Josias Pereira e Thiago Fernandes
@OTEMPO
15/10/21
15h20

Condição

Cruzeiro: Grupo promete R$ 13 mi para folha, mas quer Sérgio fora do futebol

Empresários estão dispostos a pagar as folhas salariais do Cruzeiro de setembro a dezembro, mas exigem Sérgio Rodrigues longe do departamento de futebol

Sérgio Rodrigues é pressionado por investidores nos bastidores do Cruzeiro — Foto: Cristiane Mattos/O Tempo
Josias Pereira e Thiago Fernandes | @OTEMPO
15/10/21 - 15h20

O grupo de empresários que se reuniu com o presidente Sérgio Santos Rodrigues na manhã desta sexta-feira (15) se dispôs a pagar a folha salarial do Cruzeiro entre setembro e dezembro, incluindo o 13º salário. No entanto, fez uma exigência e pediu que o mandatário se afaste do futebol.

Os parceiros estão dispostos a investir cerca de R$ 13 milhões para que o pagamento esteja em dia com atletas profissionais e das divisões de base e também com os colaboradores da Toca da Raposa I e da Toca da Raposa II. No entanto, não querem entregar o dinheiro ao clube e tentam uma forma legal de pagar o valor diretamente aos atletas. A folha salarial mensal é de R$ 2,6 milhões.

Sérgio Santos Rodrigues pediu R$ 9 milhões aos empresários para pagar os atrasados e disse que seria necessário mais R$ 21 milhões para arcar com as pendências para o restante do ano. O grupo, no entanto, descarta qualquer possibilidade de desembolsar este valor. O principal motivo é o fato de o dirigente ainda estar à frente do futebol.

Há insatisfação dos investidores com o trabalho do mandatário à frente do Cruzeiro. Os parceiros que ajudaram no decorrer da temporada estão incomodados com o que é feito pelo dirigente nos bastidores, sobretudo pelos resultados negativos obtidos na Série B do Campeonato Brasileiro. Hoje, a Raposa ocupa a 11ª posição, com 39 pontos, nove atrás do Goiás, que ainda joga nesta rodada. Os mineiros estão cada vez mais distantes de um acesso à elite do futebol nacional.

Os empresários, inclusive, condicionaram o novo investimento de R$ 13 milhões à ausência de Sérgio Rodrigues no futebol. O grupo quer assumir o esporte com a transformação do clube para Sociedade Anônima do Futebol (SAF). A ideia é que o dirigente fique encarregado apenas de gerenciar a parte social e o patrimônio, deixando o futebol (profissional e divisões de base) com os investidores.

A insatisfação com o trabalho de Sérgio Santos Rodrigues não está restrita ao grupo de empresários. Os jogadores e a comissão técnica de Vanderlei Luxemburgo estão incomodados com o presidente. O grupo prefere direcionar as reclamções aos investidores.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

Escreva um comentário
Comentar

Ver todos
Fechar
Log View
Vem ser Premium!
Seja Premium
Salve matérias
Você poderá salvar as matérias para ler quando e onde quiser.
Matérias Premium
Veja as matérias exclusiva para usuários premium.
Notificações
Receba notificações de novas matérias do seu time do coração.
Av. Babita Camargos, 1645 - Contagem Minas Gerais - CEP: 32210-180
+55 (31) 2101-3000