Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Investigações

Valério entrega delação em MG e confirma esquema em Furnas

Busca de acordo se dá em ação na qual empresário é réu por participar do mensalão tucano

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Marcos Valério
Valério, já condenado pelo mensalão do PT, tenta acordo na ação sobre esquema tucano
PUBLICADO EM 11/03/17 - 03h00

O empresário Marcos Valério entregou ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), no último dia 15 de fevereiro, os anexos de sua delação premiada no processo do mensalão tucano. O documento foi repassado ao procurador geral de Justiça de Minas, Antônio Sérgio Tonet. Segundo fonte do próprio órgão, o chefe do MP já designou uma procuradora para acompanhar o caso.

Cada um dos cerca de 30 anexos de Valério, que é réu no processo, trata de um episódio do esquema de corrupção que teria desviado recursos públicos de empresas estatais mineiras para a reeleição do então governador Eduardo Azeredo (PSDB). O tucano já foi condenado a 20 anos de prisão em primeira instância, mas recorre em liberdade.

Em um dos capítulos, Valério também irá confirmar que houve um esquema de corrupção em Furnas que teria beneficiado tucanos. As irregularidades teriam desviado recursos da subsidiária da Eletrobras, estatal federal com sede no Rio, para irrigar o caixa 2 de candidatos do PSDB, além de contas de partidos aliados.

As denúncias de corrupção e lavagem de dinheiro em Furnas já estão sob investigação na Justiça. No Rio de Janeiro, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB) e outras seis pessoas se tornaram réus por conta do esquema. O ex-diretor da empresa Dimas Toledo e outras duas pessoas não foram incluídos porque têm mais de 70 anos e, para eles, os crimes já prescreveram.

Além disso, na Lava Jato, um inquérito, sob o comando do ministro Gilmar Mendes, no Supremo Tribunal Federal (STF), traz revelações do ex-senador Delcídio do Amaral. Ele aponta o envolvimento do senador Aécio Neves no esquema. Alvo da investigação, o tucano nega qualquer relação com possíveis irregularidades em Furnas.

Negociação

As negociações para a delação premiada entre Marcos Valério e o Ministério Público de Minas estão em curso desde junho do ano passado, quando a defesa protocolou o interesse de um acordo. Hoje, quase 20 dias após o MP receber os documentos, ainda não foi marcado o próximo passo, que seria o depoimento e a homologação do acordo. Procurada, a defesa do operador dos mensalões petista e tucano não foi encontrada para comentar a informação. A assessoria do MP informou que não há novidades no caso.

O retorno dos procuradores deve acontecer ainda neste mês. De acordo com o Fórum Lafayette, está agendada uma audiência no dia 7 de abril para que Valério preste depoimento no caso do mensalão tucano.

Em troca das informações, como já revelou em entrevistas passadas o advogado Jean Robert Kobayashi Júnior, o empresário espera ser transferido para uma Apac e garantir que futuras condenações, como no mensalão tucano, não atrapalhem a progressão de seu regime de pena. Desde 2013 ele cumpre 37 anos referentes ao mensalão do PT.

Lava Jato

Valério também tem interesse em fazer uma delação em âmbito nacional. Conforme O TEMPO já noticiou, o empresário redige denúncias em que cita 50 autoridades e políticos do Legislativo, do Judiciário e do Executivo com atuações em Minas, Rio, São Paulo e Brasília. A reportagem apurou que essas informações não constam do documento entregue ao MP no último mês. Elas deverão ser repassadas posteriormente ao procurador geral da República, Rodrigo Janot.

Prévia

Em setembro passado, dois procuradores federais, enviados a Minas a pedido Janot, além de dois promotores mineiros, ouviram por quatro horas Marcos Valério, em Belo Horizonte.

Saiba mais

Provas. No nível nacional, segundo apurou a reportagem, Valério teria documentos que poderiam comprovar irregularidades envolvendo tucanos e alguns aliados. O principal deles é um conjunto de arquivos e extratos bancários que mostrariam o real cenário dos empréstimos feitos no Banco Rural e que teriam sido maquiados antes de serem entregues à CPI dos Correios em 2005, como já disse o ex-senador Delcídio do Amaral. A suposta fraude está em investigação no STF.

Absolvido. Valério foi absolvido neste mês em um processo que apurava lavagem de dinheiro em um empréstimo fraudulento de R$ 6 milhões feito junto ao Banco Schahin em favor do PT. O ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, os empresário Ronan Maria Pinto e Enivaldo Quadrado foram condenados pelo juiz Sergio Moro.

Mudança para Apac

Atualmente, Marcos Valério aguarda uma resposta do Supremo Tribunal Federal (STF) em relação a um pedido de transferência para uma unidade de Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac). O empresário está preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. No local, a defesa já disse que Valério não se sente seguro. Ele já teria sido assediado por advogados de figuras que serão implicadas.

Em janeiro, o juiz da comarca de Lagoa da Prata, a 200 km de Belo Horizonte, recusou-se a assinar a transferência para a Apac do município. Em seu despacho, o magistrado disse que não havia vagas e que o contrato de aluguel apresentado pela defesa em nome da família de Marcos Valério era fictício.

O advogado Jean Robert Kobayashi, na época, negou que tenha ocorrido má-fé da defesa. Segundo ele, o que foi feito no início do ano passado foi um acordo com o proprietário do imóvel. Ele previa que, se a transferência fosse autorizada, um contrato seria assinado, e a família do publicitário se mudaria para a cidade.

Em uma Apac, os presos têm mais liberdade, não ficam em celas, e podem circular na unidade. Em contrapartida, a rotina é rigorosa em relação a horários e afazeres na unidade.

Leia nota do PSDB

Marcos Valério não tem nenhuma credibilidade, como atesta a própria  Justiça.

Condenado criminalmente a uma pena de quase 40 anos  de reclusão em regime fechado,  ele é  conhecido pelas inverdades que propala.

Basta dizer que, recentemente,  mesmo preso, chegou a apresentar documento falso à justiça  com objetivo de conseguir uma transferência prisional.  O próprio juiz responsável  pelo caso atestou que ele teria forjado um contrato de aluguel fictício para enganar autoridades e conseguir benefícios da justiça.

O que esperar de alguém que mesmo preso,  não se intimida e continua mentindo e enganando a Justiça?

Em tentativas desesperadas nos últimos meses, Valério vem  se oferecendo para fazer uma delação premiada que até hoje não foi aceita pelo Ministério Publico Federal.

Circula no meio politico, informações de  que,  para  se valorizar ,  chamar atenção da imprensa e enganar autoridades  com objetivo de angariar vantagens pessoais, Valério estaria misturando relatos falsos   entre antigas revelações verdadeiras  já feitas.

Mesmo porque, fica a pergunta: se ele dispunha de informações verdadeiras sobre fatos incorretos, porque os  escondeu da Justiça durante todos esses anos?

Caso Valério efetivamente faça  falsas acusações contra o partido  que ,  justamente por serem falsas ,  não serão provadas,  o PSDB atuará juridicamente para que a lei seja cumprida e, como previsto no texto legal,  Valério seja impedido de obter qualquer beneficio penal ou pessoal às custas de fraudes processuais  e   do uso da mentira, da calunia e da  difamação de terceiros.

O que achou deste artigo?
Fechar

Investigações

Valério entrega delação em MG e confirma esquema em Furnas
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (21)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter