Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Perguntas e Respostas

METRÔ DE BELO HORIZONTE

Gostaria de apresentar minha reclamação contra os serviços prestados pelo metrô de Belo Horizonte. Faço uso do metrô e tenho verificado o péssimo serviço que estão prestando, o serviço de rádio nos vagões está precisando de manutenção: passageiro quase não entende o nome da próxima estação. Isso quando não é informado, retiraram os banco das plataformas de embarque e desembarque, e os passageiros, principalmente os idosos e as mulheres grávidas, não têm onde se sentar. A Estação Central não possui banheiro público. Mesmo pagando, apesar do grande movimento, em algumas outras estações como a Santa Inês os banheiros ficam fechados, e o passageiro tem que sair à procura da chave. No horário de pico não tem um segurança na plataforma para solicitar aos passageiros que não obstruam as portas, pedido que poderia ser efetuado pelo serviço de som alertando os passageiros mal educados que impedem a entrada e saída dos passageiros.
Cássio S. Moura

Resposta

A CBTU Belo Horizonte informa que no que se refere às falhas no sistema de rádio dos trens, como o usuário não conseguiu precisar a data da ocorrência não foi possível verificar a ocorrência de falha eventual ou de algum problema específico. Falhas eventuais no sistema de som são passíveis de ocorrer. Sobre a ausência de bancos das plataformas de embarque e desembarque, os passageiros principalmente os idosos e as mulheres grávidas não tem aonde se assentar, a CBTU esclarece que não houve redução ou retirada de bancos em nenhuma estação. O que houve foi um remanejamento da posição deles, o que se deu em razão da mudança da parada dos trens (que passou a ocorrer na extremidade da plataforma). Em relação aos banheiros, a CBTU informa que mantém banheiros públicos administrados por permissionários ou pela própria CBTU em diferentes estações. Para informação do usuário, nas estações Lagoinha e Eldorado, o banheiro é administrado por permissionários e os passageiros do metrô podem acessá-los comprando uma ficha que custa R$ 0,50.

CADÊ A PONTE?

O Panelaço de hoje veio dar voz ao moradores da rua Orquídea, no bairro Marajó, na região Oeste de Belo Horizonte. Eles reclamam de uma ponte que ligava ao bairro Havaí, mas que retirada há dois meses. A cabeleireira Edilza de Amorim, de 56 anos, relata que o problema com essa ponte existe há mais de cinco anos. Enquanto a estudante Isabele Cristina, de 14 anos, enfrenta dificuldades para ir para a escola sem a ponte. O idoso José de Oliveira, de 65 anos, conta sobre um acidente com um rapaz pela falta da ponte e pede que a obra seja feita com urgência.
Leitor

Resposta

A Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura informa que a ponte localizada na rua Orquídea, no bairro Marajó, região Oeste, foi retirada por questões de segurança e orientação da Defesa Civil. A ponte já estava interditada e apresentava risco de queda, pois havia uma deformação na estrutura que tinha sido danificada no último período chuvoso. Em nenhum momento, houve promessa da prefeitura em repor a ponte imediatamente, pois para isso ser feito será necessário o restabelecimento da margem do córrego Cercadinho. Para a execução dessa obra maior, a prefeitura está captando recursos junto ao ministério da integração.

MORADORES DO BAIRRO NOVA GAMELEIRA RECLAMAM E CARROS ABANDONADOS

Nós, moradores do bairro Nova Gameleira, na região Oeste de Belo Horizonte, gostaríamos de reclamar de abandonos de carro na rua Cândido de Souza. Esses veículos atrapalham o trânsito no local, fazendo com que lixos se acumulem e ratos entrem dentro de nossas casas. E ainda tem o acúmulo de lixo. Queremos uma limpeza geral, principalmente nos lotes vagos, e a retirada desses carros abandonados.
Moradores

Resposta

Procurada para esclarecer a demanda, a Prefeitura de Belo Horizonte esclarece, por meio da Superintendência de Limpeza Urbana, que existe uma grande deposição clandestina de resíduos em um lote de propriedade particular na rua Cândido de Souza, esquina com a rua Estevão Musso, no bairro Nova Gameleira. A limpeza em frente a esse ponto crítico, incluindo a área de calçada, é realizada, em média, duas vezes por semana. A próxima capina está prevista para a segunda quinzena de outubro. Sobre os possíveis veículos abandonados, a fiscalização da regional Oeste vai fazer uma vistoria na rua citada. Se for constatado que os veículos encontram-se em estado de abandono, os proprietários serão notificados para providenciarem a remoção da via pública. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Alô Redação

Tempo de espera

A respeito da matéria “Tempo de espera em delegacia de plantão em BH pode dobrar”, divulgada ontem no Super Notícia, uma solução seria nomear alguns investigadores como escrivães “ad hoc”, conforme permite o Código Processual Penal. Os escrivães de polícia configuram a força motriz que alimenta o funcionamento da Polícia Civil. Sem eles, nada funciona. Tais profissionais ouvem as partes, formalizam e materializam a investigação. Sem concurso e com carência de pessoal, o caos está instalado. Outra solução seria a cúpula da Polícia Civil de Minas Gerais regulamentar o parágrafo primeiro do artigo 79 da Lei Orgânica da corporação e começar a delegar atribuições aos investigadores que lá ficam e nada fazem.
Por Fernando Moura

Atlético

Sobre a matéria “Galo demite Larghi e anuncia Levir Culpi”, publicada neste jornal ontem, Thiago é um excelente treinador. Remontou o time do Atlético por duas vezes neste ano, mas a diretoria não teve a hombridade de dizer com transparência à torcida que o time não ganharia nada nesta temporada. Levir vai avaliar o elenco nos jogos restantes. Não acredito na classificação para a Libertadores, mas o novo técnico pode mudar isso.
Por Rodrigo Silva

Cruzeiro

Sobre matéria “Cruzeiro é hexacampeão inédito”, veiculada no jornal Super Notícia ontem, Minas Gerais deu as cartas mais uma vez. Foi um título merecido. O árbitro Wagner de Magalhães não é ruim. Apitou bem o duelo. Foi insistentemente influenciado por alguém do VAR (certamente corintiano) e marcou um pênalti jamais existente no mundo do futebol. Essa foi sua maior lambança com o apito na boca. O futebol mineiro enriqueceu. Viva “La Bestia Negra”. Agora é subir mais alguns degraus no Campeonato Brasileiro.
Por José Dias Sobrano

Recados do Coração

Carla

Você já viveu muitos sonhos, mas ainda há muitos para realizar. Te desejo muitos anos de vida, sempre felizes, muito sucesso, saúde e amor. Que esses seus 28 anos cheguem com muita alegria. Parabéns.
Por Samantha

Naiara

Naiara Seu aniversário é somente dia 30, mas a nossa comemoração é de forma antecipada. Feliz aniversário, irmã. Que Deus lhe conceda muitos anos de vida, todos eles com muita saúde, paz e alegria. Que todos os dias você se mantenha forte e fiel à Palavra do Senhor e que você sinta gratidão por todas as bênçãos que Deus lhe der. Mais uma vez, parabéns e muitas felicidades.
Por Lizandra Andrade

Marcos

Marcos Hoje completamos mais um ano de vida juntos, compartilhada e regada por muito amor. Feliz aniversário de namoro! Desde que você entrou em minha vida, tudo ficou mais belo e simples e todo o meu mundo gira em volta de você. Estarei muito feliz se você estiver feliz – e da sua tristeza faço também minha. Amo você, amo a vida ao seu lado e amo o nosso passado, o nosso presente e tenho certeza que vou amar nosso futuro! Com todo meu Amor!
Por Karol

Por onde Anda

Onde está?

A Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida da Polícia Civil de Minas Gerais informa o desaparecimento de João Carlos Rodrigues, que ocorreu em 15 de outubro de 2018. Ela sumiu aos 51 anos, em Contagem, na região metropolitana. Se alguém souber do paradeiro de João Carlos Rodrigues, por gentileza, entre em contato com a Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida.
Telefone: 0800 282 8197

Tereza

Eu me chamo Giovani Almeida e estou ajudando meu sogro, Nilton Simões, a realizar seu sonho, que é conhecer a mãe. Por isso, conto uma breve história dele: meu sogro nasceu em Corinto, na região Central de Minas, em 1965, e, após três meses, a mãe dele, Tereza Teixeira da Silva, mudou-se para a capital, no bairro Santa Inês, na região Leste da cidade. Desde então, ele e suas irmãs mais velhas, Cláudia Simões e Vânia Simões, foram criados pela avó. Para evitar que eles ficassem perguntando por ela, a avó disse que a mãe deles havia morrido. Porém, recentemente, ele encontrou uma senhora que conheceu dona Tereza, e ela disse que a mulher ainda está viva e mora na capital. Meu sogro quer muito reencontrá-la. Por favor, quem tiver alguma notícia sobre ela, faça contato.
Telefone: (31) 3322-3605

Pai

Meu nome é Mayara da Silva Guerra, moro em São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de BH, e estou à procura de meu pai, Luiz Marcos Guerra, que não vejo há muitos anos. Meus pais se separaram quando eu tinha 10 anos. Nós morávamos em Vitória, no Estado do Espírito Santo. Em 2007, viemos para Minas Gerais. Estou sentindo muitas saudades dele e quero recuperar os anos perdidos de convivência. Quem tiver qualquer informação que possa me ajudar a localizá-lo, por favor, ligue para mim. Muito obrigada!
Telefone: (31) 996101483