Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Saga 'Millenium'

Lisbeth Salander está de volta

Heroína cult retorna à telona com a estreia de 'A Garota na Teia de Aranha'

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Capturar.JPG
Fantasmas. Desta vez é Claire Foy quem interpreta a hacker que tem de encarar seu passado
PUBLICADO EM 08/11/18 - 04h00

A hacker Lisbeth Salander está de volta aos cinemas em mais um filme da série “Millenium” – criada a partir dos três romances encontrados e publicados após a morte de seu autor, o jornalista sueco Stieg Larsson. “Millenium: A Garota na Teia de Aranha” é o quarto livro da saga e o primeiro que não é assinado por Larsson. Quem dá continuidade à série é David Lagercrantz. O filme baseado no livro estreianesta quinta (8) nos cinemas.

Desta vez, Lisbeth, a personagem cult criada para colocar mais adrenalina na vida do jornalista Mikael Blomkvist (Sverrir Gudnason) é interpretada pela atriz Claire Foy – de “The Crown” (Netflix), em que vive a rainha britânica Elisabeth II. Claire encarna bem o papel dessa mulher machucada por um trauma de infância tão grande que a afasta do mundo, transformando-a numa pessoa completamente antissocial.

Justiceira, Lisbeth continua ajudando mulheres que sofrem abusos, enquanto ela própria tenta superar sua dor. No entanto, essa é uma tarefa difícil para uma garota solitária que cria relações superficiais por medo de se conectar com o mundo real. Lisbeth prefere o universo virtual e, quando aceita encarar uma missão quase impossível, acaba envolvida numa trama que vai além do que ela poderia imaginar. 

Ação

Tudo começa quando a hacker é contratada para roubar um programa de computador, desenvolvido por um sueco para o governo dos Estados Unidos e que tem o poder de destruir o mundo em um único clique. Ao invadir o sistema do Pentágono e apropriar-se do programa, Lisbeth é perseguida por uma gangue que rouba seu computador. Como se não bastasse levar um tiro e ver seu QG indo pelos ares numa explosão, ela começa a ser procurada pelas agências de segurança da Suécia e dos Estados Unidos. Além de provar sua inocência, Lisbeth precisa recuperar o programa e proteger o criador do software e o filho dele – único capaz de decifrar a senha para abrir o programa.

Com muitas cenas de perseguição em alta velocidade pelas ruas de Estocolmo (Suécia), o filme abusa dos momentos em que a heroína foge de seus inimigos em motos turbinadas ou em carrões. Fica até um pouco cansativo para o espectador. Durante esse processo, Lisbeth vai coletando as peças de um quebra-cabeça que a leva diretamente ao encontro de seu passado.

O problema é que, como diz o menino que Lisbeth tem de proteger, “quando chegamos muito perto do passado, ele pode nos sugar como um buraco negro”. E Lisbeth chega a esse ponto. O inimigo a ser abatido é alguém que ela conhece bem. A hacker, então, tem de contar com a ajuda das poucas pessoas em quem confia para se livrar da “teia de aranha” e salvar o mundo de um bombardeio, além de enterrar de vez seus fantasmas.

 

Paisagem e tecnologia essenciais

“Millenium: A Garota na Teia de Aranha” traz a paisagem insólita do inverno na Suécia, como se o cenário branco e azulado fosse um personagem da história, a exemplo de muitas produções filmadas nesta região da Europa. O longa traz também a sensação um pouco sufocante e sombria dos refúgios da protagonista, Lisbeth Salander, lembrando os traços das HQs.

A exemplo de “O Doutrinador”, que está em cartaz nos cinemas, o novo “Millenium” reforça a ideia de que, para ser herói, não basta ser apenas um Rambo e saber bater e atirar. É preciso ter conhecimento tecnológico para controlar câmeras, orientar atiradores de elite, antever o movimento do inimigo usando aparatos eletrônicos. Lisbeth é essa heroína, destemida, mas apoiada na tecnologia. Sem acesso, ela não sobreviveria.

Franquia

“Millenium: A Garota na Teia de Aranha” é dirigido por Fede Alvarez e tem produção de David Fincher – que também dirigiu “Millenium 1: Os Homens que Não Amavam as Mulheres”. A saga tem ainda os filmes “Millenium: A Menina que Brincava com Fogo” e “Millenium 3: A Rainha do Castelo de Ar”.

O que achou deste artigo?
Fechar

Saga 'Millenium'

Lisbeth Salander está de volta
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter