José Augusto Alves
@otempo
06/09/21
17h55

Imbróglio

Betim Futebol questiona posicionamento da FMF no Módulo II; entenda situação

Clube afirma que federação teve dois pesos e duas medidas, alega descumprimento de regulamento e aguarda julgamento do mérito para jogar fase decisiva

Fred Pacheco disse que o clube apresentou provas contundentes — Foto: Ronaldo Silveira
José Augusto Alves | @otempo
06/09/21 - 17h55

O Betim Futebol entrou na última semana com um pedido no Tribunal de Justiça Desportiva de Minas Gerais (TJD-MG) para que o Módulo II do Campeonato Mineiro seja paralisado até que o tribunal julge o mérito da ação ingressada pelo clube.

O time alega que houve descumprimento do regulamento da competição, que é organizada pela Federação Mineira de Futebol (FMF), na partida contra a Serranense, realizada em 21 de julho, e que terminou empatada em 2 a 2, pela quarta rodada.

No mesmo pedido, o Betim requereu, por meio de uma liminar, que o campeonato fosse paralisado, mas a liminar foi indeferida pelo TJD-MG na última sexta (3). O clube recorreu ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que manteve a decisão.

Segundo o Betim, o clube de Nova Serrana pagou com atraso as taxas de arbitragem e do quadro móvel e que isso deveria ter sido feito com 72 horas de antecedência do jogo. No dia dessa partida, às 15h55, o Serranense fez o depósito de R$ 6.899,59 à FMF.

O jogo iniciou às 19h. No entanto, duas rodadas depois, a própria federação cancelou a partida do Serranense contra o Tupynambás, marcada para o dia 31 de julho, pelo mesmo motivo: o não pagamento das taxas pelo clube de Nova Serrana.

Nesse caso, o jogo foi cancelado um dia antes da data prevista e foi computada vitória do Tupynambás por W.O, ou seja, 3 a 0. Com isso, o time de Juiz de Fora computou três pontos na tabela e se classificou, ao fim da primeira fase, para o quadrangular final. Já o Serranense foi rebaixado. 

Como o pedido de liminar foi indeferido, as partidas do quadrangular final do Módulo II seguem sendo realizadas normalmente - a etapa final da competição, que define os dois times que vão para a elite estadual, se iniciou na sexta, com o empate entre Nacional de Muriaé e Tupynambás.

Se o Betim conseguir, no julgamento do mérito, decisão favorável, o clube assumiria uma das vagas da fase final. Isso porque chegaria aos 19 pontos (com a vitória por W.O sobre o Serranense), ficaria em terceiro e quem perderia a vaga seria o Tupynambás. 

"Primeiramente, ficamos sabendo extraoficialmente, pois a federação não publica as datas de pagamentos das taxas pelos clubes, de que o Serranense pagou essas taxas no mesmo dia em que o nosso time o enfrentou. De posse disso, procuramos o clube de Nova Serrana, que confirmou o depósito na mesma data do jogo e decidimos tomar as medias jurídicas cabíveis. O regulamento da competição determina que esses pagamentos devem ser feitos em até 72 horas antes das partidas e, em caso de descumprimento, a equipe mandante perderia o jogo por W.O. No dia 28 de agosto, recebemos o comprovante do Serranense e, na última terça (31), ingressamos com ação e pedido de liminar para paralisar o torneio até que fosse julgado o mérito da questão. A liminar foi negada pelo TJD, e recorremos ao STJD, que também a indeferiu. Agora, o nosso departamento jurídico está estudando quais medidas tomar", explicou o diretor de futebol do Betim, Fred Pacheco, em coletiva de imprensa realizada nesta segunda (6).

O principal questionamento do Betim é a decisão da FMF de aplicar "dois pesos e duas medidas", conforme disse o diretor. "Vale ressaltar que o mérito da questão ainda não foi julgado. O que queremos é transparência, saber por que a federação aceitou a realização do jogo do Serranense contra o Betim e cancelou a partida deles contra o Tupynambás pelo mesmo motivo. São situações iguais, mas que tiveram tratamentos diferentes. Por que o regulamento só valeu para um caso específico e não para os outros? Não houve isonomia", completou. 

Serranense admite pagamento fora do prazo

O presidente do Serranense, Thiago André dos Santos, confirmou à reportagem que o clube fez os pagamentos das taxas da partida contra o Betim no mesmo dia do jogo. "O boleto vence 72 horas antes da partida, mas o depósito foi feito apenas na quarta-feira mesmo, no dia do jogo, que aconteceu normalmente. O estranho é que na partida contra o Tupynambás, a federação não deu o mesmo prazo, cancelou o confronto no dia anterior pelo mesmo motivo, e perdemos por W.O, o que nos prejudicou bastante na tabela. Acabamos sendo rebaixados", declarou.

Santos ainda disse que "nunca ouvi falar que algum time perdeu por W.O por não pagar as taxas 72 horas antes". Segundo ele, essa situação é quase rotineira. "Aliás, o que acontece é que quase todo mundo paga essas taxas fora do prazo. Eu entendo que tem o regulamento, mas ele deve ser aplicado para todos igualmente. Nesse caso, houve duas decisões diferentes. Se o jogo contra o Betim aconteceu, por que contra o Tupynambás foi cancelado? A decisão tem que ser a mesma para todos", afirmou Santos. 

Resposta da federação 

A reportagem tentou contato com o diretor de competições da FMF, mas não teve retorno. Por meio de sua assessoria, a federação apenas se limitou a dizer que "a FMF não tem um posicionamento sobre (o caso) visto que o TJD e o STJD negaram os pedidos do clube" e que, "além disso, a Federação aguardará a definição por parte da justiça desportiva". No entanto, a federação não respondeu por que tomou decisões diferentes ao aceitar o pagamento do Serranense no mesmo dia do jogo contra o Betim e cancelar a partida do clube de Nova Serrana um dia antes contra o Tupynambás. 

Betim se defende 

O diretor do Betim, Fred Pacheco, afirmou que, em sua defesa, a FMF declarou ao tribunal que o próprio Betim foi beneficiado porque pagou o boleto de duas partidas fora do prazo de 72 horas.

"Nós agendamos o pagamento para a quarta-feira (a partida seria no sábado), mas por alguma razão, o boleto não foi compensado em duas ocasiões. Porém, na quinta, nós realizamos os pagamentos, com dois dias de antecedência. Já que a justificativa da federação é essa, de que teríamos sido beneficiados, que ela seja transparente e apresente os comprovantes dos pagamentos de todos os clubes para sabermos a data que cada um pagou. Agora, o que fica obscuro é que se a federação adotou estrategicamente aguardar até a véspera da partida, por que apenas no nosso jogo ela aguardou até praticamente a hora do jogo? Por que o confronto do Serranense contra o Tupynambás não teve o mesmo tratamento?", questionou.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

Escreva um comentário
Comentar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000