Paulo Diniz

Obrigado a todos
Publicado em: Ter, 28/05/19 - 03h00

Em dezembro de 1963, a formatura de uma turma de ginásio (atual ensino médio) causou um cenário incomum na pequena cidade de Bocaiuva, no Norte de Minas Gerais: dezenas de aviões congestionaram a pista de pouso local, poeirenta e quase sem estrutura, trazendo várias autoridades políticas e militares para a cerimônia. O motivo dessa audiência especial foi o homenageado dos jovens formandos, José Maria Alkmin, nativo de Bocaiuva: várias vezes deputado e ministro da Fazenda de Juscelino Kubitschek, Alkmin vivia em 1963 um dos momentos mais altos de sua carreira.

Muitos que observaram a pista de pouso de Bocaiuva lotada em 1963 puderam perceber que algo importante estava por acontecer na política brasileira. De fato, estava em andamento a articulação secreta, protagonizada por José Maria Alkmin, de uma frente de apoio político-civil para o movimento que levaria ao golpe de março de 1964, e que acabaria por conferir a esse um certo lustro de legitimidade.

Engana-se, entretanto, quem pensa que foi só esse episódio a colocar Bocaiuva no centro da política brasileira. Também ex-ministro e muitas vezes deputado, Patrus Ananias tem suas origens na mesma cidade, que nunca deixou de frequentar. Expoente da moderação ao longo da era petista no comando do país, Patrus foi responsável direto pela implantação em larga escala do programa Bolsa Família, uma vez que chefiou o Ministério do Desenvolvimento Social por seis anos. Como legado de sua gestão, ficou a histórica superação da extrema pobreza no Brasil, um desafio no qual já haviam fracassado gerações de governantes brasileiros. Tivesse menos pudores para exercer o poder que frequentemente se coloca a seus pés, Patrus Ananias poderia ter alçado voos ainda mais altos na política mineira e brasileira – provavelmente, para benefício de todos.

Há algo em Bocaiuva que torna essa cidade berço de personalidades especiais em vários outros campos, para além da política: das artes à medicina, do Império à República, das redes sociais, os bocaiuvenses de destaque nacional se contam às dezenas. Para fugir das explicações místicas, é possível conjecturar que o exemplo de sucesso dos conterrâneos leva muitos bocaiuvenses a cultivar as mais altas aspirações na vida, sendo este sempre o primeiro passo das trajetórias excepcionais.

Bocaiuvense por parte de pai, o titular desta coluna certamente aspira ao mais alto para sua vida. Durante mais de cinco anos, busquei fazer as mais técnicas e equilibradas análises sobre a política mineira e brasileira nos artigos que aqui publiquei – foram mais de 250. Cometi erros e acertos, tentando sempre aprender com ambos. Mas sempre, em cada semana, me esforcei ao máximo.

Partindo para uma nova etapa na carreira, agradeço imensamente a atenção, o companheirismo e o carinho de todos os leitores, assim como a parceria do jornal.

Em tempo: o subtítulo do artigo de 21.5 não foi elaborado, revisado ou aprovado por este autor. O significado que ele projeta sobre o texto, portanto, foi acidental.

(2) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Kassis 3:52 PM May 28, 2019
Correção: >>>> "as histórias"
0
Denunciar

Kassis 3:52 PM May 28, 2019
Olá Paulo, sempre acompanhei sua coluna. E hoje, em especial por homenagear e contar a histórias de "nossa" terra natal: Bocaiúva, me senti muito feliz!!! Somos conterrâneos e ainda conheço toda a sua família!! Boa sorte em sua nova empreitada! Sucesso! Abraço!
0
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS