Eleições 2022

Aplicativo Pardal, do TSE, já recebeu quase 25 mil denúncias na campanha

Na última semana, ferramenta bateu recorde de queixas sobre supostas irregularidades dos candidatos


Publicado em 27 de setembro de 2022 | 12:28
 
 
 
normal

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou nesta segunda-feira (26) que o aplicativo Pardal, para denúncias de propaganda irregular, tem recebido mais de mil denúncias por dia na reta final da campanha do primeiro turno. Segundo a Corte Eleitoral, foram 1.025 denúncias/dia na semana de 19 a 25 de setembro. No período anterior, compreendido entre 12 e 18 de setembro, haviam sido registradas 837 denúncias por dia.

De acordo com o TSE, o Pardal já foi acionado 24.257 vezes desde 16 de agosto, quando entrou no ar, com eleitores apontando propaganda eleitoral irregular, compra de votos, abuso de poder político e econômico, uso da máquina pública com motivação eleitoral e uso indevido dos meios de comunicação social. Diversas dessas denúncias, inclusive, geraram punições a candidatos. São 6.780 processos em tramitação no TSE em razão de denúncias feitas na plataforma.

Maior colégio eleitoral do país, São Paulo já registrou 3.510 denúncias e lidera o ranking. Na sequência vem Pernambuco, com 2.871 acionamentos. Minas Gerais, que tem o segundo maior eleitorado do país, vem na sequência, com 2.683 denúncias. Rio Grande do Sul (2.048 denúncias) e Rio de Janeiro (1.673 acionamentos) vêm na sequência.

A maior parte das denúncias envolvem campanhas de deputado federal e estadual. São 8.313 queixas sobre os concorrentes à Câmara e 8.267 questionamentos sobre os candidatos às assembleias. A campanha de presidente da República motivou 2.447 denúncias, enquanto a de governador foi questionada 1.849 vezes. Ainda houve 820 denúncias a respeito de supostas irregularidades praticadas por candidatos a deputado distrital.

Como funciona?

O aplicativo pardal é gratuito e está disponível tanto na Apple Store como no Google Play. Também é possível fazer denúncias por meio de um formulário web na página do sistema. Com ele, além de fazer denúncias, o eleitor pode acompanhar o andamento de suas queixas e também ver estatísticas sobre seu uso. As denúncias são feitas em caráter sigiloso.

Feita a denúncia, a apuração é enviada para o Munistério Público Eleitoral, que avalia se propõe ou não ação civil pública contra os candidatos. Isso é feito se houver algum crime eleitoral sendo praticado e aí o processo é enviado para ser avaliado na Justiça Eleitoral. 

O TEMPO agora está em Brasília. Acesse a capa especial da capital federal para acompanhar as notícias dos Três Poderes.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!