 

Dinâmica 

Ao todo, 64 vozes foram escolhidas pelos técnicos Iza, Carlinhos Brown, Michel Teló e Lulu Santos –cada time terá 16 competidores. Eles vão se enfrentar no palco do “The Voice Brasil”, e quem vencer a disputa vai ganhar R$ 500 mil e um contrato com a gravadora Universal Music.  

Segundo Creso Eduardo Macedo, diretor artístico do programa, a nona temporada do reality terá as mesmas fases da edição 2019: Audições às Cegas, Batalhas, Rodadas de Fogo, Ao Vivo, semifinal e final. De acordo com ele, todos os candidatos que se apresentaram na primeira fase foram selecionados antes da pandemia. “A rigor, o programa tem um processo de seleção que é um dos segredos de seu sucesso e que não aparece na tela. E é isso que leva as vozes a serem tão especiais, tão únicas”, garantiu o técnico Lulu Santos. 

“A dinâmica será a mesma da temporada passada. O botão de bloqueio também está presente”, contou o diretor. “Até a fase de Batalhas ele será gravado, depois, será ao vivo”, destacou ele, completando que a final será no dia 17 de dezembro. 

Neste ano, o “The Voice Brasil” vai ao ar na Globo e no Globoplay nas noites de terça e de quinta. Pela primeira vez, o reality também será exibido no Multishow, só que às quartas e sextas, a partir das 20h30. O programa terá especiais na internet (no site oficial do programa e também das redes sociais), com conteúdo produzido pelos técnicos e pelos participantes.

Erick Jacquin busca a galinhada perfeita no 'Minha Receita' desta quinta-feira

Erick Jacquin busca a galinhada perfeita no 'Minha Receita' desta quinta-feira

Depois de ocupar a faixa da madrugada com o "Bar Aberto", reality show que vai eleger o melhor bartender amador do Brasil, a Band vai "matar a fome" do público com uma galinhada. É que Erick Jacquin, agora com o programa "Minha Receita", vai rodar o país em busca de histórias envolvendo o tradicional prato brasileiro.

Na missão desta quinta-feira (15), o chef de cozinha francês, que também integra o "MasterChef", contará com a ajuda de Zeca Camargo, que vai visitar o Dalva Dito, premiado restaurante paulista comandado por Alex Atala. Já Roninho, diretamente de Minas Gerais, mostrará a receita do Desemboque. Por fim, Polly estará no Simbora, local que vende uma galinhada "cura ressaca" e que está fincado em Goiânia. 

O "Minha Receita", que é uma espécie de documentário, vai ao ar toda quinta-feira, às 22h45. A atração reafirma o compromisso da Band em explorar a gastronomia na TV.

Gusttavo Lima e Andressa Suita? Qual separação te chocou mais neste ano?

Gusttavo Lima e Andressa Suita? Qual separação te chocou mais neste ano?

A separação de Gusttavo Lima e Andressa Suita está entre os temas mais falados da semana — tem até quem esteja discutindo o comportamento humano diante do divórcio do casal ou propondo tese de doutorado sobre o tema. O que é compreensível, já que o cantor e a modelo eram chamados de "perfeito" pelo público: eles tinham o típico relacionamento de comercial de margarina.

No entanto, o cantor sertanejo, que declarou ter saído pela mesma porta que entrou, quase uma atualização do verso "abre o portão que...", não foi o único a ficar solteiro neste 2020. Antes dele, os casais Anitta e Gui Araújo, Luísa Sonza e Whindersson Nunes e Marília Mendonça e Murilo Huff figuraram no grande noticiário devido aos términos. Sendo assim, para vocês, qual separação foi mais babadeira? Qual te chocou mais? Vote!

 
Que separação foi mais chocante?
Anitta e Gui Araujo
Marília Mendonça e Murilo Huff
Luísa Sonza e Whindersson Nunes
Gusttavo Lima e Andressa Suita
 
 
 
 
 
 

Mariano, Tays ou Narizinho: quem merece ser o Fazendeiro de 'A Fazenda 12'?

Mariano, Tays ou Narizinho: quem merece ser o Fazendeiro de 'A Fazenda 12'?

Dono do hit "Camaro Amarelo", Mariano "atropelou" Biel e mandou o funkeiro direto para a Roça da Semana. O músico, no entanto, precisa vencer a prova do Fazendeiro para se livrar da berlinda. Na disputa, que vai acontecer na noite desta quarta-feira (14), na tela da RecordTV, logo após a belissíma novela "Jesus", além do sertanejo, estão a ex-Panicat e capa da "Playboy" Carol Narizinho e a cantora Tays, que fez sucesso com a música da "metralhadora", em um desses carnavais passados.

Para você, nobre espectador do reality show, quem merece vencer a Prova do Líder, aliás, do Fazendeiro?

Mariano, Tays ou Carol: quem merece ser o Fazendeiro?
Mariano
Tays
Carol
 
 
 
 
 
 

Tobey Maguire e Andrew Garfield devem aparecer em novo filme do Homem-Aranha

Tobey Maguire e Andrew Garfield devem aparecer em novo filme do Homem-Aranha

O novo filme do Homem-Aranha pode reunir três atores que já interpretaram o super-herói no cinema. Segundo o site FandomWire, o estúdio que produz o longa contratou Tobey Maguire e Andrew Garfield para uma participação na produção ao lado de Tom Holland - ele é o atual intérprete oficial do Homem-Aranha.

De acordo com a publicação, Maguire e Garfield vão aparecer na reta final do longa para ajudar a derrotar os inimigos do Homem-Aranha, que será vivido por Holland - esse será o terceiro longa em que ele aparecerá na pele do super-herói. 

 

Youtuber Bianca Andrade, a Boca Rosa, nega que seguirá a carreira de cantora

Youtuber Bianca Andrade, a Boca Rosa, nega que seguirá a carreira de cantora

Bianca Andrade, a Boca Rosa, ex-participante do “Big Brother Brasil 20”, da Globo, revelou à rádio Super 91,7 FM que, apesar de ter lançado ao lado do DJ Pedro Sampaio a faixa “Boca”, não seguirá a carreira de cantora – o videoclipe da canção, a propósito, já foi visto mais de 2 milhões de vezes só na plataforma online YouTube. 

"Eu não tenho coragem de cantar, foi uma coisa totalmente sem pretensão, e eu gosto de me aventurar, de fazer coisas novas, principalmente quando está relacionado a algum trabalho meu”, declarou a youtuber ao programa Manhã Super. De acordo com Bianca, “Boca” é um aquecimento, não uma “música”, necessariamente. “Um aquecimento vem só com a batida do funk, com algumas frases no meio dela, e é pra gente se jogar, rebolar e se divertir”, explicou a artista.

A faixa “Boca”, a propósito, é a música de abertura do programa “Boca a Boca”, que Bianca apresenta no YouTube. E, segundo ela, o convite para que Pedro Sampaio topasse esse desafio, o de criar o tema, aconteceu naturalmente. “Eu convidei o Pedro Sampaio porque gosto muito do trabalho dele, eu amo o trabalho dele. E ele já tinha cantado e tocado em uma festa minha. Ou seja, a gente já tinha uma história”, justificou.

Dispensado do SBT, Roberto Cabrini assina contrato com a RecordTV

Dispensado do SBT, Roberto Cabrini assina contrato com a RecordTV

Roberto Cabrini, de 60 anos, já tem casa nova. O jornalista, que em setembro anunciou que não renovaria com o SBT, assinou com a RecordTV nessa sexta-feira (9).

A informação, divulgada pelo jornalista Flávio Ricco, do R7, não foi confirmada pela emissora. Porém, a reportagem apurou que a contratação de fato ocorreu.

Cabrini, que comandava o "Conexão Repórter" havia 11 anos na emissora de Silvio Santos, vai fazer reportagens especiais para o "Domingo Espetacular", da RecordTV. O programa dominical vem passando por mudanças. Em julho, a atriz Carolina Ferraz, de 52 anos, estreou na apresentação.

Esta não é a primeira passagem do jornalista pela RecordTV. Ele já foi apresentador do "Repórter Record" em 2009.

Vavá, ex-Karametade, fala sobre luta contra o álcool: 'Entrei em depressão'

Vavá, ex-Karametade, fala sobre luta contra o álcool: 'Entrei em depressão'

O cantor Vavá, de 46 anos, que fez sucesso nos anos 1990 com o grupo Karametade, afirmou que está enfrentando uma batalha contra o álcool durante o pandemia do novo coronavírus. A revelação foi feita durante entrevista ao programa "Domingo Espetacular", da RecordTV, que vai ao ar neste domingo (11).

"Passei por um psiquiatra, não era nem psicólogo, psiquiatra. Conversei muito com ele. Chegou um momento de até me entregar ao álcool assim, sem parar, não tinha vontade de comer, mas tinha vontade de beber", conta ele, que participará do quadro "Por Onde Anda?" do programa.

Segundo o músico, o período de pandemia não tem sido fácil. Além do alcoolismo, ele também tem enfrentado uma depressão: "Eu emagreci, entrei numa depressão muito grande, de ligar pra minha esposa e falar: 'Não estou legal, o que eu faço, não estou legal', diz o cantor.
A pandemia foi mesmo um baque nos planos do músico. No ano passado, ele havia contado ao F5 seus planos de retomar o Karametade neste ano, como parte das comemorações pelos 20 anos do grupo. A ideia dele incluía shows pelo país e até a gravação de um DVD.

Andréa Nóbrega nega romance com o cantor Eduardo Costa

Andréa Nóbrega nega romance com o cantor Eduardo Costa

A atriz Andréa Nóbrega, conhecida por sua participação nos realities "Mulheres Ricas" (Band) e "A Fazenda 11" (RecordTV), negou que esteja tendo um romance com o cantor Eduardo Costa. "Somos apenas amigos", disse ela em postagem pelas redes sociais.

Os rumores de que ambos estariam namorando começaram em junho, quando ela deixou uma mensagem em um vídeo picante que o cantor havia publicado. No comentário Andréa o elogiava e alguns fãs começaram a compartilhar.

A atriz, inclusive, acaba de completar 52 anos. Ela ganhou um café da manhã especial armado pela filha, sobrinhos e amigos. "É o melhor dia da minha vida", disse.

A última aparição pública de Andréa foi em "A Fazenda 11". E foi no próprio reality que ela abriu o jogo sobre o seu relacionamento anterior, com o apresentador Carlos Alberto de Nóbrega. Em conversa com Thayse Teixeira e Bifão, ela afirmou que viu "todas as porta se fecharem" na época.

"Você vê sua vida despencando. Você pensa: 'O que eu vou fazer?'. Foi quando eu fui participar do 'Mulheres Ricas'. Eu só falei: 'Não quero expor tanto os meus filhos. Nunca gostei disso', mas foi aí que a mídia viu: 'Olha a vida dela, ela fala'".

Já Eduardo Costa costuma sempre estar em meio a rumores de novos affairs. Ele já foi dado como namorado de nomes como Antonia Fontenelle e teve um relacionamento com Victória Villarim que hoje está em "A Fazenda 12".

'Escolinha do Professor Raimundo' retorna com personagens icônicos da TV

'Escolinha do Professor Raimundo' retorna com personagens icônicos da TV

A sexta temporada da nova versão de  "Escolinha do Professor Raimundo" está prestes a começar. A nova leva de episódios do humorístico retornará no dia 18 de outubro na Globo e no dia seguinte no Viva. A atração tem direção artística de Cininha de Paula e redação final de Angélica Lopes e Leonardo Lanna.

Na nova temporada, haverá uma novidade: a chegada Marcelo Serrado que interpretará o personagem Ptolomeu. Outra novidade é que a atração abordará a pandemia. Tanto quer na escola haverá álcool gel e distância entre os alunos. E será tema de algumas piadas.

"Tentamos encontrar um equilíbrio entre os temas de aula propriamente ditos e assuntos atuais, como os novos hábitos adquiridos nesse período. O Zé Bonitinho (Mateus Solano), por exemplo, anda fazendo lives. Será uma 'Escolinha' histórica e diferente, assim como o ano de 2020 está sendo", conta Angélica Lopes, que assina a temporada com Leonardo Lanna.

Os redatores adiantam que em 2020 não haverá público assistindo à gravação nem interação física entre os alunos. "Seguimos todos os cuidados para poder levar graça e um respiro de leveza, alegria, resgate da memória afetiva e confraternização para o público neste momento", explica a diretora artística Cininha de Paula.

Algumas participações vão acontecer. O próprio elenco vai interpretar personagens icônicos já vividos pelos atores em outras produções. Destaque para Crô, interpretado por Marcelo Serrado em "Fina Estampa" (2011), Félix, sucesso de Mateus Solano em "Amor à Vida" (2013), Leleco, personagem de Marcos Caruso no fenômeno "Avenida Brasil" (2012), Valéria, interpretada por Rodrigo Sant'Anna em "Zorra Total", além da Lucicreide, vivida por Fabiana Karla no mesmo programa.

Letícia Spiller diz que gostaria de fazer remake de 'Pantanal'

Letícia Spiller diz que gostaria de fazer remake de 'Pantanal'

A atriz Letícia Spiller, de 47 anos, afirmou neste sábado (10) que adoraria fazer parte do elenco da novela "Pantanal", que ganhará um remake na Globo em 2021. A revelação foi feita em entrevista a Ana Furtado em quadro do programa "É de Casa" (Globo).

As duas conversaram sobre jardinagem, e Letícia contou que passou os últimos meses em um sítio na região de Secretário, no município de Petrópolis (RJ). A propriedade fica próxima a cachoeiras, onde a atriz disse que vai se banhar todas as manhãs. Letícia mostrou as flores do jardim e disse que tem o hábito de pingar gotas de essência de lavanda no travesseiro toda noite.

Voltando à carreira, ela relembrou dois de seus papéis mais marcantes: Babalu, de "Quatro por Quatro" (Globo, 1994-1995), e Giovanna Berdinazzi, de "O Rei do Gado" (Globo, 1996-1997). "'O Rei do Gado' foi uma novela diferente, com esse clima rural", disse ela.

Desde o anúncio da Globo de que fará um remake de "Pantanal", várias especulações começaram a ser levantadas sobre o elenco. Na internet, nomes como o de Rafa Kalimann, Erika Januza, Lucy Alves e Giullia Buscacio foram sugeridos para interpretar a personagem Juma, vivido anteriormente por Cristiana Oliveira.

Tatá Werneck entrou na brincadeira e publicou que ela fará a nova Juma. "Gente! Aceitei o desafio de fazer Juma Marruá no remake de Pantanal. Ninguém sabe ainda. Quero fazer uma surpresa para a Globo. Vou chegar no primeiro dia de gravação pronta, e a produção que lute".

'The Voice Kids': campeão da quinta temporada será conhecido neste domingo (11)

'The Voice Kids': campeão da quinta temporada será conhecido neste domingo (11)

Neste domingo (11), pela última vez, Kauê Penna, Maria Eduarda Ribeiro ou Paulo Gomiz vão subir no palco da quinta temporada do “The Voice Kids”, da Globo. Somente um deles receberá, ao vivo, o troféu de campeão da edição, que será escolhido pela votação do público.

Para a grande final, cada um dos três competidores está preparando uma apresentação especial. Às vésperas da decisão, o coração dos três bate acelerado. Mas qual é a sensação de chegar à final do “The Voice Kids”?

“Uma sensação com um pouco de surpresa, porque eu não imaginava, nem lá no início, nem agora, que eu iria chegar na final do ‘The Voice Kids’. É uma felicidade imensa, porque foi uma surpresa para mim”, disse Kauê, de 14 anos, que representa o Rio de Janeiro. 

Para a catarinense Maria Eduarda, também de 14 anos, a sensação “é de euforia, de alegria, todos os sentimentos misturados”. “Isso está sendo a realização de um sonho para mim”, revelou a finalista. 

“É supergratificante. Poder realizar esse sonho, que sempre tive, é incrível. Me inscrevi, fui passando pelas fases e cheguei à final”, disse Paulo, também de 14 anos, de São Paulo. 

Os três finalistas do “The Voice Kids” também fizeram um balanço da temporada. “Cresci muito como artista”, afirmou Kauê. 
 
“O aprendizado que me marcou é que a gente nunca deve desistir dos nossos sonhos”, disse Maria Eduarda.
 
“O que eu vou levar para a minha vida são as amizades que criei no programa, as dicas de todos os técnicos”, contou Paulo. 
 
Show dos técnicos
 
Na final do “The Voice Kids”, além das apresentações dos três finalistas, o público vai poder curtir números preparados especialmente para a ocasião, com os técnicos Carlinhos Brown, Simaria e Mumuzinho. Simone, que está grávida, continua participando do programa remotamente.

Angélica sobre a maturidade: ‘É libertador falar o que eu penso’

Angélica sobre a maturidade: ‘É libertador falar o que eu penso’

Aos 46 anos, Angélica afirma que quer uma vida mais leve, feliz e sem amarras. Segundo ela, a maturidade trouxe mais segurança para ela, principalmente para expressar e opinar sobre o que pensa. Recentemente, a apresentadora virou notícia após participar de uma live de Sabrina Sato e afirmar que “vibrador é vida”. “Fiquei assustada com a repercussão porque eu falei de um vibrador. Tem muito machismo aí”, avaliou a loira. 

A apresentadora, que ficou famosa na TV por comandar programas infantis, contou que antigamente tinha muito medo de falar o que pensava com medo de influenciar as crianças e adolescentes que a acompanhavam. “Eu tinha um cuidado muito grande com o que eu ia falar, tinha medo de influenciar o meu público de maneira errada”, afirmou. Ela garante que hoje esse pensamento mudou graças à maturidade: “É libertador falar o que eu penso”. “A gente está em um momento que não dá para recuar, por isso não dá para me calar”, explicou ela, referindo-se à importância de a mulher ter lugar de fala na sociedade.  

Maternidade 

Angélica tem três filhos – Joaquim, de 15 anos, Benício, de 12, e Eva, de 8 –, frutos de seu casamento com o apresentador Luciano Huck. A maternidade, segundo ela, interferiu na carreira, mas não é algo de que ela se queixa. 

“Tive culpa por voltar a trabalhar; acho que é uma culpa que toda mãe carrega”, contou a apresentadora. Ela revelou que as viagens para gravar seu antigo programa, o “Estrelas”, eram sempre adaptadas para que ela pudesse levar os filhos. “Mesmo assim, eu tinha culpa”, frisou. 

 

Mesmo com a rotina de gravação, Angélica garante que nunca abriu mão de acompanhar de perto do crescimento dos filhos. “Com essa pausa (de dois anos fora da TV) tive a oportunidade de estar mais com eles, sem pressa, no dia a dia. É importante ter um momento com eles. Eu tentei ser a melhor mãe de todas”, garantiu. 

E se os filhos resolvessem seguir na carreira artística? Angélica tem a resposta na ponta da língua: “Eu vou estar do lado deles, assim como meus pais estiveram do meu. Eu vou dar conselhos como uma pessoa que viveu isso. Vou apoiá-los em tudo o que eles desejarem. Eu crio filhos para serem felizes, e assim que será”. 

Carreira 

Além de apresentadora, Angélica se lançou como cantora, fase que se iniciou quando ela tinha 12 anos e que ela decidiu encerrar aos 28. “Foi um desgaste muito grande nesse período, porque eu não parava, eu viajava muito. No final, eu já estava com um pouco de pânico, estava com estresse, sem vontade de subir no palco”, explicou ela. “Mas tenho boas lembranças desse período, tinha um lado gostoso, que era o carinho dos fãs, e eu aprendi muita coisa”, afirmou. 

 

Questionada sobre qual conselho a Angélica de hoje daria para a pequena Angélica, no início da carreira, diz: “Ô loirinha da pinta na perna, não tenha medo de arriscar, de se relacionar com as pessoas. Você vai conhecer muita gente, às vezes vai ter medo. Acredite nessas pessoas e se solte, você vai aprender muito com elas”.

Angélica volta à TV após pausa de dois anos: 'Período de muita reflexão'

Angélica volta à TV após pausa de dois anos: 'Período de muita reflexão'

“Eu comecei a trabalhar com 4 anos e não me lembro de outro período em que tive esse tempo”, contou Angélica, 46, referindo-se aos dois anos em que esteve fora do ar, desde o fim do “Estrelas”, em 2018 – atração que ela comandou por 12 anos, na Globo. “Foi uma pausa de muita reflexão”, avaliou a apresentadora, que aproveitou a temporada longe da TV para descansar e também para participar do desenvolvimento de seu novo projeto, o “Simples Assim”, que estreia neste sábado (10), às 15h, na Globo – a atração vai ao ar antes do “Caldeirão do Huck”, programa apresentado por Luciano Huck, marido da loira. 

“Eu estava vivendo um momento muito bom nesse período de pausa”, disse Angélica, em entrevista realizada pelo aplicativo Zoom. “Eu estava me curtindo, curtindo os meus filhos, o meu marido… e isso fez com que a nossa relação melhorasse muito! Foi um momento de autoconhecimento também. Eu estava muito bem, foi algo muito importante para mim”, revelou ela, que é mãe de Joaquim, de 15 anos, Benício, de 12, e Eva, de 8.  

A apresentadora contou que o acidente de avião que sofreu com a família, em 2015, foi um dos fatores que levaram a esse período de reflexão e autoconhecimento. “Logo após o acidente, comecei a me questionar sobre muitas coisas; eu tive crise de pânico”, relembrou. “Eu passei, então, a me espiritualizar mais”, disse ela, que também citou a meditação e a ioga como atividades que a ajudaram nesse processo. “Eu superei com o apoio da minha família, e essa superação está vindo nesse programa”, frisou ela. 

Feliz por estrear o “Simples Assim”, Angélica revelou que não sentiu pressa nem ansiedade para voltar à TV à frente de uma nova atração. “Quando o programa foi nascendo é que foi me dando vontade de voltar”, explicou Angélica, que ressaltou que não se importava com as notícias que diziam que ela estava na “geladeira” da Globo. “Eu estava vendo tudo de camarote e via a alegria dos meus fãs, que queriam que eu voltasse. Isso para mim também é uma alegria”, destacou.  

Histórias compartilhadas 

O que é a felicidade? “Para mim, é viver cada momento, não ter ansiedade do futuro nem viver o saudosismo do passado; é estar inteiro no presente. A felicidade está no agora! Eu estou cada vez mais nessa de viver cada momento, pois cada momento é importante”, respondeu Angélica.  

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Vamos ouvir, falar... rir e se emocionar! A vida é isso🌟 O #simplesassim é isso 🌟 #10deoutubro

Uma publicação compartilhada por @ angelicaksy em

A busca da felicidade será tema central de reflexão dos 12 episódios do “Simples Assim”. Mas a apresentadora faz questão de ressaltar que o programa não trará uma resposta pronta para as pessoas. O intuito é ajudá-las a percorrer esse caminho, cada um à sua maneira. Cada programa vai falar de temas como fé, vaidade, amor, dinheiro e família. E esses assuntos serão abordados por meio de histórias de pessoas, anônimas e famosas, convidando o público a refletir sobre a questão. Esses relatos serão feitos por meio de esquetes de humor, entrevistas ou das dinâmicas com os convidados no palco. 

“O conteúdo é muito pertinente e já era muito necessário antes da pandemia. O que estamos vivendo agora (a pandemia do novo coronavírus) só veio jogar mais luz e antecipar sentimentos que o programa despertaria. Antes, as pessoas iam descobrir que precisavam falar desses assuntos. Agora, elas já perceberam e querem”, garantiu Angélica.   

Ela destacou que o programa vai tratar de vários temas que repercutem na sociedade, mas que o objetivo não é polemizar. “Vamos abordar os assuntos de uma maneira que faça as pessoas refletirem. O programa vai falar de coisas que interferem na vida as pessoas, mas de maneira leve”, pontuou. 

“Em ‘Simples Assim’ sou uma ouvinte, uma aprendiz, dividindo e vivenciando tudo junto com o público. Depois de tanto tempo na televisão, me deu vontade não só de divertir, fazer rir, mas de provocar reflexão, fazer companhia, dar a mão e falar: ‘Todo mundo pode passar por isso’. Sem dúvida nenhuma, abordar determinados assuntos ajuda. Só de você conversar e perceber que tem alguém que vive mais ou menos a mesma questão que você já é uma cura”, pontuou a apresentadora, que destacou que temas foram escolhidos com base em muita pesquisa.  

 

“É um programa de trocas, é sobre você olhar o outro com carinho, e não julgar”, disse a apresentadora, que ressaltou que o programa não terá relatos de sua vida e que nem tem a pretensão de dar conselhos para as pessoas. “Quem sou eu para ensinar alguma coisa a alguém?”, frisou. 

Versão atriz 

Além de apresentar o “Simples Assim”, Angélica vai atuar nos esquetes do programa. A apresentadora contou que a ideia de mostrar seu lado atriz partiu dela. “Eu gosto muito de atuar, me divirto fazendo isso. Então eu trouxe esse meu lado atriz gaiata maluca”, disse a artista, que vai aparecer acompanhada de outros famosos, como Paulo Gustavo, Fábio Porchat, Suzana Pires, Ingrid Guimarães e Danton Mello. No programa de estreia, a loira contracena com Marcos Caruso, João Côrtes, Welder Rodrigues e Luís Miranda. 

Gravando! 

O “Simples Assim” estava previsto para ir ao ar no primeiro semestre deste ano. Por causa da pandemia, a estreia foi adiada, e as gravações, suspensas. Os trabalhos foram retomados em setembro, seguindo o protocolo de segurança estabelecido pela Globo. “Nos programas que gravamos antes da pandemia, a gente estava mais próximo das pessoas”, contou Angélica. “Agora, tem menos pessoas no palco, e estamos cumprindo as regras de distanciamento; teremos mais participação de convidados pelo telão; e alguns quadros que eram na rua, tivemos que adaptar e trazer para o estúdio”, explicou a loira.  

A primeira temporada do “Simples Assim” fica no ar até dezembro. Questionada se o programa terá uma segunda temporada, Angélica respondeu: “Ainda não programamos, pois estamos focados na primeira ainda. Mas com certeza temos tema para continuar”.