Termômetro da Covid

Covid em Minas: veja as médias móveis de mortes e casos em cada região

Monitoramento informa as médias móveis de casos e óbitos em todas as cidades e regiões de saúde do Estado

Qui, 07/10/21 - 12h10
Média móvel mostra tendências mais consistentes do que os dados diários, devido a represamento de testes durante fins de semana e feriados

Última atualização: 07/10/2021
OBS: Para melhor interatividade e visualização, recomenda-se o acesso com um computador ou tablet.

 

Entenda o gráfico

O Termômetro da Covid apresenta a evolução da média móvel de novos óbitos e casos confirmados nos últimos sete dias e tem como parâmetro de comparação os mesmos dados registrados há duas semanas.

Se a média dos últimos sete dias superar em mais de 15% o valor de duas semanas atrás, então a situação observada é de crescimento acelerado. No outro oposto, uma redução superior a 15% indica desaceleração. Se a variação for de até 15% para mais ou para menos, a média encontra-se em um nível de estabilidade.

O uso da média móvel justifica-se pela grande oscilação das notificações entre os diferentes dias da semana. Ela fica muito clara quando observada a variação em feriados, fins de semana, segundas e terças-feiras, devido ao represamento dos testes nos laboratórios ou a atrasos nos registros pelas prefeituras, por exemplo. Desta forma, a média móvel mostra tendências mais consistentes do que os dados diários.

Já a janela de duas semanas para comparação explica-se pelo tempo médio de ação do vírus e de demora seja no processamento de exames ou na divulgação dos resultados nos sistemas utilizados pelas prefeituras e pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG). Esta é uma metodologia similar à utilizada, por exemplo, por The New York Times e G1.

Regiões de Saúde

Os dados são provenientes dos boletins epidemiológicos da SES-MG e referem-se aos municípios de residência dos pacientes. Isso explica eventuais números negativos, uma vez que os casos podem ser revisados e "transferidos" de cidade.

Os registros são detalhados por município e agrupados por microrregião e macrorregião, conforme a organização do SUS (Sistema Único de Saúde). Essa definição é importante, pois leva em conta a estrutura da rede assistencial.

Caso uma cidade tenha números baixos, isso não significa necessariamente uma situação confortável, pois a maioria dos municípios (91% em Minas Gerais) não possui leitos de alta complexidade e precisa transferir os pacientes mais graves para polos micro e macrorregionais.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

(4) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Christopher Jacinto 8:06 PM Mar 03, 2021
Itabirito não voltará com as aulas presenciais.
2
Denunciar

Maria Silva 7:40 AM Feb 25, 2021
853 cidades!!! Muitas com uma rua e meia dúzia de casas. Ralo de dinheiro público!
37
Denunciar

BCG 12:06 AM May 09, 2021
e também a maioria dessas cidades não é autossustentável, nós de cidades maiores acabamos pagando os salafrários "miserê" de vereadores e prefeitos dessas m...
37
Denunciar

Maria Isabel Azevedo 3:12 PM Feb 09, 2021
Atualizem as vacinas...Muito antigos os números...Quantas chegaram, por cidades até esta semana?
5
Denunciar