Compartilhar:
Enviar por e-mail
Imprimir
Rádio Super
avatar
Li e aceito os termos de utilização
Cadastre-se para poder comentar
Fechar

BABADO!

Suposta foto de Pedro Scooby em ação com outro homem está dando o que falar
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
carregando
Log View

Menina nem te conto

Em 'A Fazenda', Jojo coloca Rodrigo contra a parede: 'O que você está querendo?'

Em 'A Fazenda', Jojo coloca Rodrigo contra a parede: 'O que você está querendo?'

Jojo Todynho mostrou, mais uma vez, que não é de levar desaforo para casa. A funkeira ficou intrigada com as “brincadeiras” de Rodrigo Moraes para cima dela em “A Fazenda 12” - nos últimos dias, ele, que é o Fazendeiro da semana, tem demonstrado muito carinho pela colega de confinamento. E nesta terça-feira, durante o café da manhã, ela colocou o peão contra a parede. "O que você está querendo? Ontem tirou as cuecas e jogou tudo para cima de mim, agora isso?", questionou a cantora. 

"Isso não é normal. Más línguas dizem que você está interessado na minha pessoa, eu quero saber", afirmou a artista. "Não posso ser cordial?", perguntou Moraes. "Não, tem mais do que cordialidade aí", observou Jojo. 

“É carinho de irmão, eu sou protetor", respondeu o apresentador. "Mentira! Isso é culpa sua", disse Jojo, se dirigindo à Stéfani Bays. "Você que mandou ele dormir na sua cama, do lado da minha. Sabe o que ele fez? Tirou a roupa, jogou para cima de mim, ficou ajeitando a cueca embaixo da coberta", contou a funkeira. Vale lembrar que, durante o programa, Jojo chegou a brincar que desejava Rodrigo por considerá-lo atraente.

 

 

Reprise de ‘Haja Coração’ ganha data de estreia na Globo

Reprise de ‘Haja Coração’ ganha data de estreia na Globo

A história da engraçada feirante Tancinha (Mariana Ximenes) já tem data para voltar ao ar. A Globo confirmou que a reprise de “Haja Coração” será exibida a partir do dia 12 de outubro, na faixa das 19h, substituindo “Totalmente Demais”, cujo último capítulo vai ao ar no dia 9 de outubro, com reexibição no dia 10.

Escrita por Daniel Ortiz, “Haja Coração” foi ao ar, pela primeira vez, em 2016, trazendo uma releitura de “Sassaricando” (1987), de Silvio de Abreu - atualmente em reprise no canal Viva -, com personagens inéditos, contextos e tramas diferentes da obra original. Ortiz comemorou o retorno do folhetim. “Fiquei surpreso e ao mesmo tempo bastante honrado pela novela ter sido escolhida”, contou.

Pela primeira vez no papel de espectador, o autor revelou que terá a oportunidade de rever um trabalho seu. “Amadureci muito com este trabalho e fui feliz escrevendo para os personagens icônicos do Silvio, personagens que marcaram a minha infância. Foi uma experiência incrível”, recordou. “É uma novela alegre, divertida, leve, cheia de romances...”, analisou.

A história gira em torno de Tancinha, que vai ver seu coração “divididinho” entre o vizinho Apolo (Malvino Salvador), seu amor de infância, e o publicitário Beto (João Baldasserini), que surge em sua vida disposto a conquistá-la. A confusão aumentará ainda mais quando a irmã de Beto, Tamara (Cleo Pires), se interessar pelo caminhoneiro Apolo.

Também estão no elenco de “Haja Coração” os atores Marisa Orth, Jayme Matarazzo, Chandelly Braz, Sabrina Petraglia, Grace Gianoukas, Alexandre Borges, Tatá Werneck e Malu Mader, entre outros.

 

Fátima Bernardes perde a voz e é substituída às pressas por Patrícia Poeta

Fátima Bernardes perde a voz e é substituída às pressas por Patrícia Poeta

Patrícia Poeta, 43, foi chamada às pressas para substituir Fátima Bernardes, 58, no comando do programa "Encontro" (Globo), da manhã desta terça (22). A mudança foi necessária, segundo a substituta, porque Fátima perdeu a voz com a virada do tempo no Rio.

"Ontem (21), no fim da noite a Fátima perdeu a voz por causa dessa mudança de tempo. E hoje, então, vim rapidinho para fazer companhia para você que está em casa. Amanhã (23), se Deus quiser, a Fátima volta", disse Poeta.

Emilio Dantas e Fabiula Nascimento dizem ser 'imbatíveis como casal' após série

Emilio Dantas e Fabiula Nascimento dizem ser 'imbatíveis como casal' após série

Apesar dos currículos extensos, Fabiula Nascimento, 42, e Emilio Dantas, 37, afirmam que a maior aventura da suas carreiras foi gravar cenas de uma série em casa. O envolvimento com câmera, enquadramento e foco, além da interpretação, fez com que eles crescessem, inclusive como casal.

O público poderá vai ver o resultado nesta terça-feira (22) em mais um episódio de "Amor e Sorte" (Globo).

De acordo com eles, foi uma delícia poder conduzir toda a gravação, já que a direção era remota. "Não foi difícil, foi muito novo e prazeroso, uma grande descoberta. Mas confesso que tive medo de ter uma pane tecnológica e a gente perder um dia de trabalho", conta Fabiula. Devido à pandemia, eles receberam um caminhão em casa com todos os equipamentos devidamente higienizados.

Na trama, o casal na vida real dá vida a um casal em meio a uma crise, prestes a se separar. Porém, eles se deparam do dia para a noite com a pandemia do novo coronavírus, o que faz com que precisem se suportar mais um tempo sob o mesmo teto. As reflexões a partir disso, sobre como direcionamos o olhar para dentro de nós mesmos e de nossas relações, têm muito a ver com os dias atuais.

"Tudo fica muito misturado. Estamos há cinco meses nessa loucura. A gente olha para dentro da gente. Nesse tempo todo, nós refizemos nossos caminhos, repensamos, piramos, conversamos sobre diversos temas, dos desejos, do futuro próximo. E, claro, colocamos em prática esse episódio de 'Amor e Sorte'. Descobrimos que somos imbatíveis e maravilhosos como casal", conta a atriz.

Até mesmo os cachorros do dois fazem uma ponta no episódio. Partiu deles mesmos a ideia de incluir os animais, algo que foi incentivado pelas autoras Adriana Falcão e Jô Abdu. Ambos também pintaram uma tela especialmente para o episódio. O capítulo promete emocionar, como diz o idealizador do projeto Jorge Furtado. "O humor é uma espécie de cura para a cabeça e nos ajuda a não enlouquecer."

Além de tudo isso, a oportunidade de manusear a câmera alimentou a vontade dos dois de trabalhar atrás dos holofotes. Fabiula já teve a chance de ser assistente de direção durante um de seus filmes, rodado no Tocantins, e agora gosta da ideia de seguir esse caminho. "Queremos fazer um documentário com os velhinhos do nosso condomínio sobre a história de vida deles. Empolgamos", conta ela.

Paranoias da quarentena

A quarentena de Emilio Dantas e Fabiula Nascimento tem sido agitada. De acordo com eles, as conversas e o tempo livre possibilitaram momentos únicos. "Um dia começamos a ver luzes às 3h na Pedra da Gávea e achamos que eram extraterrestres. Fomos pesquisar e descobrimos que eram pessoas com lanternas. Olha só. Tivemos muito tempo para ir da tristeza à loucura, do medo às gargalhadas", recorda Fabiula.

Já Emilio também conta ter tido suas paranoias, principalmente devido às preocupações com o coronavírus. "Certa vez eu fui buscar uma comida e dei um soquinho na mão do entregador. E a partir daquele momento eu pirei. Quase chorei. Pensei: 'por que eu fiz isso?'", lembra.

Além disso, o ator conta que durante algum tempo resgatou o figurino de um antigo personagem para ir à rua. "Durante dois meses os vizinhos me viram sair de casa vestido como Beto Falcão (cantor de axé de 'Segundo Sol', Globo, 2018). Ele tinha vários macacões que cobriam até o pescoço e com mangas longas. Era perfeito para sair de casa com aquilo", diverte-se.

Fora as neuras, Dantas afirma que eles evoluíram como casal. Tanto pela quarentena quanto pela maior convivência e oportunidade de trabalhar juntos. "Agora estamos mais abertos a conversar dentro do universo um do outro. O mais difícil é lembrar o cérebro que não estamos em condições normais, que passamos por uma fase na qual não devemos nos cobrar coerência ou crítica, medos e anseios".

Para Fabiula, tem sido complicado ficar longe de familiares e de amigos. Mas o jeito é segurar a barra e torcer para tudo passar logo. "Na pandemia, um dia estamos grandes e no outro estamos pequenos, e assim vamos nos equilibrando. Não podemos achar que tudo está normal."

Mais episódios independentes

A série "Amor e Sorte" foi criada como uma opção para manter produções inéditas mesmo as restrições impostas pela pandemia. Assim, a Globo recrutou artistas que estavam juntos nesse período de isolamento social. Entre eles estão as atrizes Fernanda Montenegro e Fernanda Torres, mãe e filha na vida real, e o casal Caio Blat e casal Lázaro Ramos e a esposa, Taís Araújo, casados na vida real.

"A ideia surgiu da necessidade de inventar. Lembrei que têm vários atores que estavam quarentenados juntos por serem casados ou por serem família. É um jeito de enfrentar esse momento com mensagem positiva de histórias que falam desse momento triste, mas ao mesmo tempo com esperança", reforça o supervisor de texto da série, Jorge Furtado.

Outro casal recrutado para a série o formado pelos atores Caio Blat e Luisa Arraes, que protagonizam o episódio da próxima semana, com texto deles próprios e de Jorge Furtado, falando sobre um relacionamento que começa exatamente quando as pessoas precisam entrar em confinamento.

‘A Fazenda 12’: Quem você quer ver na segunda Roça da temporada? Vote!

‘A Fazenda 12’: Quem você quer ver na segunda Roça da temporada? Vote!

A 12ª edição de “A Fazenda” completa duas semanas no ar, e o clima no reality está pegando fogo! Afinal, a cada um mergulho surge uma nova treta - para a alegria dos telespectadores e também da RecordTV, já que a temporada tem registrado bons índices de audiência.

E nesse clima de muita harmonia - só que não - dentro de “A Fazenda” é que os peões vão escolher, na noite desta terça-feira (22), os quatro confinados que vão formar a Roça da semana.

Dos 19 moradores da sede, dois estão imunes - Rodrigo Moraes, que é o Fazendeiro da Semana, e Juliano Ceglia, que venceu a segunda Prova de Fogo. 

Enquanto não chega a hora da votação, os peões seguem discutindo, entre seus grupos, em quem vão votar, e elaborando estratégias. É “fogo no feno”, como diz o apresentador Marcos Mion.

E você, gostaria de ver qual peão na segunda Roça de “A Fazenda 12”? Vote na nossa enquete.  

 

 
‘A Fazenda 12’: Quem você quer ver na segunda roça da temporada?
Biel
Carol Narizinho
Jakelyne Oliveira
Jojo Todynho
JP Gadêlha
Lidi Lisboa
Lipe Ribeiro
Lucas Cartolouco
Lucas Maciel
Luiza Ambiel
Mariano
Mateus Carrieri
Raissa Barbosa
Stéfany Bays
Tays Reis
Victória Villarim
MC Mirella
 
 
 
 
 
 
Created with PollMaker

Ana Maria Braga revela que caiu da escada e quebrou o braço ao fugir de assédio

Ana Maria Braga revela que caiu da escada e quebrou o braço ao fugir de assédio

Em entrevista ao "Roda Viva" (Cultura), na noite desta segunda (21), Ana Maria Braga, 71, fez revelações sobre a sua trajetória na TV e o assédio que sofreu de um diretor, lembrou da relação difícil com o seu pai, que não queria que ela estudasse, e falou também da volta das gravações do "Mais Você" para São Paulo.

Entre outros assuntos, a apresentadora disse ainda que não se imagina parando de trabalhar. "De jeito nenhum. Eu adoro o que faço. Então é um prazer tão grande, porque vou me furtar desse prazer que tenho?! A não ser que alguém chegue e diga: 'Chega, não tem mais espaço para você, está gagá'", afirmou, aos risos.

Sobre a situação de assédio, Ana Maria não citou nomes. Disse que aconteceu quando ela foi apresentar a um diretor uma proposta de uma atração para a TV brasileira. "Fiz um projeto lindo, fiquei 15 dias trabalhando no projeto, acreditando que pudesse sair do programa da tarde e ter um programa à noite. Ele tinha me dito 'você pode ser a Hebe Camargo amanhã'", contou.

"Ele me olhou, levantou da mesa e veio para cima de mim. Fiquei estupefata. Ele falou 'venha cá'. Eu fugi, saí da sala dele com tanto ímpeto, que tinha uma escada, despenquei da escada do nono andar até o oitavo andar, que era o departamento comercial. Quebrei o braço", completou.

Na época, a apresentadora disse que denunciou o assédio na empresa em que trabalhava, mas o diretor não recebeu qualquer punição. Questionada se gostaria de dar nomes aos envolvidos na situação, ela disse que não. "Não há necessidade. Todo o mundo já percorreu o seu caminho."

Anos depois, Ana Maria contou que encontrou esse diretor em um restaurante de São Paulo, e que ele conhecia a pessoa que estava com ela. "O cara parou e cumprimentou (o empresário que estava ao lado dela). E quando olhou para mim, baixou o olho e se mandou", disse.

Ela também afirmou que acredita que o mundo "está mudando" em relação ao assédio sexual e moral. "Aqui em São Paulo, na década de 1970, quase 1980, antes da Tupi quebrar e fechar, sem dúvida nenhuma, tinham diretores, não só de TV, mas de empresas, de rádio, jornal, e máquina de fazer parafuso. Qualquer coisa onde a mulher trabalhasse, e ainda mais no mercado de audiovisual, porque era novo e glamourizado, sem dúvida nenhuma existiam [casos de assédio]. Acho que o mundo está mudando com relação a isso", disse.

Briga com o pai

Ana Maria Braga se emocionou ao relembrar dos conflitos com o pai. A apresentadora contou que queria estudar, mas ele não permitia. Por causa disso, ela fugiu de casa e foi pedir abrigo para uma tia, que morava em outra cidade.

"Quando eu nasci ele tinha 62 anos, ele era um italiano muito bravo, andava armado, de chapéu, terno de linho. Chegou lá (na casa da tia) com um 38 dizendo: 'Você vai embora'", disse. A apresentadora conta que voltou, mas insistiu em estudar. O pai, então, disse que ela não contaria com o apoio financeiro dele.

Diante dessa situação, Ana Maria afirmou que teve de começar a trabalhar cedo e isso a fez amadurecer. No entanto, ela não conseguiu se reconciliar com o pai. Cerca de seis meses depois, quando ela buscou contato, ele já estava com Alzheimer. "Quando eu voltei lá, ele nunca mais me reconheceu", disse ela, emocionada.

Volta para São Paulo

Na entrevista, a apresentadora falou também sobre o retorno das gravações do "Mais Você" para São Paulo. Segundo ela, a volta da sede da atração à capital paulista é negociada com a Globo há mais de um ano. Apesar de todas as especulações que surgiram na mídia que o programa poderia acabar, Ana Maria disse que isso nunca a abalou.

"Agora, por exemplo, quando começaram a falar que eu não voltava mais, eu sabia exatamente o que foi tratado e qual seria o futuro. Há um ano a Globo estava se preparando comigo sobre a volta para São Paulo. É minha casa, eu não tive insegurança de dizer que precisava procurar outra emissora. É uma especulação, não me atinge, eu estou fazendo projeto. Como é que eu posso ficar insegura? Nunca teve isso, só acontece fora, comigo não", afirmou.

Ron Cobb, criador do DeLorean de 'De Volta para o Futuro', morre aos 83 anos

Ron Cobb, criador do DeLorean de 'De Volta para o Futuro', morre aos 83 anos

Morreu na Austrália, aos 83 anos, o cartunista Ron Cobb, o homem responsável por adaptar para os cinemas o carro DeLorean do filme "De Volta para o Futuro" (1985).

De acordo com o site The Hollywooh Reporter, ele morreu nesta segunda-feira (21), no dia de seu aniversário, por demência corporal de Lewy. Ele deixa uma esposa e um filho.

Além de ser o cara do projeto do longa, Cobb ainda foi o responsável por desenhar objetos para "Star Wars" (1977) e cenários de "Conan, o Bárbaro" (1982). Ele também ficou muito amigo de Steven Spielberg e virou uma espécie de consultor dele em "E.T" (1982).

Para transformar o DeLorean em uma máquina do tempo, o designer e cartunista teve a ideia de fazer com que parecesse que ele havia sido feito em casa, como se o Doc Brown de Christopher Lloyd reunisse peças do Radio Shack. O projeto inicial foi aprimorado pelo ilustrador de produção Andrew Probert.

Alok e Romana Novais anunciam nome da filha que esperam

Alok e Romana Novais anunciam nome da filha que esperam

O casal Romana Novais e o DJ Alok anunciou na noite desta segunda-feira (21) que o nome da filha que esperam será Raika.

Em vídeo publicado pelas redes sociais, eles explicaram a origem do nome. "Bonita (de origem espanhola) e deusa do vento (sânscrito). Filha, você já chegou me permitindo sentir as melhores emoções", escreveu Romana ao narrar o vídeo com Alok. "Apaixonada por esse nome. Lindo, marcante, forte, diferente e com significado", pontuou ela.

Apenas seis meses após o nascimento de Ravi, o casal Alok e Romana Novais anunciavam a gravidez em julho. Segundo eles, a tendência é que a chegada da próxima criança seja no mesmo dia do primogênito.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

O amor não se divide, ele se multiplica ❤️ Raika

Uma publicação compartilhada por Alok (@alok) em

"Ravizinho foi promovido a irmão mais velho. Muito desejado(a), tínhamos o sonho de que as crianças tivessem pouca diferença de idade, mas não imaginei que Deus planejaria tão perfeitamente ao ponto da data prevista para a chegada do próximo bebê ser no mesmo dia do nascimento do Ravi. Estamos com o coração cheio de amor e explodindo de felicidade", disse a médica.

Também pelas redes sociais, o DJ Alok brincou sobre a situação. "Esse é o resultado da nossa quarentena", disse. "Foi feito (o bebê) no dia da live. A energia da live perdurou a noite inteira. E essa luz vai permanecer pelo resto de nossas vidas", pontuou.

Atriz de 'Matilda' relembra os traumas de ser um astro mirim em Hollywood

Atriz de 'Matilda' relembra os traumas de ser um astro mirim em Hollywood

Aos 9 anos de idade, Mara Wilson se envolveu numa briga e ouviu, da porta de seu quarto, a seguinte frase: "Gritar com você? Eu vou até aí e vou te dar uma surra! O que eu tenho que fazer para ganhar respeito por aqui?".

Poderia ser só uma discussão familiar protagonizada por um pai agressivo, mas tudo não passava de ficção. Assim que o autor daquelas palavras irritadas avançou em direção à pequena, sua porta se fechou, como num passe de mágica.

Pouco depois, vemos ela dançando enquanto diversos objetivos flutuam ao seu redor. A cena se tornou uma das mais famosas de "Matilda", sucesso do cinema infantil que ajudou Wilson a se estabelecer como um dos rostos mais conhecidos dos anos 1990, apesar da pouca idade.

Ela já havia feito sua estreia no cinema três anos antes, em outro grande sucesso, "Uma Babá Quase Perfeita". E foi atrás de câmeras e refletores que Wilson, atualmente com 33 anos, passou boa parte da sua infância. Ela é uma das hoje envelhecidas estrelas mirins que aparecem em "Showbiz Kids", documentário da HBO dirigido por Alex Winter - ele próprio um antigo "showbiz kid".

"Eu tive ótimos momentos filmando 'Matilda' e uma coisa boa do filme é que havia muitas crianças ao redor. Quando crianças se juntam, elas conseguem vivenciar mais as alegrias da infância. E no set eu me sentia muito encorajada a aprender", diz Wilson em entrevista por videoconferência.

Mas "Showbiz Kids" também mostra o lado negativo de ser uma criança em Hollywood. A partir de uma série de entrevistas, a produção aborda os traumas que uma exitosa e precoce carreira na atuação pode trazer, tocando em temas que vão do bullying na escola até abuso sexual.

Para Wilson, que já escreveu um livro sobre sua carreira, existem muitas ideias erradas sobre ser um astro mirim. Segundo a atriz, as pessoas não entendem que há um lado ruim dessa exposição e que nem tudo é tão glamoroso quanto parece.

"Eu queria discutir essa questão no meu livro e agora no documentário, e combater essas ideias, porque precisamos mostrar para as pessoas como realmente é viver essa vida. Há muito mal entendido em relação a isso", diz.

No caso da atriz, a parte negativa de trabalhar tão cedo veio com a exposição e a maneira como a mídia e o público se referiam a ela. Os sets eram divertidos e seus pais tentavam manter a normalidade quanto à sua fama, mas o mundo exterior, diz ela, era hostil para alguém ainda tão jovem.

"Eu acho que muito da minha experiência negativa veio com a fama e as expectativas que ela traz. Eu não cheguei a ser sexualizada, mas isso acontece com muitos atores mirins conforme eles crescem", afirma.

"Quando eu cheguei à adolescência, eu já não era fofa, então isso acabou sendo algo bom, porque eu não passei por essa fase de pressão pela qual muitas crianças, especialmente as meninas, passam em relação a serem sexualizadas. Mas eu me senti, sim, muito insegura, porque muitas pessoas achavam que era normal me dizer que eu era feia ou estranha naquela idade."

Além de Wilson, também aparecem no longa nomes como Evan Rachel Wood, Milla Jovovich, Wil Wheaton, Jada Pinkett Smith e Henry Thomas, o garotinho de "E.T.: O Extraterrestre". Alguns deles foram bem-sucedidos na transição da infância para a vida adulta enquanto atores, mas outros estão mais distantes dos holofotes, como a protagonista de "Matilda".

Outra presença notável no documentário é a de Cameron Boyce, estrela da Disney que morreu no ano passado, aos 20 anos, após uma convulsão durante o sono. É justamente dele que parecem vir as palavras mais gentis e entusiasmadas sobre aquele mundo cinematográfico que cerca os artistas entrevistados.

Ele, um dos rostos mais jovens de "Showbiz Kids", é de uma geração que cresceu em um ambiente mais seguro, de acordo com Wilson. A estrela de "Matilda" acredita que hoje em dia as crianças estão menos expostas a riscos nos sets de filmagem, também graças ao MeToo.

"Eu acho que hoje as coisas estão diferentes e eu acho que estamos mais cientes dos perigos agora, porque há muita gente que pode se aproveitar de crianças e coisas horríveis podem acontecer", diz. "Atualmente as crianças estão mais protegidas que nos anos 1980 e 1990."

"Showbiz Kids" vai a fundo nesse cenário contemporâneo ao acompanhar atores mirins de hoje e segue, por exemplo, uma família da Flórida que vai a Los Angeles para tentar abocanhar um papel para o filho em alguma série de televisão. Mas o garoto nem sempre parece contente com os inúmeros testes que faz. Para eles, Wilson tem um recado.

"Atores mirins deveriam estar no ramo porque querem, por causa da experiência artística ou porque gostam de imitar personagens. Mas quando deixa de ser uma diversão, eles deveriam pular fora. Há vários esquemas para pais enriquecerem com isso e eu entendo que há muitas pessoas que querem ser famosas ou ricas, eu entendo o apelo. Mas atuar durante a infância deve ser algo feito por amor."

Ela já questionou o quanto de amor estava envolvido em sua carreira infantil. Wilson explica que, durante certo tempo, se arrependeu de ter alcançado a fama ainda tão jovem – mas que, hoje, ela tem boas memórias do período.

"Houve dias em que eu me arrependia de ter sido uma estrela mirim, mas hoje não mais. Eu tive boas experiências, pude interpretar a Matilda, que é uma personagem que eu amo, e, num nível mais prático, juntei dinheiro para pagar minha faculdade e viajei o mundo."

SHOWBIZ KIDS
Onde: Disponível na HBO Go
Classificação: 14 anos
Produção: EUA, 2020
Direção: Alex Winter

Band confirma 'MasterChef Celebridades' e 'Grande Final' para este ano

Band confirma 'MasterChef Celebridades' e 'Grande Final' para este ano

A Band anunciou nesta segunda-feira (21) que fará uma edição do "MasterChef Celebridades" e ainda "A Grande Final", que trará todos os campeões dos episódios do reality show culinário na sétima temporada. Erick Jacquin também terá um novo programa, o Minha Receita.

Ainda sem os participantes divulgados, o "MasterChef Celebridades" vai ao ar em 23 de dezembro, uma quarta-feira, como um especial.

O "MasterChef: A Grande Final", por sua vez, vai ao ar na terça-feira, 29 de dezembro. "O programa trará de volta os 24 vencedores da temporada deste ano em uma emocionante disputa que vai eleger o MasterChef Supremo 2020", informa a Band.

Nas quintas-feiras, a partir de 8 de outubro, Erick Jacquin estará à frente do "Minha Receita", às 22h45.

'Foi bastante provocativo', diz Carol Duarte sobre interpretar personagem trans

'Foi bastante provocativo', diz Carol Duarte sobre interpretar personagem trans

Com o fim da reprise de "Fina Estampa", a novela que assume o horário nobre da Globo a partir desta segunda-feira (21) é "A Força do Querer", de 2017. A atriz Carol Duarte, de 29 anos, que interpretou Ivana (Ivan, personagem trans) na trama de Glória Perez participou do programa "Encontro com Fátima Bernardes" na manhã de hoje.

Carol contou para Fátima Bernardes que se surpreendeu com a reestreia do folhetim, que foi seu primeiro trabalho na televisão, e que por isso o guarda com muito carinho. "Foi muito especial, é um tema muito importante e necessário a ser dito", comentou sobre seu papel de uma pessoa transgênera.

Segundo a atriz, ela também passou por um processo de descoberta quando a personagem, que ao fim da trama passa a se identificar com o gênero masculino. "Pra mim, foi bastante provocativo, eu estava muito 'enfiada' no tema. Estudei muito, fiz pesquisa, conversei com muitos garotos."

Carol Duarte disse que uma das maiores surpresas com Ivana/Ivan foi a aceitação do público. "As pessoas não sabiam exatamente quem era a personagem, mas ao longo da novela foram torcendo pela sua história. Fiquei muito comovida. Não só eu, mas todo o núcleo."

A atriz também contou como foi sua primeira experiência nos sets de filmagens, já que antes estava acostumada apenas com os palcos de teatro. "Eu não sabia o que era um set de filmagem, não tinha experiência. Sempre agradeço aos meus colegas que me ensinaram tanto", concluiu.

André Marques diz que fãs mais novos verão outra faceta com volta de 'Malhação'

André Marques diz que fãs mais novos verão outra faceta com volta de 'Malhação'

Quem nasceu nos anos 2000 pode não saber, mas André Marques, 40, fez parte do elenco que inaugurou a franquia "Malhação" na Globo. Em 1995, ele foi lançado à fama como o inesquecível Mocotó, um garoto mulherengo e que vivia metido em confusão.

O personagem fez tanto sucesso que sobreviveu a três mudanças de elenco, além de ter retornado como protagonista da 5ª temporada (1998-1999) e em participações especiais depois. Ele só é superado por Cabeção (vivido por Sérgio Hondjakoff), que apareceu em seis temporadas.

Como homenagem aos 25 anos da franquia, o canal pago Viva vai exibir a partir desta segunda-feira (21), às 16h, toda a primeira temporada da novela teen da Globo. Para o hoje apresentador, será uma chance de um novo público descobrir uma faceta diferente do trabalho dele.

"Com certeza estou ansioso para rever o Mocotó", disse em entrevista à "Folha de S.Paulo". "Desde que o Viva começou (em 2010), eu recebo muitos pedidos de pessoas que querem rever a nossa 'Malhação'. Quando eu soube que ia reprisar, fiquei muito feliz."

"Vai ser engraçado ver a reação da galera mais nova", confessou o apresentador do "The Voice Kids". "Vira e mexe um deles encontra algo na internet e me fala: 'Vi você novinho e cabeludo'. É, o tempo passa (risos)."
Apesar de a nostalgia ser grande, ele afirma que está plenamente satisfeito com a função atual. "Eu não tenho muita vontade de voltar a trabalhar como ator, não", afirma. "Posso até fazer uma ou outra coisa específica e diferente, mas é só."

Mesmo com uma vida pública que tem o mesmo tempo da franquia "Malhação", o apresentador conseguiu manter a intimidade relativamente longe dos holofotes. Ele diz que não foi uma decisão pensada."Aconteceu naturalmente", afirma.

"Eu entendo que as pessoas querem saber com quem você namora, mas eu sempre preservei todas as minhas namoradas. A minha ex é veterinária, então você acaba expondo a vida de uma pessoa que não tem nada a ver com aquilo. Hoje eu namoro com uma atriz (Sofia Starling, de 'Malhação - Seu Lugar no Mundo'), que tem mais entendimento disso. Mas eu mostro minha casa, meus cachorros, minha loja, coisas que eu sei que não vão atrapalhar."

Como tudo começou

Além de Mocotó, a primeira temporada de "Malhação" tem uma série de personagens que viraram febre na época da exibição original.

Escrita por Márcia Prates, Andrea Maltarolli, Emanuel Jacobina, Patrícia Moretzsohn e Vinícius Vianna e com redação final de Charles Peixoto, a trama principal é centrada em Héricles (Danton Mello), um estudante do interior que chega ao Rio e vai trabalhar na academia Malhação (sim, é daí que vem o nome!).

Lá, ele conhece a bailarina Bella (Juliana Martins), por quem se apaixona. Porém, ela namora o lutador de jiu-jitsu Romão (Luigi Baricelli), que não gosta nada da aproximação entre os dois. Mas ele não é o único no caminho dos mocinhos. Juli (Carolina Dieckmann), que também está interessada por Héricles, também faz de tudo para atrapalhar o casal.

Outros grandes destaques da novela foram a paixão platônica de Luiza (Fernanda Rodrigues), filha da dona da academia, pelo professor de jiu-jitsu Dado (Cláudio Heinrich) e o namoro cheio de idas e vindas de Tainá (Ana Paula Tabalipa) e Léo (Pablo Uranga).

Além disso, havia tramas mais adultas, como as vividas pela dona da academia, Paula (Sílvia Pfeifer), e pelos experientes Nabuco (John Herbert) e Olga (Nair Bello), e mais pré-adolescentes, com as aventuras de Fabinho (Bruno de Lucca) e Bróduei (Fabiano Miranda).

Virou moda na época

Tudo no folhetim adolescente virou moda desde que ela foi lançada em 24 de abril de 1995. Das músicas da trilha sonora (a abertura era "Assim Caminha a Humanidade", de Lulu Santos), passando pelos cabelos dos personagens, e as roupas de ginástica. Até mesmo a cultura de frequentar academias se difundiu com mais força pelo país.

Ao longo dos 25 anos seguintes, a novela se transformou. A academia virou colégio, mas ainda estão lá os triângulos amorosos, as paixões não correspondidas e outras tramas que fazem sucesso até hoje. Trata-se do produto de dramaturgia mais longevo da TV brasileira.

Além dos nomes da primeira temporada, passaram pelo elenco iniciantes que depois viraram estrelas da Globo, como Cauã Reymond, Sophie Charlotte, Débora Falabella, Daniel de Oliveira, Alice Wegmann, Fernanda Vasconcellos, José Loreto, Juliana Paiva e Nathalia Dill, entre muitos outros.

Stênio Garcia reclama de 'implicância' de Silvio de Abreu na Globo

Stênio Garcia reclama de 'implicância' de Silvio de Abreu na Globo

O ator Stênio Garcia fez críticas ao autor Silvio de Abreu, diretor de dramaturgia da Globo, insinuando um suposto boicote ao seu trabalho, em entrevista ao "Domingo Espetacular", da RecordTV, que foi ao ar na noite desse domingo (20).

Segundo o ator, que teve seu contrato com a emissora encerrado no último mês de março, as desavenças com Silvio de Abreu tiveram início quando terminou seu casamento com Cleyde Yáconis, ainda na década de 1960: "Ele teve uma implicância comigo". "Quando ele tomou uma posição de direção artística, ele era um diretor, autor, que não sabia escrever para mim, não queria escrever ou não gostava", prosseguiu Stênio Garcia.

Marilene Saad, esposa do ator, afirmou: "Quem tá com a caneta é o Silvio de Abreu. Ele riscou o nome do meu marido. A gente soube por autores que tentaram diversas vezes escalar o Stênio e o Silvio de Abreu: 'olha, se começar a insistir, tiro a tua novela'".

A reportagem entrou em contato com a assessoria da Globo sobre as declarações de Stênio Garcia contra Silvio de Abreu, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

 

Bruna Marquezine ironiza Biel em A Fazenda, e fãs pedem mutirão para eliminá-lo

Bruna Marquezine ironiza Biel em A Fazenda, e fãs pedem mutirão para eliminá-lo

A atriz Bruna Marquezine, de 25 anos, não entrou em nenhum reality show em 2020, mas com certeza foi uma das famosas que mais se envolveu com esse formato neste ano. Depois do "BBB 20" (Globo), que ela acompanhou por causa da amiga Manu Gavassi, ela agora está opinando também sobre "A Fazenda 12" (RecordTV).

Na última sexta-feira (18), ela respondeu ao comentário de um internauta sobre o cantor Biel, de 24 anos, que está no confinamento. Ele publicou um vídeo com um momento em que o participante do reality show rural afirmava estar confiante de não ser eliminado mesmo que vá para a roça. Ele afirma que tem 1.000 fãs que votariam pelo menos cem vezes nele, o que daria 100.000 votos e garantiria a permanência dele. "O Biel jurando que mil fãs mantém alguém em um reality show nacional", comentou o internauta. A atriz ironizou na resposta. "Ô, meu pai", escreveu.

O comentário animou os fãs de Bruna, que comemoraram o envolvimento dela com o programa da RecordTV e passaram a pedir que ela puxasse um mutirão para eliminar o cantor, assim como fez para salvar Manu no "BBB". "Lenda, sei que não quer mais se envolver com isso, mas um mutirão só seu resolve a eliminação dele. Pensa com carinho, tá?", comentou um seguidor. "Puxa mutirão 'Fora Bie'l, Bruna, por favor. Nunca te pedi nada além do follow que nunca veio", brincou outro.

Algumas pessoas, no entanto, pediram para ela não se envolver. "Por Deus, não começa, eu te imploro. Paulo Guedes, arruma um trampo para a Bruna aqui", disse um internauta. "Sai daqui, você não vai estragar de novo a minha quarentena", acusou outro. A atriz, no entanto, disse que não pretende entrar pra valer na torcida contra Biel. "Não quero não, obrigada", escreveu.

Paolla Oliveira comenta a volta de 'A Força do Querer': 'Continua muito atual'

Paolla Oliveira comenta a volta de 'A Força do Querer': 'Continua muito atual'

A major Jeiza está de volta. Ao lado de Bibi (Juliana Paes) e Ritinha (Isis Valverde), a personagem vivida por Paolla Oliveira forma a trinca de protagonistas da novela "A Força do Querer", que será reprisada na Globo a partir desta segunda-feira (21), e ocupará novamente a faixa das 21h, no lugar de "Fina Estampa". É que, apesar de as gravações das novas produções da casa terem sido retomadas, seguindo os protocolos de segurança, elas só vão ao ar no ano que vem.

"A novela passou há três anos só, provavelmente ainda vai mexer muito com a cabeça do público e, quem poderia imaginar, sendo reprisada no horário nobre. Se me perguntassem se isso era possível antes disso tudo acontecer, eu ia falar que não", comenta Paolla. "Ela continua muito atual, muito moderna, muito forte", completa a atriz.

Policial militar e, nas horas de folga, lutadora de MMA, Jeiza é uma heroína real na trama cheia de reviravoltas escrita por Gloria Perez. E como toda mocinha de folhetim, ela tem uma antagonista, Bibi Perigosa, a dona do morro e mulher do traficante Rubinho (Emílio Dantas). A atriz lembra que a personagem exigiu dela uma preparação física intensa.

 

"Encontrar um personagem é uma arte. A arte não é só executar, mas encontrar por onde a gente começa a trabalhar. Eu, por acaso, gosto muito de trabalhar com o corpo, com o físico, e comecei a encontrar a Jeiza a partir da luta dela, da profissão dela, que é policial militar", conta. "Então, a partir dessas movimentações em torno disso é que fui encontrando a Jeiza, que é generosa, boa filha, bom caráter, ao mesmo tempo, com essa força física. A minha lembrança dela é muito das pessoas falando - por causa dos papéis que eu já tinha feito - que eu não ia conseguir fazer, que não me viam nesse lugar. Muita gente falava: ‘Policial militar? Lutadora? Não. Vai ter dublê, né?’. Aquilo foi entrando como um desafio", explica.

Além de passar pelo crivo do público em geral, ela estava sob observação de um espectador em particular: o pai, policial militar aposentado. "Talvez, de cara, eu não tinha me atentado para a importância que era essa profissão para uma mulher, para a novidade que poderia trazer tendo isso no horário nobre, e quanto isso poderia ser gratificante para meu pai. Porque, dos filhos, talvez eu seja a única que nunca pensou em seguir os passos dele e, no final das contas, eu homenageei para o Brasil inteiro ver", diz. "Acho que, mais do que tudo, meu pai ficou muito feliz de eu ser uma policial militar, mas bom caráter e boa profissional. Ele falava muito isso: ‘Ela é boa, ela não se rende’. Os elogios dele sempre foram em relação à atuação, mas também ele ficou muito encantado com a possibilidade de representá-lo nessa vida. Foram quase 40 anos na polícia militar e sendo um bom profissional."

 

 

Para a atriz, que recentemente interpretou a digital influencer Vivi Guedes em "A Dona do Pedaço", associar mocinhos a figuras ingênuas, bobas é uma "inversão de valores". "Sempre fiz mocinhas e sempre falo que ninguém vai me convencer que o bom caráter é errado, que as pessoas dóceis e gentis estão erradas. Isso não pode acontecer e, para mim, a Jeiza foi uma mocinha com sua força, com seus impulsos."

E essa personagem colecionou cenas marcantes: fez o parto do bebê de Ritinha em meio a um tiroteio, subiu o morro atrás dos bandidos e, numa operação policial, resgatou de duas crianças numa van escolar sequestrada e levada para a comunidade. Esse episódio do resgate, aliás, foi inspirado em um fato real que ocorreu no Rio. Foi uma sequência tensa e emocionante. "Teve uma cena em que caminhei com as duas (crianças no colo)", referindo-se ao desfecho, em que as salva. "Saí destruída de lá, porque eu estava emocionalmente mexida e por causa da força física que tive de fazer para carregá-las. E foram 15 vezes, num sol escaldante..."

Paolla também dividia cenas com o cão policial Iron, fiel parceiro de Jeiza. O que foi um bônus para a atriz, que é apaixonada por animais e engajada nessa causa no seu dia a dia. Além de colaborar com locais como o abrigo Au Family, que cuida de mais de 900 animais no Pará, e de ser madrinha da ONG Paraíso dos Focinhos, no Rio, ela faz parte de uma rede da qual também integram as atrizes Paula Burlamaqui, Betty Gofman, Heloísa Périssé, entre outras pessoas ligadas à causa animal. "A gente vai se dividindo. Acho que tenho uns dez cachorros espalhados em hotéis, em casas temporárias, esperando adoção. Então, meu trabalho se estende para ONGs e tem o trabalho particular que fazemos nesse pequeno grupo que formamos."

 

Governo pede suspensão de 'Lindinhas' e investigação por pornografia infantil

Governo pede suspensão de 'Lindinhas' e investigação por pornografia infantil

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos pediu a suspensão da veiculação do filme "Lindinhas" pela Netflix. O longa tem sido acusado por Damares Alves de sexualizar crianças.

O pedido foi encaminhado à Coordenação da Comissão Permanente da Infância e Juventude. No oficio, o secretário Maurício Cunha (Secretaria Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente) afirma que "o filme apresenta pornografia infantil e múltiplas cenas com foco nas partes íntimas das meninas enquanto reproduzem movimentos eróticos durante a dança, se contorcem e simulam práticas sexuais".

 

No última dia 14, a ministra Damares Alves afirmou que estava tomando providências contra o filme da Netflix "Lindinhas". O longa, que venceu o Festival Sundance de Cinema, entrou na mira da ministra, que por meio do Facebook chamou a produção de "abominável".

"Estou brava, Brasil! Estou muito brava! É abominável uma produção como a deste filme. Meninas em posições eróticas e com roupas de dançarinas adultas", escreveu Damares, que completou: "Quero deixar claro que não faremos concessões a nada que erotize ou normalize a pedofilia! Quero aproveitar e dar um recado aos pedófilos que por anos tem vindo ao Brasil abusar de nossas crianças: no Brasil existe um Governo que se importa de verdade em proteger as crianças e as famílias".

No Twitter, ela voltou a comentar o caso e respondeu a um usuário que perguntou se ela estava ciente da produção. "Não vamos ficar de braços cruzados. Deixa comigo", escreveu, e em seguida disse que está estudando quais medidas poderão ser tomadas.

Nas últimas semanas, o filme tem sido alvo de críticas. Nas redes sociais, usuários já acusavam a plataforma de sexualizar crianças desde que o lançamento do pôster que mostrava crianças de roupas curtas. Após as críticas, o cartaz foi removido do ar pelo serviço de streaming.

Recém-lançado na Netflix, o longa conta a história de Amy, uma menina de 11 anos de origem senegalesa que se muda para a França com sua família. A pequena conhece um grupo de dança de garotas de sua idade, Mignonnes – também o nome original do filme, em francês –, o que não é aprovado por sua família religiosa e conservadora.

O longa, acusado de sexualizar crianças, chegou aos assuntos mais comentados no Twitter nos Estados Unidos quando estreou no catálogo da Netflix. Em entrevista ao site especializado Deadline, a diretora e roteirista Maïmouna Doucouré disse que recebeu ameaças de morte.

Em resposta ao reboliço, a Netflix publicou uma entrevista com a diretora num vídeo chamado "Why I Made Cuties", em que ela comenta a obra. O filme tem uma proximidade com a história pessoal de Doucouré, que também é de família senegalesa, mas nasceu e foi criada em Paris. Ela defendeu o caráter crítico da obra.

"Amy acredita que pode encontrar sua liberdade por meio desse grupo de dançarinas e por meio de sua hiperssexualização. Mas isso é realmente a verdadeira liberdade? Especialmente quando você é criança? Claro que não", diz a cineasta.

 

Ana Maria Braga será entrevistada no 'Roda Viva' nesta segunda-feira (21)

Ana Maria Braga será entrevistada no 'Roda Viva' nesta segunda-feira (21)

A apresentadora Ana Maria Braga, que é contratada da Globo, será a entrevistada do "Roda Viva" desta segunda-feira (21), na TV Cultura, a partir das 22h.

A bancada de entrevistadores será formada por Fefito (UOL), Janaína Nunes (Record TV), Ana Lucia Ribeiro (TV Democracia), Renata Simões (TV Cultura) e Paulo Sampaio (UOL).

A entrevista com Ana Maria Braga faz parte de uma série de programas em ocasião dos 70 anos da TV no Brasil. Neste mês, o "Roda Viva" já recebeu o apresentador Serginho Groisman - também da Globo - e o diretor Boni.

Xuxa lança livro com relatos dos abusos sexuais que sofreu e do sucesso na TV

Xuxa lança livro com relatos dos abusos sexuais que sofreu e do sucesso na TV

Por pouco, Xuxa não ganharia como nome de batismo Morgana Sayonara - caçula de uma família gaúcha com cinco filhos, ela ostentaria uma homenagem à fada Morgana não fosse uma promessa feita pelo pai que, ao perceber que a menina não sobreviveria ao parto, garantiu que ela se chamaria Maria da Graça caso escapasse. "Por um milagre, sobrevivi", conta Xuxa em "Memórias", livro em que narra sua história de vida e de carreira, que ela lança nesta segunda-feira (21), de forma espetacular: são 100 mil exemplares só na primeira edição.

Na verdade, tudo que rodeia Xuxa parece ser superlativo. Nos anos 1980, por exemplo, conseguiu vender 3,6 milhões de cópias com o disco "Xou da Xuxa 4". Suas marias-chiquinhas e sua eterna disposição encantavam as crianças do Brasil e de outros países. Assim, aos 57 anos, ela detém o domínio para, com um estilo simples e comunicativo na escrita, estabelecer um contato com o leitor e traçar um panorama de sua trajetória, em que as vidas pessoal e profissional sempre se cruzaram.

"Não tenho terapeuta, então quem sabe essas próximas linhas não sirvam também como uma terapia?", diz ela, logo no início do livro, preparando o leitor para temas delicados (como os abusos sexuais que sofreu quando criança) e também amorosos (os namoros com Pelé e Ayrton Senna), sem se esquecer do imenso sucesso na TV e no cinema entre as crianças, que lhe valeu o título de Rainha dos Baixinhos.

Xuxa não se furta de lembrar momentos incômodos, como o de ser abusada sexualmente quando criança. "Tocavam em mim, colocavam o dedo em mim, doía, não sabia distinguir o que sentia, por isso não chorava nem reclamava com ninguém sobre o acontecido", conta ela, resumindo os casos e confessando seu medo.

Bela e esguia, Xuxa logo se tornou modelo e, se sofria bullying, também conheceu personalidades como Pelé (o namoro não vingou porque o ex-jogador era muito mulherengo) e Senna, a quem dedica muito carinho nas páginas de "Memórias". E, mesmo com a carreira encaminhada, aceitou o convite do diretor Mauricio Sherman para, em 1983, comandar o "Clube da Criança", programa da extinta TV Manchete. Seu sucesso (apesar do entrevero com os pequenos, motivado pela inexperiência) chamou atenção da Globo, para onde se transferiu em 1986 pelo triplo do salário e conquistou o sucesso pleno: durante mais de seis anos, o "Xou da Xuxa" liderou a audiência das manhãs.

Curiosamente, uma das profissionais que mais colaboraram com esse êxito, a empresária Marlene Mattos, quase não é citada nas memórias. "Uai... O livro é meu. Por isso", respondeu Xuxa ao jornal "O Estadão de São Paulo". Em uma entrevista à revista "Caras" argentina, em 2018, a apresentadora se queixou de que não tinha ciência de quanto exatamente ganhava com todos seus investimentos, além afirmar que Marlene controlava sua vida amorosa. Sobre suas memórias, Xuxa respondeu por e-mail às seguintes questões.

Você e Rita Lee se admiram e têm ainda uma infeliz coincidência: o fato de terem sido molestadas quando crianças. Como foi revelar isso?

Rita é um ícone e uma artista completa. Eu tenho muitas coisas ainda pra melhorar para chegar perto das conquistas dela. O fato de sermos da mesma tribo é que nos fez dividir essas experiências com os outros. Acredite, é muito mais comum do que você imagina. Meninos e meninas passam por isso todos os dias e falar sobre esse assunto alerta os responsáveis. Além de fazer com que essas pessoas não se sintam sozinhas ou mesmo culpadas.

Quando você cita Pelé no livro, parece haver um misto balanceado de gratidão e desencanto. Como você avalia hoje os seis anos de namoro?

Falei no livro o que deveria falar para não precisar mais falar sobre isso. Ele fez parte da minha história, mas não faz parte da minha vida. Claro que, se ele me ligar, falarei com ele, que seria o normal, mas não é uma pessoa do meu dia a dia, mesmo porque ele tem a vida dele, eu só fiz parte da sua história.

Você disse que aprendeu muitas coisas com Ayrton Senna. Quais seriam as mais importantes? Você acredita que, se tivesse mais tempo, o relacionamento de vocês poderia vingar?

Escrevi no livro o que eu achava que devia. Não quero falar demais de uma história que não é só minha. Não sei se teria dado certo, meu relacionamento com ele ficou baseado no "se": se eu tivesse falado, se tivesse aproveitado mais, se ele não tivesse ido embora cedo... "Se" não é bom pra ninguém, não é certo, saudável, nem mesmo verdadeiro. O que posso te dizer é que Deus me ama muito, pois tenho o Ju (Junno Andrade, seu marido), que respeita minha história com o Beco (apelido de família de Senna) e que me enche de música, poesia. Vivemos, hoje, uma linda história de amor.

Você procura resguardar sua imagem, mas sua privacidade sempre pareceu ser quase inexistente. Como faz para traçar o limite entre vida privada e pública?

Liberdade é uma palavra que eu pouco uso, já que escolhi para mim a vida que tenho. E quer saber? Amo tudo que vem com ela. É um preço alto às vezes, mas nada que não compense mais à frente

Mauricio Sherman viu em você o sorriso de Doris Day, a sensualidade de Marilyn Monroe e uma pitada de Peter Pan, para então te convidar para comandar um programa com crianças. Mas, na época, você já era uma modelo de prestígio, com a carreira internacional decolando, e com pouca (ou nenhuma) experiência com crianças. O que te fez aceitar um convite que parecia arriscado?

Como disse no livro, fiz contrato de um mês, três meses, seis meses... Até fazer de um ano. Isso porque não sabia o que me esperava. Você usou a palavra "arriscado", mas vejo como o maior desafio na minha vida e amo desafios. Ele me deu a maior oportunidade e depois veio o Mário Lúcio (Vaz, diretor da Globo), que acreditou no meu potencial, me levando para a Globo. Tenho certeza de que isso tem dedo de Deus.

Seu início na Manchete parece que não foi fácil - ainda há imagens em que você revela uma certa impaciência com a molecada. Como foi o aprendizado?

Eu ainda não tinha as Paquitas como ajudantes de palco. Só depois de quase um ano fui ter. Nunca fui preparada para a televisão. Havia antes Balão Mágico, Sítio, Vila Sésamo... Mas ninguém para me espelhar nesse novo estilo. Fiz um formato que, depois, foi copiado. E, quando se copia, erra-se menos. Me aventurei, criei, inventei, dei minha cara a tapa, tive erros e acertos e todo mundo viu e acompanhou. Hoje, sou meme por isso, mas, na verdade, eu não tinha noção do que estava fazendo e onde estava me metendo.

Chacrinha chegou a dizer que te colocaria no lugar dele no programa quando se fosse. Quem você colocaria no seu lugar?

Ninguém pode substituir o Chacrinha. Tampouco a Hebe. No meu caso, tem muita gente que faz trabalhos parecidos no mundo todo. Não acho que seja difícil encontrar alguém que possa seguir o formato "Xou da Xuxa", mas ser eu, ser Xuxa, bem, acho que só se Deus permitir. Afinal, foi Ele que me fez, mesmo com muita gente acreditando que quem me "fez" foi uma pessoa ou outra.

De que forma a maternidade te ajudou a lidar com as crianças?

Acho que melhorou meu relacionamento com as mães. Entendi melhor suas reações que, muitas vezes, me incomodavam. Mãe faz tudo por um filho. Pagar mico por um filho, então, era uma coisa normal, que eu sempre via e eu não entendia muito. Hoje, entendo e concordo: é o papel de quem ama.

E de que forma a convivência de tantos anos com crianças te ajudou na criação da Sasha?

Respeito muito seu espaço, suas vontades, a vejo como um ser especial, um anjo que Deus me deu. Assim eu era com os baixinhos e não foi diferente com ela. Apenas exagerei com ela o que já sentia e fazia com eles.

Como seria fazer hoje um programa para crianças?

Não tem mais espaço na televisão para isso, mas eu adoraria me aventurar em programas pequenos, como pílulas que pudessem entrar nesse mundo infantil. Nunca poderia ser comparado com o que já fiz e conquistei. Infelizmente, penso que as pessoas iriam comparar sempre o que já fiz com que estaria fazendo e isso não seria justo.
 

Serviço

Livro "Memórias"
Autora: Xuxa Meneghel
Editora: Globo Livros (272 págs., R$ 44,90 papel, R$ 29,90 e-book)

Conheça a Dupla da Canastra, Bruno César e Luciano, autora de 'Puro Malte'

Conheça a Dupla da Canastra, Bruno César e Luciano, autora de 'Puro Malte'

Os mineiros das cidades de Piumhi e São Roque de Minas, respectivamente, Bruno César e Luciano estão em festa. Nesta segunda-feira (21), em entrevista ao programa Manhã Super, da Super FM 91,7, os músicos, também conhecidos como a Dupla da Canastra, por conta da região em que cresceram, falaram sobre o sucesso do videoclipe “Puro Malte”, canção lançada durante a pandemia do novo coronavírus e que tem na receita festa, bebedeira e, claro, uma pitada de sofrência.

“A aceitação dessa música está muito boa. O pessoal está curtindo, e é uma música alegre e muito divertida”, disse Luciano, que está focado na divulgação do single. Bruno César, por sua vez, não vê a hora de rodar o país com a nova canção. “A ‘Puro Malte’ está levando a Dupla da Canastra para praças que, até então, a gente não tinha chegado. A gente pretende visitar todas essas regiões e ver a galera cantando a nossa música”, declarou o artista. “E a gente está com saudade dos palcos, do público, do calor do show, do pessoal cantando”, completou ele.

Enquanto trabalham na divulgação da “Puro Malte”, Bruno César e Luciano também se debruçam em novos projetos, fazem planos e miram o horizonte pós-quarentena. Ainda com ar de mistério, Bruno conta que vai vir coisa boa por aí. “A gente está aproveitando esse período para produzir muita coisa nova”, disse ele, destacando que os próximos trabalhos não estarão imersos apenas nas resenhas e cervejas. “A gente tem música que aborda vários temas, como a sofrência e as raízes sertanejas”, garantiu o artista.

Ouça a canção "Puro Malte":

'Dança dos Famosos': Lucy Ramos brilha em estreia 'mascarada'

'Dança dos Famosos': Lucy Ramos brilha em estreia 'mascarada'

As mulheres da edição 2020 da "Dança dos Famosos" estrearam nesse domingo (20) no "Domingão do Faustão" ao som do baladão. Um pouco nervosas, as seis concorrentes perderam pontos que podem fazer falta mais à frente na competição.
Em razão da pandemia de Covid-19, máscaras faciais foram incorporadas aos figurinos dos participantes. O acessório foi usado pelas artistas e seus pares mesmo durante as suas apresentações.

 

Marina Ruy Barbosa, Tom Cavalacante e Negra Li, integrantes do júri artístico, deram suas avaliações ao lado dos jurados técnicos Ju Valcézia, bailarina, e Anselmo Zolia, coreógrafo.

A primeira apresentação, de Danielle Winits, emocionou o júri artístico, mas recebeu críticas do júri técnico. Para Ju Valcézia, "faltou entrosamento entre os dois."

Em seguida, veio Giullia Buscacio ao lado do bailarino Daniel Navarro. Ela foi elogiada por Marina Ruy Barbosa, que lhe deu um 10. "Eu amei a música, a coreografia, você arrasou e me surpreendeu", justificou a ruiva.

Isabelli Fontana, em terceiro, teve seu rendimento prejudicado pelo nervosismo, mas ganhou um 10 de incentivo de Negra Li. A atriz Guta Stresser, na sequência, também patinou um pouco, e recebeu críticas de Anselmo Zolla. Já Luiza Possi foi bem. "Não tinha como não dar 10", exclamou Negra Li.

Mas o ponto alto da noite ficou a cargo de Lucy Ramos. Ao lado de Leo Santos, foi a melhor da estreia, com 58,6 pontos, à frente de Luiza Possi (58,5), Danielle Winits (58,4), Giulia Buscacio (58), Isabeli Fontana (57,9) e Guta Stresser (57,5).

 

No próximo domingo (27) será a estreia dos homens, que também dançarão no ritmo baladão. O time masculino é composto por André Gonçalves, Bruno Belutti, Felipe Titto, Juliano Laham, Marcelo Serrado e Zé Roberto.