Recuperar Senha
Fechar
Entrar

NOTÍCIA DO DIA

Dormindo ao relento

Doze presos albergados dormem em colchões em pátio, conhecido como gaiolão, por falta de vaga na cadeia de Três Corações

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Presos buscaram em casa colchões e cobertores para dormirem no chão do pátio
Doze presos albergados dormem em colchões em pátio, conhecido como gaiolão, por falta de vaga na cadeia de Três Corações
PUBLICADO EM 01/06/10 - 23h05

A falta de vagas na cadeia pública de Três Corações, no Sul de Minas, tem gerado transtorno para 12 presos albergados que, desde a última sexta-feira, estão dormindo em colchões no pátio do prédio.

Acostumados a chegarem do trabalho e passarem a noite em uma cela, no fim de semana, os detentos foram surpreendidos com a informação de que passariam a dormir ao relento. Conforme a direção da cadeia, naquela noite, os presos foram orientados a buscar colchões e cobertores na casa de parentes.

O diretor da cadeia, delegado José Aparecido Quintães, disse que a decisão de levar os albergados para dormir no pátio - local sem telhado, cercado de grades, conhecido como gaiolão - surgiu após uma das sete celas da prisão ser destruída em uma rebelião causada por adolescentes que aguardavam vagas em centros de internação. "Com a superlotação, a falta de uma cela deixou a situação insustentável", disse.

Como a lei determina que os adolescentes infratores não podem ficar juntos com detentos maiores de idade, os jovens foram transferidos para as celas que abrigavam os albergados.
Insatisfeitas com a situação sub-humana e o frio que os detentos estavam passando, anteontem, mulheres e mães dos albergados foram à cadeia pedir uma solução.

O Centro de Climatologia Tempo Clima da Puc Minas previa para a madrugada de hoje a temperatura mínima de 6°C em Três Corações.

O que achou deste artigo?
Fechar

NOTÍCIA DO DIA

Dormindo ao relento
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter