Thiago Nogueira
@thiagonoggueira
15/02/20
05h00

Em tramitação

Modelo clube-empresa acaba com eleições de clubes e rotatividade de quem manda

Responsável pela estruturação da sociedade anônima do Atlético-GO e de outros clubes, Eduardo Carlezzo ressalta que é impossível gerir uma entidade com tanta troca de comando

Se uma associação se tornar empresa, a escolha de presidentes não vai fazer mais sentido, já que o clube terá um dono — Foto: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 03.12.2014
Thiago Nogueira | @thiagonoggueira
15/02/20 - 05h00

O advogado Eduardo Carlezzo, do escritório Carlezzo Advogados, é responsável pela estruturação jurídica da sociedade anônima do Atlético-GO. O profissional também está atendendo outros clubes interessados na migração (os nomes não podem ser revelados neste momento, segundo ele). 

Em tramitação, o PL 5.082/2016 não estabelece qual modelo societário os clubes devem adotar. A divisão de cotas será uma decisão das próprias associações. Para Carlezzo, não há um modelo único. “A participação societária do investidor, que pode ser majoritária ou minoritária, vai depender de uma série de elementos, como o tamanho da dívida e o tamanho do aporte”, ressalta.

Os investidores, por sua vez, só vão aportar recursos quando estiverem convencidos que a transação é segura. “Ninguém coloca um caminhão de dinheiro em um clube sem ter o controle da operação. Vamos passar por um momento de transição, que pode gerar alguma fricção inicial, mas que será fundamental para a sustentabilidade administrativa e financeira dos clubes em um longo prazo”, salienta Carlezzo.

O advogado ainda não vê os dirigentes totalmente prontos para uma mudança estrutural, mas mantém a confiança. “Infelizmente, são minoria ainda os que querem se livrar de amarras e interesses burocráticos e corporativos que existem dentro de conselhos deliberativos. Para quem servem esses órgãos gigantescos, com 400, 500 pessoas? Se servissem para algo, vários dos clubes da elite do futebol nacional não estariam afundados em dívidas”, pondera o especialista.

A transformação de clubes em empresas fará com que os conselhos deliberativos sejam figurativos. “Uma das grandes vantagens das sociedades anônimas é acabar com as eleições, pois é inviável gerir uma empresa cuja administração muda a cada dois ou três anos, bem como acabar com a influência da política na gestão do clube”, destaca. 

 

---

Em tempos de desinformação e pandemia, o jornal O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Continue nos apoiando. Assine O TEMPO.

Escreva um comentário
Comentar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000