Sonastério Ilumina

Produtora mineira Sonastério estreia projeto inédito musical e audiovisual

Além de versões exclusivas de canções, iniciativa vai apresentar um minidocumentário sobre cada uma das atrações. Maneva é a banda da estreia

Por Ana Clara Brant
Publicado em 16 de junho de 2021 | 07:00
 
 
 

Desde que idealizou o Sonastério, estúdio e produtora, que fica incrustado nas montanhas de um condomínio de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, Bruno Barros, um dos sócios da empreitada, sempre sonhou em fazer um projeto que aproveitasse a acústica privilegiada e as potencialidades criativas do espaço.
 
“Eu sempre gostei muito desse formato de ter uma banda tocando ao vivo dentro de um estúdio, com as músicas sendo executadas de uma maneira mais orgânica, com uma qualidade sonora que é bem melhor do que a de um show, equipamentos de ponta e tal. Então, desde a construção do Sonastério (2017), com a estrutura que pensamos para cá, eu já vislumbrava isso”, frisa Bruno, referindo-se ao Sonastério Ilumina, série musical e audiovisual que estreia de forma gratuita nesta quinta (17) nas principais plataformas digitais e também no YouTube da produtora.  
 
 
 
 
A iniciativa, que foi gravada seguindo todos os protocolos sanitários, vai reunir – inicialmente em 24 episódios – nomes de destaque da música brasileira trazendo versões exclusivas de canções desses artistas, além de um minidocumentário. A produção, que conta com a parceria da Budweiser, é 100% da equipe do Sonastério. Da escolha dos artistas à divulgação. “Quando um artista ou banda toca ao vivo dentro de um estúdio, você tem tudo de melhor ali. Não só o som, mas a energia envolvida, a interação”, analisa Bruno Barros. 
 
Também sócio, Fred Pedrosa acrescenta que, já que o Sonastério é considerado um retiro artístico para os músicos e um estímulo à criação, a ideia foi tentar extrair a experiência dos artistas ali dentro e criar esse minidoc. “Todo mundo que entra aqui se sente acolhido, inspirado. Não só pelo fato de ser um estúdio com equipamentos de alta qualidade, mas também pela vista panorâmica privilegiada. A ideia era não só registrar as performances ao vivo, de uma maneira nunca ouvida antes e numa qualidade musical altíssima, mas também tirar algo além disso, mostrar os bastidores, promover um bate-papo, revelar outro lado dos músicos, daí a ideia dos vídeos”, conta. 

 
João Andrade, o terceiro sócio do Sonastério, revela que um dos pontos-chave da iniciativa foi entender e trabalhar a questão imagética dos artistas e a relação deles com o Sonastério. Para isso, cada uma das atrações ganhou cenografia, projeto gráfico e visual e iluminação únicas. “Com cada um nós pensamos em algo diferente, com alguns a gente conta até uma historinha lúdica. A gente precisava entender que cada artista tem a sua verdade e as suas particularidades”, observa. 
 
Quem vai marcar a estreia do Sonastério Ilumina é a banda de reggae paulista Maneva, que veio a Minas num formato mais enxuto para participar do projeto. Tales De Polli, vocalista do grupo, considera uma grande honra e uma felicidade abrir a empreitada. “Todo projeto que é legal, que é interessante e feito com o coração sempre emociona a gente. Tenho certeza de que será um sucesso e foi uma das coisas mais bonitas que a gente gravou, a atmosfera foi ótima, e lá é um lugar mágico. Ser a banda de estreia é motivo de grande felicidade, prestígio e honra”, celebra. Tales diz que a conexão entre os integrantes foi especial e que certamente isso influenciou no que será apresentado ao público. “Foi legal a energia. Tinha muito tempo que a gente da banda não passava tanto tempo junto, então acho que foi aquela coisa de viagem de escola, de sentar à noite e trocar uma ideia; só pensar em música, só fazer música, e o resultado ficou muito aparente no produto final”, opina. 

 
 
Nesta quinta, seis músicas do Maneva que ganharam versões únicas vão chegar de hora em hora (a partir das 12h) nas principais plataformas digitais. No domingo (27) será a vez de o minidocumentário sobre a banda estrear no canal do YouTube do Sonastério. Além do Maneva, já gravaram para o projeto o rapper mineiro Djonga (a estreia é no dia 8 de julho), as bandas Francisco, el Hombre (SP), Pedra Letícia (GO), Onze: 20 (MG) e o cantor americano filho de brasileiros, Zeeba. 
 
Objetivo é que iniciativa seja perene 
Os três sócios, Bruno Barros, Fred Pedrosa e João Andrade, fazem questão de salientar que o Sonastério Ilumina não se prende a nenhum gênero musical e que se assemelha a um festival, por isso quer abarcar os mais diversos estilos e tamanhos de artistas. Aliás, para cada convidado foi criado um pôster exclusivo desenvolvido pelo designer Mathiole (@mathiole_art).
 
 
O nome do projeto, segundo Bruno, já era uma expressão que acompanha a produtora desde os seus primórdios. “Quando a gente batizou de Sonastério, que tem essa ideia de ser um monastério do som, o Vicente Pessôa, que fez a nossa logo, sugeriu um slogan: ‘Música Ilumina’, no sentido de que a música realmente ilumina a mente, a alma. E virou uma assinatura nossa. Daí achamos que tinha tudo a ver com essa novidade. A cada episódio, a gente brinca com o nome do artista. ‘O Maneva ilumina o Sonastério’, como se cada artista iluminasse o Sonastério quando chegasse aqui”, explica Bruno Barros. 
 
Já João Andrade ressalta que a empreitada foi pensada para ser algo de médio e longo prazo e que não querem se prender a apenas esses 24 episódios iniciais. “É mais do que um projeto; é um movimento, uma ação perene. É como se fosse uma marca. É tipo o ‘Acústico MTV’, que, toda vez que saía um novo, as pessoas ficavam com aquela expectativa. Qual será o próximo, como vai ser? O Sonastério Ilumina é apenas o start da roda”, assegura. 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!