Paulo César de Oliveira

Ninguém sabe de nada

Publicado em: Ter, 15/09/20 - 03h00
audima

Vamos vivendo dias de expectativa com a evolução da Covid-19 pelo mundo e, em especial, no Brasil. Os números indicam que caminhamos para o controle da pandemia, mas ainda é prematuro dizer que isso acontecerá. Afinal, em vários países muito mais disciplinados do que o nosso e com ações mais efetivas de governo, há indicativos de retomada das contaminações e casos de reinfecções – em número pouco significante, é verdade – o que nos indica que devemos permanecer em vigilância, sem baixar a guarda, por mais que alguns menos responsáveis digam o contrário.

Aprendi a ser cauteloso em relação a previsões envolvendo a Covid-19 com um médico amigo meu que me disse, logo no início da pandemia, que nada se sabia sobre o vírus e que a ciência não tinha ideia sobre o que aconteceria. É verdade que evoluímos no conhecimento sobre o vírus, mas ainda não o suficiente para afirmações seguras sobre o seu controle.

No início da pandemia o próprio governo dizia que tudo passaria rápido, e o presidente Bolsonaro, confiante nas previsões de seu então ministro Osmar Terra, chegou a afirmar que não passaríamos de mil mortes. Elas já são mais de 130 mil, com milhões de infectados, e ninguém pode prever aonde chegaremos. O pior é que iniciamos uma batalha política em torno da vacina, apontada como a única possibilidade de recolocar o mundo em seu trilho.

Só com a vacinação em massa seremos capazes, dizem os cientistas, de voltar ao normal. Mas aí surge uma questão ainda sem resposta: mas qual normal? O que vai acontecer com o mundo pós-epidemia? Qual será o comportamento do homem? Mudam as relações sociais? Com quais reflexos na economia, na geração de renda, de emprego? Não temos a menor ideia do que virá – no duro mesmo, se virá.

Somos incapazes de iniciar uma discussão séria sobre o nosso futuro, que, no caso de nós brasileiros, não se desenha como dos melhores, se considerarmos a realidade do presente. É desanimador ver que, depois de tantas promessas e expectativas de mudanças, nada mudou. Continuamos com as velhas práticas políticas e – assustador – com a velha mania dos agentes públicos de levar vantagem em tudo.

Infelizmente, a corrupção, que é fruto da impunidade, campeia em todos os segmentos, envolvendo políticos e empresários. Nem mesmo diante do risco da morte de milhares os corruptos recuaram e se lambuzaram na farra com recursos que deveriam ser empregados para salvar vidas. Um triste espetáculo de ladroagem que nos expôs diante do mundo, reafirmando a velha imagem de que não somos um país sério. Precisamos mudar. Além de instituições estáveis, a democracia pressupõe instituições sérias. E eleitores sérios. Teremos isso algum dia?

Nesse processo de reconstrução do país, o Judiciário, talvez até mais do que os outros Poderes, terá papel preponderante, e no entanto terá que passar ainda por um trabalho de recuperação de sua imagem, desgastada por decisões polêmicas e, mais grave, por denúncia de corrupção envolvendo alguns de seus membros. A esperança agora tem nome: Luiz Fux.

O ministro assume a presidência de um STF mal visto pela população por seus atos e, reconheçamos, por campanhas sórdidas de grupos voltados a defender seus interesses e proteger membros envolvidos em atos criminosos. Que Fux resista e recupere a dignidade do Judiciário. Torcemos por isso.

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
LEIA MAIS
Paulo César de Oliveira
Paulo César de Oliveira
Paulo César Oliveira
Paulo César de Oliveira
Paulo César de Oliveira
Paulo César de Oliveira
Paulo César de Oliveira
Paulo César de Oliveira
Paulo César de Oliveira
Paulo César de Oliveira