Louças

Dona da Duralex no Brasil, Nadir Figueiredo garante continuidade de produtos

Empresa original, fundada há 75 anos, na França, entrou em recuperação judicial após período de seis meses em observação

Sex, 25/09/20 - 17h47
As tradicionais louças Duralex
audima

A Nadir Figueiredo, a qual pertence a Duralex no Brasil desde 2011, quando a fabricante brasileira comprou a Santa Marina e incorporou, além da própria Duralex, a Marinex, garantiu que recuperação judicial da fábrica francesa não terá efeitos no país. Mais cedo, o jornal Le Monde divulgou que a a Duralex, conhecida por seus vidros temperados exportados para diversos países, entrou em recuperação judicial. No Brasil, a marca é lembrada pelos pratos, copos e vasilhas em tom escuro, quase marrom.

"A marca Duralex na América do Sul pertence à Nadir Figueiredo, empresa brasileira consolidada há mais de 108 anos no mercado", disse a Nadir Figueiredo, em nota. "Os produtos da marca Duralex como os pratos, xícaras e a linda linha de mesa Duralex Opaline continuarão trazendo beleza à mesa dos consumidores", informou à Folha de S.Paulo

Em 2019, a Nadir foi comprada por uma gestora de fundos americana, a HIG Capital.

Entenda

A recuperação judicial da Duralex na França foi confirmada pelo tribunal de comércio da cidade de Órleans, na quarta-feira (23). Antes, segundo o jornal Le Monde, houve um período de observação de seis meses.

A sede da empresa fica na cidade de La Chapelle-Saint-Mesmin, no estado francês de Loiret. Antoine Ioannidès, presidente da Duralex, disse que os 248 funcionários continuarão trabalhando e recebendo seus salários.

Em comunicado encaminhado aos funcionários, a empresa afirmou que as dívidas foram congeladas no dia da abertura do procedimento de recuperação judicial. "Depois que os representantes legais fizerem o levantamento de todos os créditos, a empresa terá como apresentar o plano de recuperação", disse a Duralex, na nota.

A empresa vinha sofrendo com grandes problemas de caixa desde que precisou reduzir, por mais de um ano, sua produção devido a um problema em um forno em 2017.

Ao jornal francês Le Monde, Antoine Ioannidès disse que essa situação foi agradava pela crise do coronavírus. "Nós perdemos cerca de 60% de nossos negócios com a interrupção das exportações, que representavam 80% de nossa atividade", afirmou. Segundo ele, potenciais compradores apareceram.

(2) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Ex Tive 6:57 AM Sep 26, 2020
Não me incomodo. Sou indiferente. Desde os tempos de meus bisavós, cafeicultores com extensas terras em Minas e no Espírito Santo, que nas minhas mansões só usamos a legítima porcelana chinesa. A legítima! Não é essas xicrinha xingling que pobre compra em loja de 1, 99!
10
Denunciar

Tolerância Zero 8:01 PM Sep 25, 2020
Ó ironia, a fabricante dos pratos difíceis de quebrar, quebrou.
4
Denunciar

LEIA MAIS
Atenção
Pandemia
Coronavírus
Em 2019
Saúde
Saúde
Meio Ambiente
Saúde
Recém-lançada
Tecnologia