Compartilhar:
Enviar por e-mail
Imprimir
Rádio Super
avatar
Li e aceito os termos de utilização
Cadastre-se para poder comentar
Fechar

Tá tudo bem
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
carregando
Log View

Menina nem te conto

Band confirma 'MasterChef Celebridades' e 'Grande Final' para este ano

Band confirma 'MasterChef Celebridades' e 'Grande Final' para este ano

A Band anunciou nesta segunda-feira (21) que fará uma edição do "MasterChef Celebridades" e ainda "A Grande Final", que trará todos os campeões dos episódios do reality show culinário na sétima temporada. Erick Jacquin também terá um novo programa, o Minha Receita.

Ainda sem os participantes divulgados, o "MasterChef Celebridades" vai ao ar em 23 de dezembro, uma quarta-feira, como um especial.

O "MasterChef: A Grande Final", por sua vez, vai ao ar na terça-feira, 29 de dezembro. "O programa trará de volta os 24 vencedores da temporada deste ano em uma emocionante disputa que vai eleger o MasterChef Supremo 2020", informa a Band.

Nas quintas-feiras, a partir de 8 de outubro, Erick Jacquin estará à frente do "Minha Receita", às 22h45.

'Foi bastante provocativo', diz Carol Duarte sobre interpretar personagem trans

'Foi bastante provocativo', diz Carol Duarte sobre interpretar personagem trans

Com o fim da reprise de "Fina Estampa", a novela que assume o horário nobre da Globo a partir desta segunda-feira (21) é "A Força do Querer", de 2017. A atriz Carol Duarte, de 29 anos, que interpretou Ivana (Ivan, personagem trans) na trama de Glória Perez participou do programa "Encontro com Fátima Bernardes" na manhã de hoje.

Carol contou para Fátima Bernardes que se surpreendeu com a reestreia do folhetim, que foi seu primeiro trabalho na televisão, e que por isso o guarda com muito carinho. "Foi muito especial, é um tema muito importante e necessário a ser dito", comentou sobre seu papel de uma pessoa transgênera.

Segundo a atriz, ela também passou por um processo de descoberta quando a personagem, que ao fim da trama passa a se identificar com o gênero masculino. "Pra mim, foi bastante provocativo, eu estava muito 'enfiada' no tema. Estudei muito, fiz pesquisa, conversei com muitos garotos."

Carol Duarte disse que uma das maiores surpresas com Ivana/Ivan foi a aceitação do público. "As pessoas não sabiam exatamente quem era a personagem, mas ao longo da novela foram torcendo pela sua história. Fiquei muito comovida. Não só eu, mas todo o núcleo."

A atriz também contou como foi sua primeira experiência nos sets de filmagens, já que antes estava acostumada apenas com os palcos de teatro. "Eu não sabia o que era um set de filmagem, não tinha experiência. Sempre agradeço aos meus colegas que me ensinaram tanto", concluiu.

André Marques diz que fãs mais novos verão outra faceta com volta de 'Malhação'

André Marques diz que fãs mais novos verão outra faceta com volta de 'Malhação'

Quem nasceu nos anos 2000 pode não saber, mas André Marques, 40, fez parte do elenco que inaugurou a franquia "Malhação" na Globo. Em 1995, ele foi lançado à fama como o inesquecível Mocotó, um garoto mulherengo e que vivia metido em confusão.

O personagem fez tanto sucesso que sobreviveu a três mudanças de elenco, além de ter retornado como protagonista da 5ª temporada (1998-1999) e em participações especiais depois. Ele só é superado por Cabeção (vivido por Sérgio Hondjakoff), que apareceu em seis temporadas.

Como homenagem aos 25 anos da franquia, o canal pago Viva vai exibir a partir desta segunda-feira (21), às 16h, toda a primeira temporada da novela teen da Globo. Para o hoje apresentador, será uma chance de um novo público descobrir uma faceta diferente do trabalho dele.

"Com certeza estou ansioso para rever o Mocotó", disse em entrevista à "Folha de S.Paulo". "Desde que o Viva começou (em 2010), eu recebo muitos pedidos de pessoas que querem rever a nossa 'Malhação'. Quando eu soube que ia reprisar, fiquei muito feliz."

"Vai ser engraçado ver a reação da galera mais nova", confessou o apresentador do "The Voice Kids". "Vira e mexe um deles encontra algo na internet e me fala: 'Vi você novinho e cabeludo'. É, o tempo passa (risos)."
Apesar de a nostalgia ser grande, ele afirma que está plenamente satisfeito com a função atual. "Eu não tenho muita vontade de voltar a trabalhar como ator, não", afirma. "Posso até fazer uma ou outra coisa específica e diferente, mas é só."

Mesmo com uma vida pública que tem o mesmo tempo da franquia "Malhação", o apresentador conseguiu manter a intimidade relativamente longe dos holofotes. Ele diz que não foi uma decisão pensada."Aconteceu naturalmente", afirma.

"Eu entendo que as pessoas querem saber com quem você namora, mas eu sempre preservei todas as minhas namoradas. A minha ex é veterinária, então você acaba expondo a vida de uma pessoa que não tem nada a ver com aquilo. Hoje eu namoro com uma atriz (Sofia Starling, de 'Malhação - Seu Lugar no Mundo'), que tem mais entendimento disso. Mas eu mostro minha casa, meus cachorros, minha loja, coisas que eu sei que não vão atrapalhar."

Como tudo começou

Além de Mocotó, a primeira temporada de "Malhação" tem uma série de personagens que viraram febre na época da exibição original.

Escrita por Márcia Prates, Andrea Maltarolli, Emanuel Jacobina, Patrícia Moretzsohn e Vinícius Vianna e com redação final de Charles Peixoto, a trama principal é centrada em Héricles (Danton Mello), um estudante do interior que chega ao Rio e vai trabalhar na academia Malhação (sim, é daí que vem o nome!).

Lá, ele conhece a bailarina Bella (Juliana Martins), por quem se apaixona. Porém, ela namora o lutador de jiu-jitsu Romão (Luigi Baricelli), que não gosta nada da aproximação entre os dois. Mas ele não é o único no caminho dos mocinhos. Juli (Carolina Dieckmann), que também está interessada por Héricles, também faz de tudo para atrapalhar o casal.

Outros grandes destaques da novela foram a paixão platônica de Luiza (Fernanda Rodrigues), filha da dona da academia, pelo professor de jiu-jitsu Dado (Cláudio Heinrich) e o namoro cheio de idas e vindas de Tainá (Ana Paula Tabalipa) e Léo (Pablo Uranga).

Além disso, havia tramas mais adultas, como as vividas pela dona da academia, Paula (Sílvia Pfeifer), e pelos experientes Nabuco (John Herbert) e Olga (Nair Bello), e mais pré-adolescentes, com as aventuras de Fabinho (Bruno de Lucca) e Bróduei (Fabiano Miranda).

Virou moda na época

Tudo no folhetim adolescente virou moda desde que ela foi lançada em 24 de abril de 1995. Das músicas da trilha sonora (a abertura era "Assim Caminha a Humanidade", de Lulu Santos), passando pelos cabelos dos personagens, e as roupas de ginástica. Até mesmo a cultura de frequentar academias se difundiu com mais força pelo país.

Ao longo dos 25 anos seguintes, a novela se transformou. A academia virou colégio, mas ainda estão lá os triângulos amorosos, as paixões não correspondidas e outras tramas que fazem sucesso até hoje. Trata-se do produto de dramaturgia mais longevo da TV brasileira.

Além dos nomes da primeira temporada, passaram pelo elenco iniciantes que depois viraram estrelas da Globo, como Cauã Reymond, Sophie Charlotte, Débora Falabella, Daniel de Oliveira, Alice Wegmann, Fernanda Vasconcellos, José Loreto, Juliana Paiva e Nathalia Dill, entre muitos outros.

Stênio Garcia reclama de 'implicância' de Silvio de Abreu na Globo

Stênio Garcia reclama de 'implicância' de Silvio de Abreu na Globo

O ator Stênio Garcia fez críticas ao autor Silvio de Abreu, diretor de dramaturgia da Globo, insinuando um suposto boicote ao seu trabalho, em entrevista ao "Domingo Espetacular", da RecordTV, que foi ao ar na noite desse domingo (20).

Segundo o ator, que teve seu contrato com a emissora encerrado no último mês de março, as desavenças com Silvio de Abreu tiveram início quando terminou seu casamento com Cleyde Yáconis, ainda na década de 1960: "Ele teve uma implicância comigo". "Quando ele tomou uma posição de direção artística, ele era um diretor, autor, que não sabia escrever para mim, não queria escrever ou não gostava", prosseguiu Stênio Garcia.

Marilene Saad, esposa do ator, afirmou: "Quem tá com a caneta é o Silvio de Abreu. Ele riscou o nome do meu marido. A gente soube por autores que tentaram diversas vezes escalar o Stênio e o Silvio de Abreu: 'olha, se começar a insistir, tiro a tua novela'".

A reportagem entrou em contato com a assessoria da Globo sobre as declarações de Stênio Garcia contra Silvio de Abreu, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

 

Bruna Marquezine ironiza Biel em A Fazenda, e fãs pedem mutirão para eliminá-lo

Bruna Marquezine ironiza Biel em A Fazenda, e fãs pedem mutirão para eliminá-lo

A atriz Bruna Marquezine, de 25 anos, não entrou em nenhum reality show em 2020, mas com certeza foi uma das famosas que mais se envolveu com esse formato neste ano. Depois do "BBB 20" (Globo), que ela acompanhou por causa da amiga Manu Gavassi, ela agora está opinando também sobre "A Fazenda 12" (RecordTV).

Na última sexta-feira (18), ela respondeu ao comentário de um internauta sobre o cantor Biel, de 24 anos, que está no confinamento. Ele publicou um vídeo com um momento em que o participante do reality show rural afirmava estar confiante de não ser eliminado mesmo que vá para a roça. Ele afirma que tem 1.000 fãs que votariam pelo menos cem vezes nele, o que daria 100.000 votos e garantiria a permanência dele. "O Biel jurando que mil fãs mantém alguém em um reality show nacional", comentou o internauta. A atriz ironizou na resposta. "Ô, meu pai", escreveu.

O comentário animou os fãs de Bruna, que comemoraram o envolvimento dela com o programa da RecordTV e passaram a pedir que ela puxasse um mutirão para eliminar o cantor, assim como fez para salvar Manu no "BBB". "Lenda, sei que não quer mais se envolver com isso, mas um mutirão só seu resolve a eliminação dele. Pensa com carinho, tá?", comentou um seguidor. "Puxa mutirão 'Fora Bie'l, Bruna, por favor. Nunca te pedi nada além do follow que nunca veio", brincou outro.

Algumas pessoas, no entanto, pediram para ela não se envolver. "Por Deus, não começa, eu te imploro. Paulo Guedes, arruma um trampo para a Bruna aqui", disse um internauta. "Sai daqui, você não vai estragar de novo a minha quarentena", acusou outro. A atriz, no entanto, disse que não pretende entrar pra valer na torcida contra Biel. "Não quero não, obrigada", escreveu.

Paolla Oliveira comenta a volta de 'A Força do Querer': 'Continua muito atual'

Paolla Oliveira comenta a volta de 'A Força do Querer': 'Continua muito atual'

A major Jeiza está de volta. Ao lado de Bibi (Juliana Paes) e Ritinha (Isis Valverde), a personagem vivida por Paolla Oliveira forma a trinca de protagonistas da novela "A Força do Querer", que será reprisada na Globo a partir desta segunda-feira (21), e ocupará novamente a faixa das 21h, no lugar de "Fina Estampa". É que, apesar de as gravações das novas produções da casa terem sido retomadas, seguindo os protocolos de segurança, elas só vão ao ar no ano que vem.

"A novela passou há três anos só, provavelmente ainda vai mexer muito com a cabeça do público e, quem poderia imaginar, sendo reprisada no horário nobre. Se me perguntassem se isso era possível antes disso tudo acontecer, eu ia falar que não", comenta Paolla. "Ela continua muito atual, muito moderna, muito forte", completa a atriz.

Policial militar e, nas horas de folga, lutadora de MMA, Jeiza é uma heroína real na trama cheia de reviravoltas escrita por Gloria Perez. E como toda mocinha de folhetim, ela tem uma antagonista, Bibi Perigosa, a dona do morro e mulher do traficante Rubinho (Emílio Dantas). A atriz lembra que a personagem exigiu dela uma preparação física intensa.

 

"Encontrar um personagem é uma arte. A arte não é só executar, mas encontrar por onde a gente começa a trabalhar. Eu, por acaso, gosto muito de trabalhar com o corpo, com o físico, e comecei a encontrar a Jeiza a partir da luta dela, da profissão dela, que é policial militar", conta. "Então, a partir dessas movimentações em torno disso é que fui encontrando a Jeiza, que é generosa, boa filha, bom caráter, ao mesmo tempo, com essa força física. A minha lembrança dela é muito das pessoas falando - por causa dos papéis que eu já tinha feito - que eu não ia conseguir fazer, que não me viam nesse lugar. Muita gente falava: ‘Policial militar? Lutadora? Não. Vai ter dublê, né?’. Aquilo foi entrando como um desafio", explica.

Além de passar pelo crivo do público em geral, ela estava sob observação de um espectador em particular: o pai, policial militar aposentado. "Talvez, de cara, eu não tinha me atentado para a importância que era essa profissão para uma mulher, para a novidade que poderia trazer tendo isso no horário nobre, e quanto isso poderia ser gratificante para meu pai. Porque, dos filhos, talvez eu seja a única que nunca pensou em seguir os passos dele e, no final das contas, eu homenageei para o Brasil inteiro ver", diz. "Acho que, mais do que tudo, meu pai ficou muito feliz de eu ser uma policial militar, mas bom caráter e boa profissional. Ele falava muito isso: ‘Ela é boa, ela não se rende’. Os elogios dele sempre foram em relação à atuação, mas também ele ficou muito encantado com a possibilidade de representá-lo nessa vida. Foram quase 40 anos na polícia militar e sendo um bom profissional."

 

 

Para a atriz, que recentemente interpretou a digital influencer Vivi Guedes em "A Dona do Pedaço", associar mocinhos a figuras ingênuas, bobas é uma "inversão de valores". "Sempre fiz mocinhas e sempre falo que ninguém vai me convencer que o bom caráter é errado, que as pessoas dóceis e gentis estão erradas. Isso não pode acontecer e, para mim, a Jeiza foi uma mocinha com sua força, com seus impulsos."

E essa personagem colecionou cenas marcantes: fez o parto do bebê de Ritinha em meio a um tiroteio, subiu o morro atrás dos bandidos e, numa operação policial, resgatou de duas crianças numa van escolar sequestrada e levada para a comunidade. Esse episódio do resgate, aliás, foi inspirado em um fato real que ocorreu no Rio. Foi uma sequência tensa e emocionante. "Teve uma cena em que caminhei com as duas (crianças no colo)", referindo-se ao desfecho, em que as salva. "Saí destruída de lá, porque eu estava emocionalmente mexida e por causa da força física que tive de fazer para carregá-las. E foram 15 vezes, num sol escaldante..."

Paolla também dividia cenas com o cão policial Iron, fiel parceiro de Jeiza. O que foi um bônus para a atriz, que é apaixonada por animais e engajada nessa causa no seu dia a dia. Além de colaborar com locais como o abrigo Au Family, que cuida de mais de 900 animais no Pará, e de ser madrinha da ONG Paraíso dos Focinhos, no Rio, ela faz parte de uma rede da qual também integram as atrizes Paula Burlamaqui, Betty Gofman, Heloísa Périssé, entre outras pessoas ligadas à causa animal. "A gente vai se dividindo. Acho que tenho uns dez cachorros espalhados em hotéis, em casas temporárias, esperando adoção. Então, meu trabalho se estende para ONGs e tem o trabalho particular que fazemos nesse pequeno grupo que formamos."

 

Governo pede suspensão de 'Lindinhas' e investigação por pornografia infantil

Governo pede suspensão de 'Lindinhas' e investigação por pornografia infantil

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos pediu a suspensão da veiculação do filme "Lindinhas" pela Netflix. O longa tem sido acusado por Damares Alves de sexualizar crianças.

O pedido foi encaminhado à Coordenação da Comissão Permanente da Infância e Juventude. No oficio, o secretário Maurício Cunha (Secretaria Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente) afirma que "o filme apresenta pornografia infantil e múltiplas cenas com foco nas partes íntimas das meninas enquanto reproduzem movimentos eróticos durante a dança, se contorcem e simulam práticas sexuais".

 

No última dia 14, a ministra Damares Alves afirmou que estava tomando providências contra o filme da Netflix "Lindinhas". O longa, que venceu o Festival Sundance de Cinema, entrou na mira da ministra, que por meio do Facebook chamou a produção de "abominável".

"Estou brava, Brasil! Estou muito brava! É abominável uma produção como a deste filme. Meninas em posições eróticas e com roupas de dançarinas adultas", escreveu Damares, que completou: "Quero deixar claro que não faremos concessões a nada que erotize ou normalize a pedofilia! Quero aproveitar e dar um recado aos pedófilos que por anos tem vindo ao Brasil abusar de nossas crianças: no Brasil existe um Governo que se importa de verdade em proteger as crianças e as famílias".

No Twitter, ela voltou a comentar o caso e respondeu a um usuário que perguntou se ela estava ciente da produção. "Não vamos ficar de braços cruzados. Deixa comigo", escreveu, e em seguida disse que está estudando quais medidas poderão ser tomadas.

Nas últimas semanas, o filme tem sido alvo de críticas. Nas redes sociais, usuários já acusavam a plataforma de sexualizar crianças desde que o lançamento do pôster que mostrava crianças de roupas curtas. Após as críticas, o cartaz foi removido do ar pelo serviço de streaming.

Recém-lançado na Netflix, o longa conta a história de Amy, uma menina de 11 anos de origem senegalesa que se muda para a França com sua família. A pequena conhece um grupo de dança de garotas de sua idade, Mignonnes – também o nome original do filme, em francês –, o que não é aprovado por sua família religiosa e conservadora.

O longa, acusado de sexualizar crianças, chegou aos assuntos mais comentados no Twitter nos Estados Unidos quando estreou no catálogo da Netflix. Em entrevista ao site especializado Deadline, a diretora e roteirista Maïmouna Doucouré disse que recebeu ameaças de morte.

Em resposta ao reboliço, a Netflix publicou uma entrevista com a diretora num vídeo chamado "Why I Made Cuties", em que ela comenta a obra. O filme tem uma proximidade com a história pessoal de Doucouré, que também é de família senegalesa, mas nasceu e foi criada em Paris. Ela defendeu o caráter crítico da obra.

"Amy acredita que pode encontrar sua liberdade por meio desse grupo de dançarinas e por meio de sua hiperssexualização. Mas isso é realmente a verdadeira liberdade? Especialmente quando você é criança? Claro que não", diz a cineasta.

 

Ana Maria Braga será entrevistada no 'Roda Viva' nesta segunda-feira (21)

Ana Maria Braga será entrevistada no 'Roda Viva' nesta segunda-feira (21)

A apresentadora Ana Maria Braga, que é contratada da Globo, será a entrevistada do "Roda Viva" desta segunda-feira (21), na TV Cultura, a partir das 22h.

A bancada de entrevistadores será formada por Fefito (UOL), Janaína Nunes (Record TV), Ana Lucia Ribeiro (TV Democracia), Renata Simões (TV Cultura) e Paulo Sampaio (UOL).

A entrevista com Ana Maria Braga faz parte de uma série de programas em ocasião dos 70 anos da TV no Brasil. Neste mês, o "Roda Viva" já recebeu o apresentador Serginho Groisman - também da Globo - e o diretor Boni.

Xuxa lança livro com relatos dos abusos sexuais que sofreu e do sucesso na TV

Xuxa lança livro com relatos dos abusos sexuais que sofreu e do sucesso na TV

Por pouco, Xuxa não ganharia como nome de batismo Morgana Sayonara - caçula de uma família gaúcha com cinco filhos, ela ostentaria uma homenagem à fada Morgana não fosse uma promessa feita pelo pai que, ao perceber que a menina não sobreviveria ao parto, garantiu que ela se chamaria Maria da Graça caso escapasse. "Por um milagre, sobrevivi", conta Xuxa em "Memórias", livro em que narra sua história de vida e de carreira, que ela lança nesta segunda-feira (21), de forma espetacular: são 100 mil exemplares só na primeira edição.

Na verdade, tudo que rodeia Xuxa parece ser superlativo. Nos anos 1980, por exemplo, conseguiu vender 3,6 milhões de cópias com o disco "Xou da Xuxa 4". Suas marias-chiquinhas e sua eterna disposição encantavam as crianças do Brasil e de outros países. Assim, aos 57 anos, ela detém o domínio para, com um estilo simples e comunicativo na escrita, estabelecer um contato com o leitor e traçar um panorama de sua trajetória, em que as vidas pessoal e profissional sempre se cruzaram.

"Não tenho terapeuta, então quem sabe essas próximas linhas não sirvam também como uma terapia?", diz ela, logo no início do livro, preparando o leitor para temas delicados (como os abusos sexuais que sofreu quando criança) e também amorosos (os namoros com Pelé e Ayrton Senna), sem se esquecer do imenso sucesso na TV e no cinema entre as crianças, que lhe valeu o título de Rainha dos Baixinhos.

Xuxa não se furta de lembrar momentos incômodos, como o de ser abusada sexualmente quando criança. "Tocavam em mim, colocavam o dedo em mim, doía, não sabia distinguir o que sentia, por isso não chorava nem reclamava com ninguém sobre o acontecido", conta ela, resumindo os casos e confessando seu medo.

Bela e esguia, Xuxa logo se tornou modelo e, se sofria bullying, também conheceu personalidades como Pelé (o namoro não vingou porque o ex-jogador era muito mulherengo) e Senna, a quem dedica muito carinho nas páginas de "Memórias". E, mesmo com a carreira encaminhada, aceitou o convite do diretor Mauricio Sherman para, em 1983, comandar o "Clube da Criança", programa da extinta TV Manchete. Seu sucesso (apesar do entrevero com os pequenos, motivado pela inexperiência) chamou atenção da Globo, para onde se transferiu em 1986 pelo triplo do salário e conquistou o sucesso pleno: durante mais de seis anos, o "Xou da Xuxa" liderou a audiência das manhãs.

Curiosamente, uma das profissionais que mais colaboraram com esse êxito, a empresária Marlene Mattos, quase não é citada nas memórias. "Uai... O livro é meu. Por isso", respondeu Xuxa ao jornal "O Estadão de São Paulo". Em uma entrevista à revista "Caras" argentina, em 2018, a apresentadora se queixou de que não tinha ciência de quanto exatamente ganhava com todos seus investimentos, além afirmar que Marlene controlava sua vida amorosa. Sobre suas memórias, Xuxa respondeu por e-mail às seguintes questões.

Você e Rita Lee se admiram e têm ainda uma infeliz coincidência: o fato de terem sido molestadas quando crianças. Como foi revelar isso?

Rita é um ícone e uma artista completa. Eu tenho muitas coisas ainda pra melhorar para chegar perto das conquistas dela. O fato de sermos da mesma tribo é que nos fez dividir essas experiências com os outros. Acredite, é muito mais comum do que você imagina. Meninos e meninas passam por isso todos os dias e falar sobre esse assunto alerta os responsáveis. Além de fazer com que essas pessoas não se sintam sozinhas ou mesmo culpadas.

Quando você cita Pelé no livro, parece haver um misto balanceado de gratidão e desencanto. Como você avalia hoje os seis anos de namoro?

Falei no livro o que deveria falar para não precisar mais falar sobre isso. Ele fez parte da minha história, mas não faz parte da minha vida. Claro que, se ele me ligar, falarei com ele, que seria o normal, mas não é uma pessoa do meu dia a dia, mesmo porque ele tem a vida dele, eu só fiz parte da sua história.

Você disse que aprendeu muitas coisas com Ayrton Senna. Quais seriam as mais importantes? Você acredita que, se tivesse mais tempo, o relacionamento de vocês poderia vingar?

Escrevi no livro o que eu achava que devia. Não quero falar demais de uma história que não é só minha. Não sei se teria dado certo, meu relacionamento com ele ficou baseado no "se": se eu tivesse falado, se tivesse aproveitado mais, se ele não tivesse ido embora cedo... "Se" não é bom pra ninguém, não é certo, saudável, nem mesmo verdadeiro. O que posso te dizer é que Deus me ama muito, pois tenho o Ju (Junno Andrade, seu marido), que respeita minha história com o Beco (apelido de família de Senna) e que me enche de música, poesia. Vivemos, hoje, uma linda história de amor.

Você procura resguardar sua imagem, mas sua privacidade sempre pareceu ser quase inexistente. Como faz para traçar o limite entre vida privada e pública?

Liberdade é uma palavra que eu pouco uso, já que escolhi para mim a vida que tenho. E quer saber? Amo tudo que vem com ela. É um preço alto às vezes, mas nada que não compense mais à frente

Mauricio Sherman viu em você o sorriso de Doris Day, a sensualidade de Marilyn Monroe e uma pitada de Peter Pan, para então te convidar para comandar um programa com crianças. Mas, na época, você já era uma modelo de prestígio, com a carreira internacional decolando, e com pouca (ou nenhuma) experiência com crianças. O que te fez aceitar um convite que parecia arriscado?

Como disse no livro, fiz contrato de um mês, três meses, seis meses... Até fazer de um ano. Isso porque não sabia o que me esperava. Você usou a palavra "arriscado", mas vejo como o maior desafio na minha vida e amo desafios. Ele me deu a maior oportunidade e depois veio o Mário Lúcio (Vaz, diretor da Globo), que acreditou no meu potencial, me levando para a Globo. Tenho certeza de que isso tem dedo de Deus.

Seu início na Manchete parece que não foi fácil - ainda há imagens em que você revela uma certa impaciência com a molecada. Como foi o aprendizado?

Eu ainda não tinha as Paquitas como ajudantes de palco. Só depois de quase um ano fui ter. Nunca fui preparada para a televisão. Havia antes Balão Mágico, Sítio, Vila Sésamo... Mas ninguém para me espelhar nesse novo estilo. Fiz um formato que, depois, foi copiado. E, quando se copia, erra-se menos. Me aventurei, criei, inventei, dei minha cara a tapa, tive erros e acertos e todo mundo viu e acompanhou. Hoje, sou meme por isso, mas, na verdade, eu não tinha noção do que estava fazendo e onde estava me metendo.

Chacrinha chegou a dizer que te colocaria no lugar dele no programa quando se fosse. Quem você colocaria no seu lugar?

Ninguém pode substituir o Chacrinha. Tampouco a Hebe. No meu caso, tem muita gente que faz trabalhos parecidos no mundo todo. Não acho que seja difícil encontrar alguém que possa seguir o formato "Xou da Xuxa", mas ser eu, ser Xuxa, bem, acho que só se Deus permitir. Afinal, foi Ele que me fez, mesmo com muita gente acreditando que quem me "fez" foi uma pessoa ou outra.

De que forma a maternidade te ajudou a lidar com as crianças?

Acho que melhorou meu relacionamento com as mães. Entendi melhor suas reações que, muitas vezes, me incomodavam. Mãe faz tudo por um filho. Pagar mico por um filho, então, era uma coisa normal, que eu sempre via e eu não entendia muito. Hoje, entendo e concordo: é o papel de quem ama.

E de que forma a convivência de tantos anos com crianças te ajudou na criação da Sasha?

Respeito muito seu espaço, suas vontades, a vejo como um ser especial, um anjo que Deus me deu. Assim eu era com os baixinhos e não foi diferente com ela. Apenas exagerei com ela o que já sentia e fazia com eles.

Como seria fazer hoje um programa para crianças?

Não tem mais espaço na televisão para isso, mas eu adoraria me aventurar em programas pequenos, como pílulas que pudessem entrar nesse mundo infantil. Nunca poderia ser comparado com o que já fiz e conquistei. Infelizmente, penso que as pessoas iriam comparar sempre o que já fiz com que estaria fazendo e isso não seria justo.
 

Serviço

Livro "Memórias"
Autora: Xuxa Meneghel
Editora: Globo Livros (272 págs., R$ 44,90 papel, R$ 29,90 e-book)

Conheça a Dupla da Canastra, Bruno César e Luciano, autora de 'Puro Malte'

Conheça a Dupla da Canastra, Bruno César e Luciano, autora de 'Puro Malte'

Os mineiros das cidades de Piumhi e São Roque de Minas, respectivamente, Bruno César e Luciano estão em festa. Nesta segunda-feira (21), em entrevista ao programa Manhã Super, da Super FM 91,7, os músicos, também conhecidos como a Dupla da Canastra, por conta da região em que cresceram, falaram sobre o sucesso do videoclipe “Puro Malte”, canção lançada durante a pandemia do novo coronavírus e que tem na receita festa, bebedeira e, claro, uma pitada de sofrência.

“A aceitação dessa música está muito boa. O pessoal está curtindo, e é uma música alegre e muito divertida”, disse Luciano, que está focado na divulgação do single. Bruno César, por sua vez, não vê a hora de rodar o país com a nova canção. “A ‘Puro Malte’ está levando a Dupla da Canastra para praças que, até então, a gente não tinha chegado. A gente pretende visitar todas essas regiões e ver a galera cantando a nossa música”, declarou o artista. “E a gente está com saudade dos palcos, do público, do calor do show, do pessoal cantando”, completou ele.

Enquanto trabalham na divulgação da “Puro Malte”, Bruno César e Luciano também se debruçam em novos projetos, fazem planos e miram o horizonte pós-quarentena. Ainda com ar de mistério, Bruno conta que vai vir coisa boa por aí. “A gente está aproveitando esse período para produzir muita coisa nova”, disse ele, destacando que os próximos trabalhos não estarão imersos apenas nas resenhas e cervejas. “A gente tem música que aborda vários temas, como a sofrência e as raízes sertanejas”, garantiu o artista.

Ouça a canção "Puro Malte":

'Dança dos Famosos': Lucy Ramos brilha em estreia 'mascarada'

'Dança dos Famosos': Lucy Ramos brilha em estreia 'mascarada'

As mulheres da edição 2020 da "Dança dos Famosos" estrearam nesse domingo (20) no "Domingão do Faustão" ao som do baladão. Um pouco nervosas, as seis concorrentes perderam pontos que podem fazer falta mais à frente na competição.
Em razão da pandemia de Covid-19, máscaras faciais foram incorporadas aos figurinos dos participantes. O acessório foi usado pelas artistas e seus pares mesmo durante as suas apresentações.

 

Marina Ruy Barbosa, Tom Cavalacante e Negra Li, integrantes do júri artístico, deram suas avaliações ao lado dos jurados técnicos Ju Valcézia, bailarina, e Anselmo Zolia, coreógrafo.

A primeira apresentação, de Danielle Winits, emocionou o júri artístico, mas recebeu críticas do júri técnico. Para Ju Valcézia, "faltou entrosamento entre os dois."

Em seguida, veio Giullia Buscacio ao lado do bailarino Daniel Navarro. Ela foi elogiada por Marina Ruy Barbosa, que lhe deu um 10. "Eu amei a música, a coreografia, você arrasou e me surpreendeu", justificou a ruiva.

Isabelli Fontana, em terceiro, teve seu rendimento prejudicado pelo nervosismo, mas ganhou um 10 de incentivo de Negra Li. A atriz Guta Stresser, na sequência, também patinou um pouco, e recebeu críticas de Anselmo Zolla. Já Luiza Possi foi bem. "Não tinha como não dar 10", exclamou Negra Li.

Mas o ponto alto da noite ficou a cargo de Lucy Ramos. Ao lado de Leo Santos, foi a melhor da estreia, com 58,6 pontos, à frente de Luiza Possi (58,5), Danielle Winits (58,4), Giulia Buscacio (58), Isabeli Fontana (57,9) e Guta Stresser (57,5).

 

No próximo domingo (27) será a estreia dos homens, que também dançarão no ritmo baladão. O time masculino é composto por André Gonçalves, Bruno Belutti, Felipe Titto, Juliano Laham, Marcelo Serrado e Zé Roberto.

Juliana Paes comemora volta de 'A Força do Querer' e sua Bibi Perigosa

Juliana Paes comemora volta de 'A Força do Querer' e sua Bibi Perigosa

Destemida, arrojada e apaixonada. Assim é Bibi, personagem de Juliana Paes, 41, na novela "A Força do Querer", que volta ao ar nesta segunda-feira (21) nas noites da Globo, no lugar de "Fina Estampa". Sucesso na primeira vez em que a novela foi transmitida, a atriz afirma que personalidades como a de Bibi são perigosas. Não à toa, ela sofre as consequências por essa entrega apaixonada.

"Nesse sentido a personagem sempre será atual, porque o comportamento dela, sempre explosivo, sem medir consequência, sempre será perigoso, não tem época. É um comportamento emocionalmente perigoso. Ela é imatura, dependente, então em qualquer década alguém que não tenha o mínimo de inteligência emocional estará sempre em perigo", afirma a protagonista.

Protagonista da trama de Glória Perez, que foi ao ar pela primeira vez em 2017, Bibi é baseada na história real da escritora Fabiana Escobar, que foi casada com um dos maiores traficantes cariocas. Uma paixão financiada pela venda de drogas e testemunhada em escutas e tocaias da polícia, que deu a ela alcunhas como "Rainha do Pó" e "Primeira-dama do Tráfico".

Em "A Força do Querer", Bibi Perigosa tem duas fases: a da paixão avassaladora por Rubinho (Emilio Dantas), chefe do crime no Rio, e a mudança de postura mais para o final da novela. Para Juliana, as duas etapas requerem diferentes maneiras de julgamento. A atriz traça um paralelo com os dias atuais de pandemia para explicar essas duas fases.

"Eu creio que Bibi da primeira fase, se estivesse em 2020, com certeza estaria sofrendo com as consequência da pandemia, não estaria fazendo as coisas certas, iria para a rua infectar todo mundo", brinca. "Mas a Bibi do final da novela, restituída, estaria quietinha com filho em casa."

Sem dúvidas, a novela foi uma das mais divertidas para Juliana. Ela afirma que adorava as cenas de atear fogo nas coisas quando estava abalada. Devido a sua atuação, passou um ano inteiro sendo chamada de Bibi pelas ruas e isso só acabou quando passou a ser chamada de Maria da Paz pela novela "A Dona do Pedaço" (2019).

Porém, nem tudo foi fácil. Juliana Paes afirma que não gostava de fazer as cenas de briga. "Me dava uma baita vontade de rir. Nunca briguei na vida. Estou com vontade de rever a primeira vez que a Bibi vai a um baile na comunidade e se percebe encantada. E quando o Sabiá (Jonathan Azevedo) diz que ela precisa matar alguém. Ali começa a cair uma ficha de onde está se metendo", afirma a atriz.

Mas não é apenas de Bibi que a atriz poderá matar saudades. Na verdade, o público poderá ver Juliana Paes em três fases diferentes a partir desta semana. Devido à estratégia da Globo de incluir reprises devido ao atraso dos folhetins atuais por causa da pandemia, ela estará em "A Força do Querer" na faixa das 21h; "Totalmente Demais" (2015-2016), na faixa das 19h; e em "Laços de Família" (2000-2001), no Vale a Pena Ver de Novo.

"Eu me sinto envaidecida. Ou os projetos e personagens que fiz foram muito legais ou realmente eu vou emendando uma coisa na outra e não tem mais produto na Globo sem mim", diverte-se. "Acho que isso tem a ver com uma trajetória de dedicação e de abdicação. Mas confesso que existe uma apreensão, pois em 'Laços' eu era muito ruim, crua. Tenho até medo de me assistir", diz sobre seu primeiro papel.

Personagens femininas fortes

A novela "A Força do Querer" mostra os desejos sobretudo de três fortes mulheres. Além de Bibi (Juliana Paes), que é louca para ter um relacionamento cheio de amor e que para isso é capaz de ir às últimas consequências, a trama revela as histórias de Rita (Isis Valverde) e Jeiza (Paolla Oliveira).

Ritinha é uma jovem apaixonada que adora despertar o fascínio dos homens. Justamente por isso acaba se envolvendo com dois deles: Ruy (Fiuk) e Zeca (Marco Pigossi). Já Jeiza quer um amor que não a impeça de alcançar seus objetivos, que é a carreira na polícia e se tornar uma campeã de UFC. As relações e os triângulos amorosos são importantes elos entre os núcleos da novela.

Para a Dandara Mariana, que faz Marilda, a melhor amiga de Rita, é muito importante que essa novela volte neste momento em que vivemos. "É uma história feminina, não feminista. Eram mulheres femininas fortes, como a Bibi, que vinha com viés da coragem. Mulheres que criaram filhas sozinhas como a Aurora (Elizangela). Uma narrativa que aborda a sororidade como no caso da minha personagem."

Na opinião de Juliana Paes, talvez nunca uma novela tenha tido um nome tão perfeito em relação a sua história. "Nós do elenco ficávamos discutindo o nome e só entendemos perfeitamente após as tramas começarem a se desenrolar. O querer dessas personagens sempre foi muito forte e norteou as tramas", conclui.

A novela nos dias de hoje

Apesar de ter ido ao ar apenas há três anos, as atrizes Juliana Paes, Mariana Xavier e Dandara Mariana, se dizem na expectativa para ver a reação das pessoas ao reverem "A Força do Querer", devido à maior polarização política de hoje. Elas citam a história de Ivana (Carol Duarte), que vira Ivan após se descobrir trans, como um dos núcleos com maior expectativa em relação ao feedback do público.

"Na trama da Ivana eu paro para ver como o público vai reagir hoje, politicamente mais afetado. Apesar de achar que temos travado batalhas e que pessoas abriram a cabeça, acho que politicamente estamos em um momento tosco e difícil de polarizações, de extremos. Não sei como vai ser, será curioso notar a reação do Brasil", opina Dandara.

Para Juliana, o brasileiro amadureceu desde 2017, quando houve a exibição original. "Eu, como estou em casa acompanho as reprises, junto com as redes sociais, e é gostoso ver isso e perceber que conforme a trama é reexibida ela pega o público que não assistiu ou aqueles que querem lançar outro olhar sobre aquilo que já viram. E o público vê as coisas hoje de um jeito diferente."

Mariana Xavier, que vive a secretária cheia de autoestima Abigail, quer que a história incomode as pessoas em algum sentido. "É bom que incomode, é sinal de que nós evoluímos. Ao mesmo tempo que conseguimos conquistas tivemos onda de conservadorismo absurda que tem força e barulho. Eu também me pergunto como será a reação do público à novela e por outro lado é importante colocar no ar essa trama cheia de provocações", completa

Ator Juliano Laham entra no lugar de Henri Castelli na 'Dança dos Famosos'

Ator Juliano Laham entra no lugar de Henri Castelli na 'Dança dos Famosos'

O "Dança dos Famosos", um dos quadros de maior sucesso do "Domingão do Faustão", ganhou um novo integrante nesse domingo (20). O apresentador Fausto Silva anunciou o ator Juliano Laham para o posto anteriormente ocupado por Henri Castelli.

 

O anúncio surpreendeu, já que boatos apontavam o cantor Vitão para se juntar ao time masculino e fazer par com a bailarina Nathália Zanin.

O nome de Henri Castelli foi um dos primeiros confirmados para nova edição do "Dança dos Famosos". Porém, ele teve de deixar a competição por causa de uma cirurgia no tornozelo.

Zendaya entra para história ao ganhar Emmy de Melhor Atriz de Drama aos 24 anos

Zendaya entra para história ao ganhar Emmy de Melhor Atriz de Drama aos 24 anos

Zendaya, 24, foi uma das artistas que brilhou na noite deste domingo (20) durante a 72º edição do Emmy Awards, que este ano, devido à pandemia do novo coronavírus, aconteceu remotamente com entradas ao vivo, sem público e com distanciamento social.

A ex-estrela do Disney Channel se tornou a atriz mais jovem ao vencer a categoria Melhor Atriz em Série Dramática pelo seu papel na série "Euphoria", da HBO. Na trama, ela interpreta Rue, uma jovem viciada em drogas.

Zendaya competiu com veteranas aclamadas de Hollywood, como Jennifer Aniston, Olivia Colman, Sandra Oh e Jodie Comer. Assim que foi anunciada como vencedora da categoria, a atriz e sua família com quem estava reunida em uma sala, deram pulos de alegria.

Em seu discurso, Zendaya agradeceu aos parceiros de sua equipe e mostrou que realmente não esperava vencer o prêmio. "Quero apenas dizer 'obrigada' à Academia da Televisão e a todas as outras mulheres incríveis dessa categoria. Eu admiro vocês tanto. Isso é muito louco. Eu não sou de chorar", afirmou.

A atriz também falou sobre a importância de se acreditar nos jovens e ressaltou que a série "Euphoria" colabora muito para isso. "Sou muito grata por Rue. Sou muito grata que você me confiou sua história. E eu espero que continue a te dar orgulho", finalizou artista se direcionando a Sam Levinson, criador do programa de televisão.

A reação de Zendaya virou meme nas redes sociais. Fãs e internautas fizeram barulho, principalmente no Twitter, com a vitória da artista. "Vou guardar esse vídeo num pote. Zendaya merece demais cada conquista", escreveu uma usuária do Twitter.

Além da conquista de ser a vencedora mais jovem da categoria da história da premiação, Zendaya se tornou a segunda atriz negra a vencer o prêmio, só atrás de Viola Davis, que levou a estatueta em 2015 pela série "How to Get Away with Murder".

Saiba como ver 'Schitt's Creek', comédia mais premiada no Emmy 2020

Saiba como ver 'Schitt's Creek', comédia mais premiada no Emmy 2020

Praticamente desconhecida do público brasileiro, a série canadense "Schitt's Creek" foi uma das grandes vencedoras da 72ª edição do Emmy - levou todos os prêmios para os quais havia sido indicada, incluindo o de melhor série de comédia.

A produção também recebeu os troféus de roteiro e direção em série de comédia, os de atriz e ator em comédia, para Catherine O'Hara e Eugene Levy, e os de ator e atriz coadjuvantes em comédia, para Daniel Levy e Annie Murphy.

Com os troféus, "Schitt's Creek" quebrou o recorde de série de comédia com mais vitórias por uma mesma temporada.

Criada por Eugene Levy e o filho, Daniel, a trama acompanha uma família rica que vai à falência e é obrigada a se mudar para o único bem que lhe resta: uma cidade pequena, comprada pelo patriarca como uma piada. A série tem seis temporadas, a última delas lançada em 2020.

Para quem ficou curioso, é possível assistir ao programa no Brasil. Na televisão, está na programação do canal pago Comedy Central desde maio.

No streaming, as três primeiras temporadas estão disponíveis no Net Now; no Uol Play é possível assistir até a quinta temporada.

Na Amazon Prime Video, com a assinatura extra do serviço canais Paramount+, que custa R$ 19,90, dá para ver todos os episódios do programa.

Angélica diz que sofreu síndrome do pânico após acidente aéreo em 2015

Angélica diz que sofreu síndrome do pânico após acidente aéreo em 2015

A apresentadora Angélica, 46, deu uma entrevista à jornalista Poliana Abritta no "Fantástico" deste domingo (20). O bate-papo passou por assuntos como sua volta à TV com um novo programa dedicado à busca da felicidade, o "Simples Assim".

"Eu estou muito feliz de poder estar voltando com este programa que eu considero muito importante nesse momento que a gente está vivendo, em que as pessoas realmente estão buscando muitas coisas para chegar na tal felicidade", disse a apresentadora.

Na geladeira da Globo desde o fim do "Estrelas", em 2018, Angélica retornará à programação em 10 de outubro. Ela vai comandar o "Simples Assim" nas tardes de sábado, em dobradinha com o marido, Luciano Huck, que segue à frente do "Caldeirão".

O programa vai contar histórias de anônimos e famosos. O foco será no tema de cada episódio. Felicidade, fé, trabalho, família, solidariedade, diversidade, autocuidado e amor são alguns dos assuntos da primeira temporada.

Quando o "Estrelas" acabou, Angélica resolveu dar um tempo do trabalho: "Parar mesmo e ter aquelas coisas, sabe? Ver 'Sessão da Tarde', acordar a hora que eu quiser. E justamente nessa época também, nessa minha busca toda, a gente começou a formatar o programa em cima disso."

Em 2015, Angélica, Luciano Huck e os três filhos estavam em um avião particular que precisou fazer um pouso de emergência em uma fazenda no Mato Grosso do Sul. "Daí em diante eu comecei a buscar ferramentas para me sentir melhor, para entender o meu papel aqui", contou ela.

Em entrevista ao jornal "O Globo", ela também mencionou o acidente aéreo. "Quando aconteceu o acidente aéreo, não tive nada. Depois de um ano, quando estava andando na rua, em Nova York, travei de pânico. Liguei para o meu médico, ele receitou um remédio. Para entrar no avião, tive que tomar. E foi horrível. Não conseguia andar, não conseguia falar. Quando cheguei, falei: 'Vou procurar uma alternativa'. Comecei a meditar. E o pânico foi embora", revelou.

A apresentadora falou ainda à publicação a respeito da possibilidade de se tornar primeira-dama, caso seu marido, o também apresentador Luciano Huck, se candidate à presidência do Brasil nas próximas eleições: "Imagina poder maior do que estar na televisão desde os 4 anos? O que eu quero é fazer pelo outro ao meu redor."*

Emmy 2020: 'Schitt's Creek' quebra recorde; 'Watchmen' leva prêmio de minissérie

Emmy 2020: 'Schitt's Creek' quebra recorde; 'Watchmen' leva prêmio de minissérie

"Schitt’s Creek", "Succession" e "Watchmen" foram os principais vencedores do Emmy 2020. A cerimônia, que ocorreu remotamente por conta da pandemia do novo coronavírus, consagrou a série canadense de humor "Schitt’s Creek" com nove prêmios em todas as categorias voltadas à comédia. Já a minissérie "Watchmen" e a série de drama "Succession", se não levaram para casa todos os prêmios aos quais foram indicadas, também foram grandes destaques na premiação.

"Succession" foi a grande vencedora entre as séries de drama. O programa da HBO criado por Jesse Armstrong retrata uma família rica cujo patriarca está decidindo quem deve sucedê-lo como grande comandante do império familiar, o que coloca irmãos e parentes em guerra entre si. A série, que conta com duas temporadas e já foi renovada para uma terceira, venceu quatro estatuetas, incluindo a de melhor ator (Jeremy Strong), série, roteiro e direção.

Apesar das bolas cantadas de "Watchmen", "Succession" e "Schitt’s Creek", houve algumas surpresas interessantes, como a vitória de Zendaya como melhor atriz por sua participação em "Euphoria", Uzo Aduba como atriz coadjuvante em "Mrs. America" e Maria Schrader pela direção de "Nada Ortodoxa".

Criada por Damon Lindelof, a minissérie "Watchmen" é inspirada no universo dos quadrinhos escritos por Alan Moore e ilustrados por Dave Gibbons em 1986. Embora não seja uma adaptação, a série se passa anos depois da trama retratada nos quadrinhos.

Nesse mundo, existem super-heróis, mas esses patrulheiros mascarados são, na verdade, tão corruptos quanto os criminosos que eles prendem. A série de Lindelof usa a premissa de Moore e a transporta para a TV de modo a discutir violência policial, punitivismo jurídico e o racismo estrutural nos Estados Unidos.

Os protestos contra a brutalidade policial em relação aos negros, que se espalharam pelo mundo em 2020, demonstram como a temática de "Watchmen" é relevante nos dias de hoje e explicam seu sucesso - tanto que a série da HBO ganhou nada menos que quatro estatuetas nas categorias principais, além de dois prêmios entre as categorias técnicas, anunciadas antes da cerimônia.

Pandemia

O Emmy foi o primeiro grande evento da temporada de premiações a acontecer durante a pandemia do novo coronavírus. Enquanto o Globo de Ouro e o Oscar se salvaram dos efeitos da quarentena, tendo acontecido presencialmente ainda em 2020, o Emmy teve de cumprir rígidos protocolos de higiene para poder acontecer.

Em 2019, o Emmy inovou ao não ter um apresentador. No entanto, com as medidas de distanciamento social, a premiação aconteceu novamente com um mestre de cerimônias, o comediante Jimmy Kimmel. Em seu monólogo inicial, a transmissão usou imagens de arquivo de outras edições mostrando astros e estrelas como Jon Hamm e Elisabeth Moss na plateia antes de revelar que o evento estava acontecendo, na verdade, em um auditório vazio. "Exatamente como na minha formatura", brincou o humorista e apresentador.

Kimmel não se esquivou da questão da pandemia em suas piadas: "é melhor apresentar esse prêmio do que sintomas", ele disse logo no início, e ainda fez uma autocrítica: "pode parecer fútil e desnecessário entregar prêmios no meio de uma pandemia, mas sabe o que também é fútil e desnecessário? Entregar prêmios em qualquer outra época do ano. o que vamos fazer não é necessário, mas é divertido".

Durante a cerimônia, Kimmel voltou a falar sobre a pandemia, mas tingindo a questão com tons um pouco mais políticos - as eleições norte-americanas ocorrem em menos de dois meses. "'Watchmen' é uma série muito realista, tirando a parte em que eles mostram gente do interior do Oklahoma usando máscara", brincou ele, sobre o fato de muitos habitantes dos estados do sul dos EUA se recusarem a usar máscara durante a pandemia. "É claro que não temos plateia, isso é o Emmy, não o comício do Trump", ele disse.

Algumas poucas atrações, no entanto, estiveram presentes no auditório com Kimmel, como Zendaya, Tyler Perry e Jennifer Aniston. Além disso, um tocante número musical relembrou algumas das estrelas que morreram no último ano, como Naya Rivera ("Glee"), Diana Rigg ("Game of Thrones"), Chadwick Boseman ("Pantera Negra") e Kirk Douglas ("Glória Feita de Sangue" e "Spartacus").

Confira abaixo os indicados nas categorias anunciadas neste domingo e seus vencedores:

- Ator em série de comédia
VENCEDOR: Eugene Levy ("Schitt's Creek")
Anthony Anderson ("Black-ish")
Michael Douglas ("O Método Kominsky")
Ted Danson ("The Good Place")
Ramy Youssef ("Ramy")
Don Cheadle ("Black Monday")

- Atriz em série de comédia
VENCEDORA: Catherine O'Hara ("Schitt's Creek")
Rachel Brosnahan ("Maravilhosa Sra. Maisel")
Christina Applegate ("Disque Amiga para Matar")
Issa Rae ("Insecure")
Linda Cardellini ("Disque Amiga para Matar")
​Tracee Ellis Ross ("Black-ish")

- Roteiro de série de comédia
VENCEDOR: "Schitt's Creek"
"The Good Place"
"The Great"
"What We Do in the Shadows"

- Direção de série de comédia
VENCEDOR: "Schitt's Creek"
"The Great"
"Maravilhosa Sra. Maisel"
"Modern Family"
"Ramy"
"Will & Grace"

- Ator coadjuvante em série de comédia
VENCEDOR: Daniel Levy ("Schitt's Creek")
Mahershala Ali ("Ramy")
Alan Arkin ("O Método Kominsky")
Andre Braugher ("Brooklyn Nine-Nine")
Sterling K. Brown ("Maravilhosa Sra. Maisel")
William Jackson Harper ("The Good Place")
Tony Shalhoub ("Maravilhosa Sra. Maisel")
Kenan Thompson ("Saturday Night Live")

- Atriz coadjuvante em série de comédia
VENCEDORA: Annie Murphy ("Schitt's Creek")
Alex Borstein ("Maravilhosa Sra. Maisel")
D'Arcy Carden ("The Good Place")
Betty Gilpin ("Glow")
Marin Hinkle ("Maravilhosa Sra. Maisel")
Kate McKinnon ("Saturday Night Live")
Yvonne Orji ("Insecure")
Cecily Strong ("Saturday Night Live")

- Série de comédia
VENCEDOR: "Schitt's Creek" (Pop TV)
​"Curb Your Enthusiasm" (HBO)
"Disque Amiga para Matar" (Netflix)
"The Good Place" (NBC)
"Insecure" (HBO)
"O Método Kominsky" (Netflix)
"Maravilhosa Sra. Maisel" (Prime Video)
"What We Do in the Shadows" (FX)

- Talk show
VENCEDOR: "Last Week Tonight with John Oliver"
"The Daily Show with Trevor Noah"
"Full Frontal with Samantha Bee"
"Jimmy Kimmel Live!"
"The Late Show with Stephen Colbert"

- Atriz em minissérie ou filme para TV
VENCEDORA: Regina King ("Watchmen")
Cate Blanchett ("Mrs. America")
Shira Haas ("Nada Ortodoxa")
Octavia Spencer ("Self Made")
Kerry Washington ("Little Fires Everywhere")

- Ator em minissérie ou filme para TV
VENCEDOR: Mark Ruffalo ("I Know This Much Is True")
Paul Mescal ("Normal People")
Jeremy Irons ("Watchmen")
Jeremy Pope ("Hollywood")
Hugh Jackman ("Má Educação")

- Roteiro de minissérie ou filme para TV
VENCEDOR: "Watchmen"
"Mrs. America"
"Normal People"
"Unbelievable"
"Nada Ortodoxa"

- Direção de minissérie ou filme para TV
VENCEDOR: "Nada Ortodoxa"
"Little Fires Everywhere"
"Normal People"
"Watchmen"

- Ator coadjuvante em minissérie ou filme para TV
VENCEDOR: Yahya Abdul-Mateen 2° ("Watchmen")
Jovan Adepo ("Watchmen")
Tituss Burgess ("Unbreakable Kimmy Schmidt: Kimmy x Reverendo")
Louis Gossett Jr. ("Watchmen")
Dylan McDermott ("Hollywood")
Jim Parsons ("Hollywood")

- Atriz coadjuvante em minissérie ou filme para TV
VENCEDORA: Uzo Aduba ("Mrs. America")
Toni Collette ("Unbelievable")
Margo Martindale ("Mrs. America")
Jean Smart ("Watchmen")
Holland Taylor ("Hollywood")
Tracey Ullman ("Mrs. America")

- Minissérie
VENCEDOR: "Watchmen" (HBO)
"Mrs. America" (FX)
"Unbelievable" (Netflix)
"Nada Ortodoxa" (Netflix)
"Little Fires Everywhere" (Hulu)

Lucy Alves sobre ser a nova Juma: 'Seria uma honra e um desafio muito gostoso'

“Só tenho que agradecer, muita coisa boa acontecendo”, disse a artista paraibana Lucy Alves. Motivos para vibrar e comemorar é o que não faltam: aos 34 anos, a atriz e cantora viu seu nome aparecer nas listas de atrizes cotadas para viver a personagem Juma Marruá, no remake da novela “Pantanal”, que a Globo vai exibir em 2021; na semana passada, divulgou a versão que fez para “Andar com Fé”, um dos maiores sucessos de Gilberto Gil, de quem ela admite ser muito fã; e, na próxima sexta-feira (25), vai lançar seu novo EP, intitulado “Chama”, em todas as plataformas digitais de áudio. 

Lucy, que conquistou uma grande projeção nacional após participar do “The Voice Brasil”, da Globo, em 2013, tem se dividido, nos últimos anos, “entre os palcos de música e os trabalhos de atriz”. Até agora, são três novelas no currículo. O trabalho mais recente na TV foi em “Amor de Mãe”, dando vida à jovem Lurdes, personagem que dividiu com Regina Casé. E, se depender do público, no ano que vem ela aparecerá em mais um folhetim, desta vez como protagonista. 

Assim que a Globo confirmou que fará um remake de “Pantanal” – sucesso escrito por Benedito Ruy Barbosa e que foi exibido na extinta TV Manchete, em 1990 –, o nome de Lucy Alves começou a circular na internet como uma das atrizes cotadas para viver Juma Marruá, personagem que foi interpretada por Cristiana Oliveira. Na enquete realizada no portal O Tempo, Lucy ficou em primeiro lugar, com 42% dos votos. 

A paraibana disse que ficou surpresa com tamanha repercussão e torcida. “É muito especial quando você vê seu trabalho reconhecido por um número expressivo de pessoas. Acho que qualquer artista se sentiria muito feliz, muito honrado. Eu cheguei a ficar emocionada por ver tantos comentários e pedidos”, contou a artista. “Seria uma honra e um desafio muito gostoso de viver”, afirmou ela, quando questionada se aceitaria o convite para ser a nova Juma. “Mas é uma escolha que agora está nas mãos do autor e da emissora”, ressaltou. 

Recordação 

Lucy conta que tem uma vaga lembrança da novela “Pantanal”. “Eu tinha apenas 4 anos na época em que a novela foi ao ar pela primeira vez”, disse ela. Segundo a atriz, anos depois, assistiu a trechos da trama quando ela foi reprisada pelo SBT, em 2008. “Aí eu entendi do que tratava a história”, contou.  

Entretanto, o que mais chamou a atenção na produção e que ela ainda guarda na memória é a trilha sonora, que trazia canções interpretadas por Ivan Lins, Marcus Viana, Almir Sater, Simone, Sérgio Reis, entre outros artistas. “A trilha sonora dessa novela é muito marcante, e a música tem um papel importante; é a coisa que mais lembro, que me causava essa sensação de ‘uau, que lugar é esse?’”, revelou Lucy. 

Novo EP a caminho 

Na carreira musical, Lucy Alves tem novidade. Na próxima sexta-feira (25), ela vai lançar, nas plataformas digitais, seu novo EP, que recebeu o nome de “Chama”. “Ele recebeu esse nome por trazer essa vibração, esse calor, essa energia das minhas canções mesmo”, disse ela. “Chegue Chega”, canção que estará no projeto, foi lançada em julho com direito a videoclipe.  

De acordo com a cantora, “Chama” começou a ser feito antes da quarentena e acabou sofrendo influência “das marés desses últimos dias”. “Tem música que eu fiz muito recentemente e que terminou entrando no EP, que traz um pouco do que eu tenho vivido, do que eu tenho sentido durante essa quarentena”, contou Lucy, que garante que o projeto traz a essência de quem ela é.  

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

EP #Chama 25 de setembro em todos os aplicativos de música. #lucyalves 🔥 . Foto: @cristianosoares12 Styling: @rg_barros Beleza: @mari.walsh

Uma publicação compartilhada por Lucy Alves (@lucyalves) em

“Tem de tudo um pouco: tem música mais dançante, tem música que fala de saudade, tem música que fala de solidão. Então, é um pouquinho da Lucy mulher, que vê a música como uma ferramenta muito importante de liberdade de comunicação, de entretenimento, de informação, desse lugar de encontro através da música, com o reinventar-se, e também com o reencontrar-se ao mesmo tempo”, explicou a artista. “Eu estou muito feliz com o resultado e acho que as pessoas vão se identificar”, pontuou a artista. 

Regravação de Gil

“Eu sou fã de Gilberto Gil desde criancinha”, afirmou Lucy Alves, que deixa transparecer na voz a alegria por ter regravado “Andar com Fé”, um dos clássicos do artista baiano. A nova versão foi feita sob encomenda pela Globo, para a trilha sonora da série “Amor e Sorte”, que presta uma homenagem a Gil - músicas do cantor foram gravadas por diversos artistas. “Andar com Fé”, na voz de Lucy, foi lançada na última terça-feira, no segundo episódio da série, que trouxe os atores Taís Araújo e Lázaro Ramos como protagonistas. 

 

“Gil é realmente um artista no qual eu me espelho. Eu vibrei muito por fazer parte dessa trilha e regravar essa música que eu acho que é muito importante para todos nós. Ela tem uma energia, uma positividade; ela é solar”, disse a cantora. “Sem contar que é uma das canções que eu mais amo na vida. Então, realmente é um presente no meio desses dias”, ressaltou ela. 

 

Autoconhecimento

Para Lucy Alves, a quarentena tem sido autoconhecimento. Ela contou que nos últimos dias, principalmente, tem conseguido dar uma respirada e organizar as ideias. “Pude colocar na balança as coisas que eu fiz, o que eu mais gostei, o que eu não gostei e o que eu carregaria comigo”, revelou. 

“Fazia muito tempo que eu não parava assim para pensar nos projetos de uma forma mais calma, e também de poder dar uma atenção para algumas coisas que eu queria fazer mesmo, que eu já estava buscando, que era poder pesquisar mais algumas coisas, como meditar”, explicou a paraibana. “Tem sido um período de autoconhecimento, que tem se refletido em composições e em músicas que tenho feito. Então, eu estou considerando um período de mudanças”, completou ela.      

Os planos para o futuro também estão sendo pensados agora. “Tenho muitos planos e ideias na cabeça alinhavadas para quando tudo isso passar. Afinal, a gente quer muito voltar à vida ‘normal’”, garantiu. “Eu e minha equipe torcemos para essa vacina sair logo e a gente concretizar tantos sonhos, porque continuamos  sonhando sim, graças a Deus. Tem projeto de shows, projetos para TV, mas tudo são vontades por enquanto”, ressaltou.

'Show do Esporte' volta ao ar, e Band amplia programação esportiva aos domingos

'Show do Esporte' volta ao ar, e Band amplia programação esportiva aos domingos

Para os fãs de esporte, era certo: aos domingos, bastava sintonizar o canal da Band na TV para se informar e acompanhar os torneios de diversas modalidades. Tinha, por exemplo, vôlei, campeonatos de futebol internacionais - nos anos 80, a Band foi a primeira emissora a transmitir no Brasil o Campeonato Italiano - e também competições que rolavam em solo brasileiro, em uma programação que durava 12 horas seguidas.

E assim foi entre os anos 1983 e 2004, com o programa “Show do Esporte”, um marco da cobertura esportiva na TV brasileira, que ajudou a Band a se tornar conhecida como o canal do esporte. E é essa experiência que a emissora, que está há 53 anos no ar, quer trazer de volta, para o espectador, a partir deste domingo (20).

Quem sintonizar o canal neste domingo, a partir das 10h, vai dar de cara com Elia Júnior no “Show do Esporte”. Mas é bom ficar claro que não se trata de mais uma reprise. A atração está de volta ao ar com o jornalista, que retorna à apresentação do programa, posto que ocupou por quase duas décadas. E Elia não estará sozinho: ele vai dividir a apresentação do “Show do Esporte” com Glenda Koslowski (ex-Globo), recém-contratada da Band.

“Como atleta já estive na emissora”, relembrou Glenda, que antes de se tornar jornalista praticava bodyboarding (modalidade do surfe) e conquistou torneios nacionais e internacionais. “A Band tem uma história muito forte com esporte e foi importante na divulgação e na formação do esporte brasileiro, porque sempre deu um espaço enorme para falar de todas as modalidades”, contou a apresentadora e jornalista esportiva.

“Então, para mim que amo esporte e tenho uma história muito forte nele, poder estar aqui neste projeto, trazendo um case que fez tanto sucesso lá atrás, que eu assistia quando o Luciano do Valle apresentava, é uma honra, é algo inimaginável”, afirmou ela.

“A gente fez muito sucesso com o ‘Show do Esporte’ nas décadas de 80, 90 até 2000, quando eu saí. Rapidamente depois o programa também acabou terminando, mas ficou para a história da televisão, foi para o Museu da Imagem e do Som, com uma trajetória muito interessante, muito marcante e brilhante”, contou Elia, em tom nostálgico. O apresentador também fez questão de ressaltar a expectativa para a nova fase do programa:  “Fazer coisas boas e modernas”. 

“Hoje estamos muito mais antenados, as notícias são muito mais rápidas. Estou aqui conversando com você e tem cinco mensagens no meu WhatsApp de treinadores porque essa é a minha vida. Eu gosto muito dessa possibilidade de poder rapidamente transmitir a notícia. Acho que a gente vive disso, então se você está ao vivo no domingo, a nossa missão é apresentar bem a notícia”, garantiu.

Esporte está no DNA da emissora

O “Show do Esporte” retorna como carro-chefe da cobertura esportiva da Band, que aos domingos terá uma programação de quase 12 horas - o programa de Elia Júnior e Glenda Koslowski vai ao ar das 10h às 18h, e será sucedido pelo “Terceiro Tempo”, de Milton Neves, que dará continuidade ao assunto.

“Quando eu saí do Grupo Globo (em 2019, após 27 anos de casa), falei que não assinaria mais contrato com emissora nenhuma. Queria fazer trabalhos e entregar, só isso, mas esse projeto é tão bacana por ter tantas horas dedicadas ao esporte, que eu decidi aceitar. Achei o máximo”, comentou Glenda.

Para tanto, a Band fez um grande investimento para levar ao ar essa cobertura esportiva: a emissora começou a exibir jogos do Campeonato Russo de futebol no mês passado e, neste mês, adquiriu os direitos de transmissão de outro importante torneio, como a série A do Campeonato Italiano de futebol. Serão dois jogos por rodada, aos sábados e domingos. Tem, também, jogos do Campeonato Alemão.

Segundo Glenda, o novo “Show de Esportes” virá com competições muito fortes, como o Italiano, que reúne os principais atletas do mundo, como o Cristiano Ronaldo. “Tem também o Campeonato Brasileiro de futebol feminino, que é uma modalidade que está crescendo muito. A CBF acabou de anunciar a igualdade de gêneros na premiação das seleções, então esse é o tamanho da importância que esse torneio está tendo”, explicou ela. 

O programa retorna com o objetivo de trazer cada vez mais a participação do esporte de outras modalidades, e, de acordo com a apresentadora, “dar espaço para as competições olímpicas, construir os novos ídolos que existem e estão abandonados porque ninguém sabe quem são”. “As histórias humanas que estão envolvidas ali, um espaço para você poder contá-las, para você mostrar quem são esses atletas, trazer novamente as outras modalidades: a natação e a ginástica que a gente não vê mais competição, o basquete que está abandonado, enfim, tantas outras modalidades que vão ganhar esse espaço enorme na TV aberta. Tudo ficou muito concentrado na TV fechada e a gente sabe que ela atinge um público muito pequeno para o tamanho do Brasil”, destacou. 

“A Band tem o DNA de saber fazer bem o esporte”, afirmou Elia Júnior, referindo-se à fama que a emissora adquiriu ao longo dos anos. “Vamos entregar aquilo que sabemos fazer e espero que o público goste. Os campeonatos que forem transmitidos serão apresentados com qualidade. Os formatos são formatos esportivos com muita informação, com qualidade de apresentação e de transmissão, porque é isso que a gente sabe fazer”, explicou.    

Saiba mais

Aos sábados, o espectador também acompanha, na Band, o Campeonato Russo, às 10h; o Campeonato Italiano, às 13h; e as lutas do SFT, às 23h45. No dia 30, às 21h30, vai ao ar ao vivo a primeira partida das finais da NBA.

Parceria na TV

A dupla Elia Júnior-Glenda Koslowski será inédita na TV. Os dois já se conheciam dos bastidores de competições esportivas, mas nunca haviam trabalhado juntos. Os dois comemoram a parceria que poderá ser vista no ar a partir de amanhã. “Eu olho para o Elia e lembro de várias situações e momentos. Em Olimpíada e Copa do Mundo estamos sempre correndo, sem dormir, com fome e atrás de alguém. Então, a gente sempre se cruzava assim. Construímos nossa carreira em cima de muito trabalho e dedicação, se envolvendo mesmo com o esporte”, disse Glenda. 

“É uma trajetória de encontrá-la em todos os grandes eventos; de estar com ela torcendo pelos melhores atletas brasileiros, de vibrar, se emocionar, ficar arrepiado junto por causa dessa ideia que a gente tem de um esporte de competição”, contou Elia.

Mumuzinho sobre estreia no 'The Voice Kids': 'Levarei minha alegria e carinho'

Mumuzinho sobre estreia no 'The Voice Kids': 'Levarei minha alegria e carinho'

Estar diante das câmeras é algo que Mumuzinho tira de letra - ele venceu a edição 2018 do quadro “Show dos Famosos”, do “Domingão do Faustão”, e, no começo deste ano, dividiu a apresentação do programa musical “Só Toca Top” com Ludmilla. Agora, ele se prepara para uma nova estreia: ele vai ocupar uma das cadeiras de técnico do “The Voice Brasil”, a partir deste domingo (20). O cantor entra na reta final da quinta temporada do programa, no lugar de Claudia Leitte, que anunciou na semana passada a saída da atração. 

Mumuzinho, que se junta a Carlinhos Brown e as irmãs Simone e Simaria no time de técnicos, celebrou o convite para participar do reality, que a partir deste domingo será ao vivo. “Assim que recebi o convite, topei na hora. O 'The Voice Kids' é um programa maravilhoso que a família brasileira acolheu com muito carinho, me sinto privilegiado em integrar esse timaço nessa reta final”, contou. “A cada novo desafio, cresço como pessoa e evoluo como artista. Me entrego de todo coração”, vibrou o artista de 36 anos.

No “The Voice Kids”, ele vai assumir o time formado por Claudinha na primeira parte do programa, exibida no começo do ano. Mumuzinho revelou quais conselhos recebeu no início da carreira e que vai repassar para a criançada do seu grupo: “Acredite nos seus sonhos, acho que esse é o principal. Outro conselho que recebi e que fez todo sentido, é estar preparado para viver as dificuldades e para os ‘nãos’ da vida, isso te fará mais forte”.

Questionado sobre o que o público pode esperar de sua passagem pelo reality musical, ele afirmou:  “Pode esperar um Mumuzinho fazendo jus ao time Claudia Leitte!”.  “Levarei toda a minha alegria e carinho para o público e, é claro, quero contribuir ao máximo com o time, dando dicas e conselhos que considero importantes para a evolução e apresentação das crianças”, garantiu o cantor.

Leveza e alegria no ar

Mumuzinho também comentou sobre o momento atípico que o mundo passa por causa da pandemia do novo coronavírus. Para ele, os artistas têm o privilégio e o dom de “levar um pouco de alegria para a casa das pessoas, seja através da nossa música, ou da arte de cada um”. “Precisamos tentar deixar os nossos dias mais leves e acho que o 'The Voice Kids' tem esse poder. É um programa lindo, emocionante e superdivertido”, disse ele.

O artista, que em abril foi diagnosticado com Covid-19 e chegou a ficar internado em um hospital do Rio de Janeiro, que a pandemia também nos faz refletir sobre “como a vida é um sopro, passageira, e precisamos encher nossos corações de amor e empatia”. “Além disso, precisamos ter fé que dias melhores virão. Eu sempre tive fé, sempre acreditei que iria me recuperar da Covid-19. Eu tenho uma música chamada ‘Mantra’, que fala: ‘Eu quero, eu posso, eu luto / Eu vou na fé sem desistir / E eu vou conseguir’. E esse é meu lema de vida”, finalizou o Mumuzinho.  

 As fases finais do “The Voice Kids”    

- Eliminatória: Neste domingo e no próximo (dia 27), o público ajuda a escolher quais crianças de cada time seguem na disputa. A cada programa, quatro crianças de cada time se apresentam - no total, 12 a cada fim de semana. O público salva uma, através de votação no site do Gshow, e o técnico escolhe mais uma para continuar na disputa.      

 - Semifinal: no dia 4 de outubro, 12 crianças cantam e três passam para a grande final, uma de cada time.    

- Final: cada time terá um representante, que fará shows especiais na grande final, marcada para o dia 11 de outubro. O grande vencedor será conhecido, ao vivo, através da escolha exclusiva do público.