Da redação
@otempo
23/08/20
19h26

Batalha judicial

Cruzeiro consegue efeito suspensivo de decisão que reativa vínculo de Dodô

Lateral acionou o Cruzeiro na Justiça do Trabalho pedindo a ativação do contrato, cuja obrigação estava prevista em uma das cláusulas

Dod}p esteve com o grupo que participou da pré-temporada na Toca da Raposa II — Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro
Da redação | @otempo
23/08/20 - 19h26

O Cruzeiro conseguiu um efeito suspensivo da decisão que determinava a reativação do contrato do lateral-esquerdo Dodô até o trânsito em julgado da decisão. O processo corre na 39ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. A equipe celeste justifica que o vínculo formatado com o atleta pela antiga gestão é lesivo à insitituição. 

O inquérito da Polícia Civil relativo à participação do empresário Wagner Cruz, indiciado exemplo de Wagner Pires de Sá e Itair Machado, foi anexado pelo Cruzeiro na ação que vem sendo discutida na Justiça. Um dos intermediários do contrato de Dodô era justamente Wagner Cruz. 

Dodô acionou o Cruzeiro na Justiça do Trabalho pedindo a ativação de um contrato de três anos (de janeiro de 2020 a dezembro de 2023), cuja obrigação estava prevista em uma das cláusulas do vínculo de empréstimo assinado no início do ano passado junto à Sampdoria, da Itália.

O lateral chegou a fazer pré-temporada no início deste ano, mas não assinou o novo vínculo, no qual ele teria direito a receber R$ 8,8 milhões (parcelados) em forma de luvas, em 18 parcelas, entre fevereiro de 2020 e dezembro de 2021. A quantia mensal variava entre R$ 366 mil e R$ 587 mil. Em sua defesa, o Cruzeiro pediu nulidade de cláusulas do contrato.

O lateral acionou o Cruzeiro na Justiça do Trabalho pedindo a ativação do contrato de três anos (de janeiro de 2020 a dezembro de 2023), cuja obrigação estava prevista em uma das cláusulas do vínculo de empréstimo assinado ainda no início do ano passado junto à Sampdoria, da Itália. O contrato havia sido assinado pelo então vice-presidente de futebol, Itair Machado.

Dodô realizou pré-temporada no início deste ano, mas não assinou o novo vínculo, no qual ele teria direito a receber R$ 8,8 milhões (parcelados) em forma de luvas, em 18 parcelas, entre fevereiro de 2020 e dezembro de 2021. A quantia mensal variava entre R$ 366 mil e R$ 587 mil. Em sua defesa, o Cruzeiro pediu nulidade de cláusulas do contrato.

Escreva um comentário
Comentar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000