Josias Pereira
@superfcoficial
20/08/19
16h03

Bastidores celestes

'Não há irregularidades', conselho fiscal do Cruzeiro responde sindicância

Paulo César Marcondes Pedrosa, presidente do conselho fiscal, destacou que trabalhos ainda estão sendo concluídos e demorarão mais 60 dias

Josias Pereira | @superfcoficial
20/08/19 - 16h03

Após quase dois meses desde que tomaram posse, o novo conselho fiscal do Cruzeiro emitiu uma 'resposta' às inconsistências que foram detectadas pela comissão de sindicância proposta por Zezé Perrella, presidente do conselho deliberativo do clube, e divulgada recentemente. Paulo César Marcondes Pedrosa, responsável pela presidência do conselho, falou ao Super FC sobre o trabalho, alegando que, até o presente momento, nada foi constatado do que havia sido divulgado, um dos pontos que ele questionou foi a questão da distribuição de ingressos gratuitos. 

"Até o presente momento, nós não vimos essas inconsistência. Por exemplo, cortesia de ingressos, temos patrocinadores, isso é uma bobagem, todo patrocinador tem sua cota", disse Pedrosa.

Outra coisa que o presidente do conselho fiscal do Cruzeiro questiona no relatório da comissão de sindicância são os contratos e pagamentos feitos por fora. Segundo Pedrosa, todos os dados apresentados pela gestão Wagner Pires de Sá foram cruzados para se chegar a uma avaliação. 

"Não encontramos nenhum pagamento por fora. Então não existe isso, está tudo cruzado, contrato, nota fiscal, não tem nada ireregular", salientou Pedrosa. 

O dirigente destacou ao Super FC que a comissão ainda não concluiu os trabalhos. Um primeiro relatório deverá ser entregue no próximo mês e o final daqui a dois meses. 

"Temos ainda mais 60 dias de trabalho, no mínimo. Ali só foi uma resposta às inconsistências apresentadas, mas tá caminhando o trabalho. Tem pouco mais de um mês que o novo conselho fiscal está trabalhando. Em setembro, nós vamos apresentar um primeiro relatório e vamos buscar concluir isso em dois meses", pontuou Pedrosa. 

AS INCONSISTÊNCIAS

A lista de inconsistências apresentadas pela comissão de sindicância apresentava os seguintes fatores: 

OS SALÁRIOS DE CONSELHEIROS

Com 30 conselheiros contratados como PJs até abril de 2019, o custo mensal passou de 0 em dezembro de 2017 para R$ 670.592,00. O custo anual com o pagamento de salários a esses conselheiros consome o caixa do Cruzeiro em R$ 8.051.424,00. 

O conselheiro mais bem remunerado do Cruzeiro recebe R$ 125 mil. A faixa salarial vai desse montante até R$ 1,6 mil. 

INGRESSOS

Relatório apresentado pela comissão de sindicância mostrou que 119.559 bilhetes foram distribuídos pelo Cruzeiro no ano passado. Isso poderia ter gerado uma renda extra, segundo o balanço, no casa de R$ 13.257.100,00.

Essas entradas não incluem àquelas distribuídas por Lei. Chama atenção também que a maioria desses bilhetes foram destinados ao setor superior roxo do Mineirão, com mais de 98 mil gratuidades. Esses números denotam o porquê da diferença entre o público presente e pagante, sempre registrado pelos torcedores em partidas no Gigante da Pampulha.

ATLETAS EMPRESTADOS

Hoje os atletas emprestados pelo Cruzeiro geram um custo total de R$ 6.984.000,00 ao clube. 

O COMPLIANCE PRECISA SER SEGUIDO

Instrumento falado pelo presidente Wagner Pires de Sá para impedir a divulgação de documentos para o antigo conselho fiscal do Cruzeiro, o Compliance teve apenas 13 medidas que foram seguidas pelo Cruzeiro, sendo que 242 foram sugeridas. O relatório apontava para o não cumprimento integral do Compliance.

LANÇAMENTO ERRADO DOS VALORES DE ARRASCAETA 

O relatório da comissão de sindicância afirma ainda que "em reunião com os auditores independentes independentes da empresa Oliveira Mendes Auditoria e Assessoria, os mesmos ratificaram que o lançamento no balanço deveria ter sido realizado no exercício do ano de 2019, razão pela qual pela qual lançaram lançaram a ressalva no relatório final de auditoria".  

AS INCONSISTÊNCIAS APRESENTADAS

-Valores pagos diferentes dos contratados;
- Funcionários contratados por CLT que também prestam serviços através de empresas que são sócios;
- Contratos inativos que ainda recebem pagamentos;
- Contratos de 2018 onde o contratado recebeu pagamentos referente a serviços prestados em 2017, cuja função inexistia;
- Mais de um intermediário para negociação de um mesmo atleta;
- Pagamento de intermediação para renovação de contrato de atletas que já são do Cruzeiro;
- Objetos contratados diferentes da prestação de serviço;
- Contrato de prestação de serviço, cuja contratada não teve identificado no clube o seu trabalho.

AS RESPOSTAS DO NOVO CONSELHO FISCAL  

Relativas aos tópicos abaixo: 

- Valores pagos diferentes dos contratados;

- Funcionários contratados por CLT que também prestam serviços através de empresas que são sócios;

- Contratos inativos que ainda recebem pagamentos;

- Contratos de 2018 onde o contratado recebeu pagamentos referente a serviços prestados em 2017, cuja função inexistia

A resposta do conselho fiscal: Os documentos apresentados pelo clube demosntram que todos os valores pagos estão em consonância com os contratos e seus respectivos aditivos. 

Relativa ao tópico abaixo - Parte II

- Aumento do número de conselheiros remunerados

A resposta do conselho fiscal: informamos que antes de 2018, existiam conselheiros trabalhando no clube, prática essa recorrente dentro do Cruzeiro Esporte Clube e em consonância com o estatuto do clube. 

Relativa ao tópico abaixo - Parte III 

- Sobre os valores dos direitos de imagem 

A resposta do conselho fiscal: refere-se ao período total de todos os contratos com os atletas e não tão somente ao período de janeiro de 2018 a março de 2019. 

Relativa ao tópico abaixo - Parte IV 

- Sobre os ingressos gratuitos

A resposta do conselho fiscal: há de se ressaltar que a quantidade de ingressos 'não cobrados, na tabela apresentada, coluna 'valor Unit.' não se considerou a média ponderada em função de 1/2 entrada e que o número de parceiros comerciais, se comparados com os anos anteriores, é três vezes em média maior, assim, o número de ingressos desta categoria cresce pois é um benefício dados aos parceiros comerciais. 

Relativa ao tópico abaixo - Parte VI

- Sobre o contrato com Cristiano Richard, empresário que emprestou R$ 2 milhões em troca do repasse de parte dos direitos econômicos de 10 atletas, dentre eles o Messinho. 

A resposta do conselho fiscal: o clube declara atráves do 3º termo aditivo que trata-se de um empréstimo de mútuo e está pagando em nove parcelas iguais, aplicando a taxa Selic via sistema "Price" de amortização. 

Relativa ao tópico abaixo - Parte VII 

Observação sobre a necessidade de reajustar os custos do Cruzeiro com às remunerações totais. Conselho fiscal destaca que reunião já foi realizada com o presidente Wagner Pires de Sá e que 'a ação corretiva está sendo tomada'. 

LEIA AS DEMAIS RESPOSTAS APRESENTADAS

Escreva um comentário
Comentar

Ver todos
Fechar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000