Crise

Em missa com Fernández e Macri, Igreja pede união

Com duro panorama econômico, Fernández enfrentará desafios; No sábado, milhares foram a um comício que marcou a despedida de Macri

Seg, 09/12/19 - 03h00
Macri e Fernández participaram de missa e ouviram um pedido de paz e união

A dois dias da transferência de poder, o presidente argentino em final de mandato, Maurício Macri, e seu sucessor, Alberto Fernández, assistiram juntos a uma missa na Basília de Luján, durante a qual se pediu união no país.

“O respeito pelo outro é a base da sociedade. Devemos manter a unidade e a paz. Não caia na tentação de querer destruir o outro”, disse o arcebispo Jorge Scheinig em sua homilia em uma cerimônia ao ar livre, em frente à Basílica de Luján, 70 quilômetros a oeste de Buenos Aires, diante de centenas de fiéis. Macri e Fernández não deram declarações. Suas companheiras, Juliana Awada e Fabiola Yáñez, respectivamente, e membros de ambos gabinetes também participaram da missa.

No sábado, milhares de apoiadores de Macri despediram-se dele em um comício, em um país em crise pela recessão, a pobreza, a inflação e a dívida. Em seu discurso, do alto de um palanque ao lado da esposa, o liberal destacou “a presença das mulheres”, que eram maioria na Praça de Maio, que estava lotada. “Maurício, querido!”, repetiam os participantes do ato de despedida na histórica praça em frente à Casa Rosada.

“Temos que cuidar da nossa Argentina, que não a roubem”, disse o presidente, que responde a quase uma centena de ações judiciais, entre elas de corrupção por negócios em autoestradas, correios e energia eólica.

Desafios

Com discurso pragmático, Fernández se prepara para o primeiro problema que deverá enfrentar: a renegociação da dívida, tanto com o Fundo Monetário Internacional (US$ 44 bilhões recebidos desde 2018) como com proprietários de títulos. No total, a dívida externa argentina passa de US$ 315 bilhões, quase 100% de seu Produto Interno Bruto (PIB).

Para essa tarefa, escolheu Martín Guzmán, um colaborador do Prêmio Nobel de Economia Joseph Stiglitz. “Com o FMI já estamos trabalhando”, tem insistido o peronista. 

A economia terminará o ano em queda de 3,1%, inflação em torno de 55%, pobreza em cerca de 40%, desemprego em 10,4% e uma desvalorização monetária de quase 40% – índices piores do que quando Cristina Kirchner encerrou seu mandato em 2015. 

Todavia, apesar do duro panorama econômico, Fernández terá um país com paz social, o Congresso ao seu lado e tempo, até os vencimentos da dívida.

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
O Macaco 4:15 PM Dec 10, 2019
Será que a Argentina vai conseguir sair da fossa que se encontra ou vai descer mais alguns quilômetros?
0
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
Boeing 737
Venezuela
Holocausto
Tensão no Oriente Médio
Tensão internacional
Ascensão
Tensão
Coincidência?
Morte de Soleimani
Conversa