Frederico Jota

Olho no torcedor de sofá: Bundesliga inova em transmissões de TV e aumenta lucro

Publicado em: Ter, 15/09/20 - 18h38
Bundesliga tem média alta nos estádios, mas também foca em que vê os jogos pela TV
audima

Com estádios modernos e um público apaixonado, a Bundesliga se gabou nas últimas temporadas de ter a melhor média de público entre as grandes ligas nacionais europeias. E, agora, se transforma em uma liga recheada de inovações, apostando na tecnologia para se sobressair nas transmissões - ou seja, focando no público que não está em suas arquibancadas.

Para isso, oferece um novo serviço, o "Match Facts" (algo como fatos da partida), em parceria com a Amazon Web Services. A ideia é acrescentar informações à narração da partida. Entre os detalhes, probabilidade de chances de determinado gol sair, por exemplo. Para quem se acostumou a acompanhar esportes com estatísticas, sejam em jogos virtuais ou, por exemplo, na NBA ou na NFL, é um prato cheio.

Esse tipo de inovação está muito ligado ao formato ao qual os clubes da Bundesliga estão ligados. Na Alemanha, investidores não podem ser donos de mais de 49% de um clube, o que faz com que outras possibilidades de atrair os torcedores sejam sempre incluídas nas transmissões. Na década passada, por exemplo, colocou câmeras dentro do gol, foi uma das primeiras a adotar o VAR. tem canal de YouTube muito ativo e, como era de se imaginar, controla a cadeia de produção das transmissões da competição, do início ao fim.

Em entrevista ao Betway Esportes, o vice-presidente de inovação digital da Bundesliga, Andreas Heyden, disse que a liga precisa agir como uma empresa de mídia exatamente para servir à grande mídia. E por meio dessa proposta, investiu em startups de tecnologia e em sistemas de análise com base em inteligência artificial, tudo com potenciais acordos para arrecadar ainda mais. A liga alemã ganhou prêmios, inclusive, pelo uso de tecnologia, que ajuda o torcedor a receber informações estatísticas, gráficos e mais detalhes.

Por outro lado, os torcedores que vão ao estádio não concordam muito com isso ou não se interessam diretamente por toda essa tecnologia. O próprio Betway Esportes trouxe entrevistas com personagens ligados à cultura da arquibancada, que criticam essa necessidade de desenvolvimento do produto independentemente dos interesses dos fãs - para eles, o estádio cheio é interessante para o marketing da competição. Para esse grupo, a tecnologia não é feita para eles, que tratam o fato de ir ao estádio também como um evento social, onde encontram amigos, por exemplo. De forma geral, um dos atrativos da Bundesliga é o preço dos ingressos, acessíveis para a maioria dos torcedores e o fato de existirem espaços para quem quer ver os jogos em pé, entre outros fatores de atração para levar o torcedor ao estádio.

O debate é para chegar a um meio-termo. A discussão passa pelo fato de a Bundesliga afirmar que não pensa em substituir a experiência que o torcedor tem em campo, mas agregar, sempre lembrando que a maioria absoluta de quem vê a competição não vai ao estádio, uma realidade que não é uma exclusividade alemã, diga-se de passagem.

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
LEIA MAIS
Frederico Jota
Frederico Jota
Frederico Jota
Frederico Jota
Frederico Jota
Frederico Jota
Frederico Jota
Frederico Jota