Investigação

Caso Henry: Polícia encontra câmera 'espiã' desligada no quarto do garoto

Pelo menos por duas vezes, a mãe da criança deu a entender que iria instalar um equipamento para monitorar o que acontecia na casa durante sua ausência

Sex, 16/04/21 - 12h19
Henry Borel

A polícia do Rio de Janeiro encontrou uma câmera de monitoramento, conhecida como lâmpada espiã, ainda na caixa, no quarto onde dormia o menino Henry Borel, que morreu no último dia 8 de março - o caso é investigado como assassinato, e a mãe do garoto, a professora Monique Medeiros, e o padrasto, o vereador Dr. Jairinho, estão presos. Os policiais localizaram o equipamento durante uma perícia complementar. As informações são do jornal Extra. 

De acordo com o portal Metrópoles, a cabeleireira que atendia Monique no dia 12 de fevereiro contou que, após receber uma videochamada do filho, que chorou e disse que havia brigado com o tio Jairinho, a mãe perguntou a profissional onde poderia comprar uma câmera de segurança - e foi orientada a procurar uma loja de eletrodomésticos no shopping.

Monique mencionou que poderia instalar uma câmera em conversa com a babá de Henry, Thayná de Oliveira, no mesmo dia. Na ocasião, a babá argumentou que um tio dela poderia ajudá-las a instalar um equipamento. No entanto, em depoimento, Thayná revelou que, posteriormente, Monique mudou de ideia. 

A causa de morte de Henry foram lacerações nos órgãos, o que indica que o garoto sofreu agressões.

 

---

Em tempos de desinformação e pandemia, o jornal O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Continue nos apoiando. Assine O TEMPO.

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
LEIA MAIS
Loteria
Pandemia
Pandemia
Ministério
Pandemia
Saúde
Unidos Pela Vacina
Achado
Cultura
Protocolos