Paulo R. Haddad

Depois da mina, o que fica?
Publicado em: Seg, 15/04/19 - 03h00

As centenas de municípios mineradores do Brasil têm enfrentado um grave problema quanto às perspectivas do seu desenvolvimento após a exaustão econômica das suas reservas minerais. Esse é um problema que está presente na história econômica mundial desde a decadência da exploração das reservas de carvão mineral, durante a revolução industrial na Inglaterra. No caso brasileiro, com o fim dos ciclos do ouro e do diamante no período colonial, a pobreza se alastrou em inúmeros municípios das áreas centrais e do Nordeste de Minas Gerais, muitas dos quais se transformaram em áreas economicamente deprimidas.

Mesmo em períodos mais recentes do pós–Segunda Grande Guerra, dada à ausência de políticas públicas ambientais e de planejamento estratégico com responsabilidade social de empresas mineradoras, há uma tendência de se seguir o denominado ciclo boom-and-bust. Ou seja, nos períodos de operação plena da extração mineral ocorrem anos ou décadas de rápido crescimento econômico das economias locais (boom) em termos de renda, de emprego e de base tributável, seguidos de severos declínios (bust), como resultado da exaustão relativa dos recursos naturais. Ao final do ciclo, o resultado é conhecido: as populações pobres continuam sem alternativas de promoção humana e sem perspectivas de melhorias nas condições de vida. A base de recursos naturais fica exaurida, e as economias locais, sem dinamismo. As lideranças políticas e comunitárias se perguntam: depois da mina, o que fazer?

Algumas empresas mineradoras, num contexto de responsabilidade social ampliada, têm procurado contribuir com as comunidades onde se localizam os seus empreendimentos, na busca de um processo de diversificação da sua base produtiva, visando a um duplo objetivo: reduzir a dependência econômica das comunidades em relação às atividades minerárias e gerar alternativas para o desenvolvimento local quando da exaustão das minas.

Esse esforço não é uma tarefa simples, pois, em última instância, mesmo quando são tecnicamente identificadas as melhores alternativas para a diversificação da base produtiva das regiões em que se localizam os seus projetos de investimento, a mobilização das potencialidades intervenientes fica à mercê da disponibilidade de capital social e da capacidade empreendedora local, sobre a qual não se tem controle. Trata-se de um processo de desenvolvimento endógeno dentro do estilo de planejamento participativo.

Mas a busca pela diversificação da base econômica de um município minerador não significa que as atividades de mineração sejam um mal necessário para o processo de desenvolvimento, tanto de um país quanto de uma região ou município. Ao contrário, é possível identificar os benefícios da mineração em diferentes contextos históricos tanto em nível nacional quanto em nível regional, durante a fase de sua operação plena. Por exemplo, em Minas Gerais e no Pará, muitos municípios mineradores consolidados apresentam posição privilegiada quanto aos melhores indicadores de desenvolvimento socioeconômico.

Como disse o itabirano Carlos Drummond de Andrade: “Perder é tocar alguma coisa mais além da vitória, é encontrar-se naquele ponto onde começa tudo a nascer do perdido, lentamente”.

(3) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Nestor Martins Amaral Júnior 11:27 AM Apr 22, 2019
Antonio Jair, tudo isso e sem prejuízo da prisão onde ele será mantido pelo Estado dentro dos direitos de qualquer presidiário, sem necessidade, portanto, de recursos financeiros extraordinários. Se não houver punições exemplares, esse tipo de atitude da parte de executivos irresponsáveis e inconsequentes tende a perdurar. A Vale não é criminosa. Criminosas são tais figuras lunáticas despreparadas para a função e mais ainda aqueles que as indicam, e no caso da Vale o governo petista.
0
Denunciar

Antônio Jair 10:04 AM Apr 15, 2019
??Paulo Henrique Coimbra de Oliveira-economista=Lendo mídia recente informação estarrecedora. A notícia estava meio escondida.O presidente licenciado d Vale, assim q for demitido, tem direito à indenização de $40.000.000 (milhões d reais mesmo). Incompetência e crime c/ mais de 300 mortos é só lucro?Não acredito q Ministério Público e Justiça permitam isto.Deve-se ñ pagar, como tb bloquear s/ bens e d s/ família até 3º grau, p/ ajudar a pagar indenizações às famílias vítimas desta desumanidade.
0
Denunciar

Antônio Jair 10:00 AM Apr 15, 2019
Paulo Henrique Coimbra de Oliveira-economista=Lendo mídia recente informação estarrecedora. A notícia estava meio escondida.O presidente licenciado d Vale, assim q for demitido, tem direito à indenização de $40.000.000,00 (milhões d reais mesmo). Incompetência e crime c/ mais de 300 mortos é só lucro?Não acredito q Ministério Público e Justiça permitam isto.Deve-se ñ pagar, como tb bloquear s/ bens e d s/ família até 3º grau, p/ ajudar a pagar indenizações às famílias vítimas desta desumanidade.
0
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS