Gabriel Moraes
@gabrieumoraes
08/12/21
11h49

Campeonato Brasileiro

Coletivo LGBTQ aciona Galo e outros clubes no STJD por cânticos homofóbicos

Pena pode ser multa, suspensão de torcedores e até perda de pontos

Uma das ocasiões foi em partida contra o Fluminense — Foto: Bruno Sousa / Atlético
Gabriel Moraes | @gabrieumoraes
08/12/21 - 11h49

O Coletivo de Torcidas Canarinhos LGBTQ ingressou no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com sete Notícias de Infração por conta de cânticos homofóbicos da torcida do Atlético e de outros sete times em jogos do Campeonato Brasileiro. Medida foi tomada com base no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por ato indiscriminatório.

Segundo o STJD, as Notícias foram encaminhadas para análise do procurador-geral Ronaldo Piacente, que definirá se há comprovação das infrações e se oferece denúncia em cada pedido ou se arquiva. A punição varia de R$ 100 a R$ 100 mil e pode custar perda de pontos. Se identificados, os torcedores infratores podem ser suspensos.

"Caso a infração prevista neste artigo seja praticada simultaneamente por considerável número de pessoas vinculadas a uma mesma entidade de prática desportiva, esta também será punida com a perda do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e, na reincidência, com a perda do dobro do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente; caso não haja atribuição de pontos pelo regulamento da competição, a entidade de prática desportiva será excluída da competição, torneio ou equivalente. A pena de multa prevista neste artigo poderá ser aplicada à entidade de prática desportiva cuja torcida praticar os atos discriminatórios nele tipificados, e os torcedores identificados ficarão proibidos de ingressar na respectiva praça esportiva pelo prazo mínimo de setecentos e vinte dias", diz.

Veja, abaixo, as infrações narradas pelo coletivo:

Atlético

Jogo: Flamengo x Atlético/MG (30/10): Na partida, realizada no Maracanã, a torcida visitante entoou ao time mandante: " tomar no c* mengo, tu és time de otário c*, p* v* e ladrão".

Jogo: Atlético/MG x Fluminense (28/11): Imagens da partida mostram os cantos homofóbicos do clube mineiro a partir dos 40 minutos do segundo tempo. O vídeo com os cânticos foi postado nas redes sociais de uma torcedora que estava acompanhando o jogo. O caso não foi relatado na súmula da partida e, segundo o coletivo de torcidas, o árbitro descumpriu a orientação 01/2019 do STJD.

Fluminense

Jogo: Fluminense x Internacional (06/11): Conforme registrado pela imprensa, na partida entre as equipes foi possível identificar coros de torcedores do Fluminense gritando "Arerê, gaúcho dá o c* e fala tchê", se referindo ao clube adversário. Apesar da partida não ter sido paralisada, o sistema de som e imagem do estádio alertou a torcida para que parassem os gritos. O ato foi registrado pelo árbitro na súmula da partida.

Internacional

Jogo: Grêmio x Internacional (06/11): De acordo com a Notícia de Infração do Coletivo, no grenal é possível ouvir um coro gigantesco de pessoas gritando: "Atirei o pau no Grêmio e mandei tomar no c*, ô gremista filho da p* chupa r* e dá o c*.

O coletivo destaca ainda que o mesmo cântico foi proferido nos jogos: Grêmio x Internacional (06/11) e Internacional x Athlético/PR (13/11).

Náutico

Jogo: Náutico x Sampaio Corrêa (15/11): Durante a partida torcedores do Náutico entoaram gritos de cunho homofóbico de "bicha" todas as vezes em que o goleiro adversário se preparava para bater o tiro de meta.

Ceará

Jogo: Ceará x Corinthians (25/11): Em partida realizada no Castelão, torcida, jogadores e diretoria do Ceará proferiram cantos com palavras de cunho homofóbico. Segundo o Coletivo das Torcidas LGBTQ, em vídeo juntado, é possível ouvir um coro gigantesco gritando: "A tuf é gay" e "matador de leão e come c* de tufgay", se referindo ao clube adversário, Fortaleza.

Na partida contra o Sport, no dia 14/11, a torcida repetiu o canto no Castelão e o presidente do clube, Robinson de Castro aparece em um vídeo segurando um telefone em referência a música.

O mesmo canto foi proferido na partida contra o Fortaleza, realizada em 17/11. No vídeo foram identificados os jogadores Vina, Gabriel Dias, Messias, Luiz Otávio, Cléber,Lima, Fernando Sobral Lacerda e Rick,  além do presidente do clube, Robinson de Castro.

Remo e Paysandu

Jogo: Remo x Paysandu (04/12): A partida foi marcada por cenas de preconceito de ambas as torcidas. Imagens que circulam na internet mostram a torcida do Paysandu entoando gritos de v* ao jogador Neto Pessoa, aos 11 minutos do segundo tempo. Em outro momento um grupo de torcedores uniformizados gritaram várias vezes "Remista é gay, é gay, é gay". Na mesma partida, torcedores do Remo entoaram para a torcida do Paysandu: "todo v* que eu conheço é bicolor".

Corinthians

Jogo: Corinthians x Grêmio (05/12): Na Neo Química Arena torcedores do Corinthians entoaram gritos de cunho homofóbico direcionado aos jogadores do Grêmio. Durante o jogo a torcida gritava "gaúcho, viado" para os jogadores em campo. O fato não foi relatado na súmula.

Em caso de posicionamentos dos clubes, os mesmos serão incluídos na matéria.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

Escreva um comentário
Comentar

Ver todos
Fechar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000